Meia-Dúzia-de-3-ou-4
 

Meia-Dúzia-de-3-ou-4

Fotos: Rakky Curvelo

Os arredores do Centro Cultural Rio Verde viram uma concentração das mais diferentes tribos se reunirem na frente de um pequeno portão, na noite de ontem. Estava quente, era muita gente, hippies, rockers, punks, gente de todas as idades que aos poucos formaram o público que ia participar da Festa (oficial) do Fim do Mundo, fãs, amigos, parentes e conhecido dos oito membros do Meia Dúzia de 3 ou 4. A banda paulistana lança desde 2010 em seu site uma música a cada dois meses, que conta motivos que temos para acreditar que o mundo vai realmente acabar no próximo dia 21. As 12 faixas lançadas no período viraram o álbum O Fim Está Próspero lançado na festa, com apoio dos fãs por meio do Catarse.

   Poesia-Maloqueirista

As apresentações começaram lá para às 21h40, quando o grupo Poesia Maloqueirista fez sua primeira esquete em meio ao público, que ainda entrava no espaço. Algumas esquetes e muitas pausas depois, o show finalmente começou, às 23h50 (estava marcado para começar às 21hs). Sérgio Wontroba subiu ao palco para recitar, vestido de padre e com voz de Pe. Quevedo, versos do apocalipse misturados à letra do “Samba Desenredo para o Fim dos Tempos”. Em seguida, as luzes se apagaram e o clipe de “365 Bons Motivos pro Mundo Acabar” começou a rolar num telão, enquanto a banda entra no palco e se posiciona. Em seguida, foi a vez de “Classificados”, música que no disco contou com a participação do cantor Tom Zé.

Meia-Dúzia-de-3-ou-4   Daniel-Carezzato-Thiago-Melo-Melina-Mulazani

A platéia acompanhava cada música cantando e dançando, não importava se a letra fosse das mais fáceis, como em “De novo, Christina?” na versão com a nova voz feminina da banda, Melina Mulazani (que ficou no lugar de Lia Bernardes) ou das mais complicadas, como “O Ser Humano É Muito Bobo!” em que Melina dividiu o vocal com Daniel Carezzato. A interação entre público e banda não precisava de palavras de uns para os outros: era só cantar e acompanhar o fluxo.

Entre as falhas da apresentação ficaram o atraso e o som que por vezes parecia mais grave e atrapalhava até a própria banda em alguns momentos. Mas a felicidade de lançar um disco que foi tão trabalhoso e exigiu tanto tempo de dedicação (e o esforço de tanta gente, também) recompensou. No final da festa, depois de todos os agradecimentos, a banda ouviu fãs mais saudosos pedirem músicas de seu primeiro trabalho, o álbum Tudo Se Tornalançado em 2009. E atenderam, tocando “Sem Pedir Licença (pumba)”, uma homenagem à Chico Buarque. Não dá para não concordar que, apesar dos percalços, a banda conseguiu agradar a todos, numa unidade que só a proximidade com o fim dos tempos é que poderia trazer.

Confira abaixo a set list do evento e acesse o site da banda para ouvir as músicas e ver os clipes.

  1. 365 Bons Motivos pro Mundo Acabar
  2. Classificados
  3. Problemas de Eleição
  4. De novo Christina?
  5. O ser Humano é Muito Bobo
  6. Na Reserva
  7. Esquecimento Global
  8. Pesinho na Consciência (Pezinho no Saco da Mãe Natureza)
  9. Nibiru Geral
  10. Ne Cutuque Pas
  11. Samba Desenredo para o Fim dos Tempos
  12. O ser Humano é Muito Bobo (bis)
  13. Sem Pedir Licença