RVIVR

RVIVR

Na última quarta-feira (20), cinco dias antes do lançamento oficial, caiu na rede The Beauty Between, o segundo LP de inéditas do RVIVR. O quarteto ficou conhecido após o lançamento do excelente álbum homônimo de estreia, em 2010, e revelou algumas – poucas – faixas do novo álbum em uma longa turnê brasileira no primeiro semestre de 2012.

RVIVR, o álbum, casava perfeitamente a simplicidade e a energia do punk rock com melodias perfeitas para grandes coros e letras que evocavam preocupações sociais e políticas sem maneirismos, além de metáforas e histórias pessoais que jamais chegaram perto de soarem piegas ou previsíveis. É um pop punk muito distante dos vícios plastificados que bandas como o All Time Low nos apresentaram nos últimos anos. E essa receita volta à risca em The Beauty Between, que de cara traz a banda soando ainda mais crua que no antecessor, com timbres mais sujos e mixagem menos definida.

Essa “sujeira” pode soar estranha à primeira audição, mas quem já teve a sorte de ver o grupo ao vivo não irá se decepcionar; The Beauty Between consegue traduzir melhor as performances energéticas do RVIVR que o antecessor, e a cozinha formada pela baixista Bex Berryhill e pelo baterista Kevin Barry parece mais precisa e marcante aqui, ajudados por uma nítida evolução técnica. Mas o grande destaque, mais uma vez, fica com os duelos contrastantes das vozes de Matt Camino (ex-Latterman/Shorebirds) e Erica Freas.

Se em RVIVR Erica parecia dividir quase igualmente os vocais com Matt, aqui ela parece tomar a frente na maioria das canções. Algumas faixas de The Beauty Between como “Spider Song” (que ganhou o tosquíssimo clipe que você vê no fim da página) e “Paper Thin”, inclusive, apareceram antes no primeiro álbum solo da guitarrista, Belly, lançado em novembro passado.

Apesar da receita ser a mesma do primeiro LP do RVIVR, as canções de The Beauty Between têm, sim, algumas nítidas diferenças. “Rainspell” é mais pesada que qualquer outra faixa do anterior, e “Big Lie” tem um solo de saxofone que lembra os metais de “Had Enough (Of This Hell)”, do EP Life Moves (2009). Isso sem falar na mini-suite “The Hunger Suite”, o ponto alto do disco. Dividida em três partes – que curiosamente se conectam perfeitamente às duas faixas finais do álbum, “Elephant Song” e “Party Queen”.

The Beauty Between é um ótimo passo à frente na discografia do RVIVR, e apesar das composições aqui não serem tão primorosas quanto às do primeiro álbum, não decepciona. E como estamos tratando de uma banda que vive o cenário independente mais como estilo de vida do que como opção mercadológica, sugiro comprar o álbum no Bandcamp oficial do grupo, caso se interesse.

Nota: 7,5/10