Mogwai
 

Mogwai

Uma melodia simplória ao piando se mantém, enquanto uma linha de sintetizadores cresce, trazendo consigo uma tensão agonizante. Quando o baixo e bateria entram, dando a deixa para a explosão instrumental da música, a banda se mantém firme, controlada mas não calculada. Aos poucos, a canção de abertura de The Hawk Is Howling (2008), sexto álbum do Mogwai, cresce sem você perceber. Nos minutos finais, chegamos então ao clímax emocional, com levadas mais rápidas e um arranjo sofrido de cordas por trás de tudo. Em pouco menos de 7 minutos, o quinteto escocês conseguiu perturbar suas emoções e, muito provavelmente o seu corpo, instigado de pelo arrastamento melancólico de “I’m Jim Morrison, I’m Dead”.

Essa beleza depressiva, catártica, com um nome morbidamente irônico, marca não apenas “I’m Jim Morrison, I’m Dead”, mas toda a discografia do Mogwai. Reverenciado como um dos alicerces do post-rock, o grupo nunca limitou as criações próprias a gêneros ou estilos únicos; apesar de assegurarem marcas registradas como as expostas acima, o Mogwai nem sempre é uma banda instrumental, nem sempre é uma banda orgânica, e volta e meia soa pop – às vezes tudo isso em um único álbum, ou metade dele. E por que não? A verdade é que essa capacidade de experimentar constantemente, de sempre surpreender fãs e detratores, é o ponto forte do Mogwai, uma banda encantadora em estúdio e demolidora ao vivo.

Nem só de acertos vive o Mogwai. Após a estreia excepcional – e hoje, histórica – com Young Team (1997) o grupo alternou álbuns consistentes (Happy Songs For Happy People, 2003) com outros menos inspirados (Come On Die Young, 1999) até atingir um público grande com o acessível Mr. Beast (2006), que teve músicas inseridas até em trilhas sonoras de blockbusters de ação. De lá para cá, a banda mantém a alta qualidade dos lançamentos, e mesmo sem liderar as paradas da Billboard de dois em dois anos, é prova viva da experiência religiosa que é ouvir música criada em nome da arte, distante dos padrões. Mesmo quando o padrão é fugir dele.

P.S.: “I’m Jim Morrison, I’m Dead” foi homenageada na primeira edição da nova saga de quadrinhos do Capitão América, que estreou em janeiro deste ano. Em determinado momento, uma personagem se depara com um guarda, que pede uma senha secreta para liberar a passagem dela. A personagem responde “I’m Jim Morrison, I’m Dead”, e o guarda replica: “The hawk is howling”. O quadrinho, destacado por algum membro do Reddit, está aqui.