Ciência e Música
 

Ciência e Música

Você leitor do Tenho Mais Discos Que Amigos! muito provavelmente já tinha percebido isso, mas agora a ciência comprovou: as músicas populares estão ficando cada vez mais parecidas.

Pesquisadores da Espanha fizeram um estudo com um arquivo musical conhecido como a Base de Dados de Um Milhão de Músicas, que traz conteúdo de áudio e também das letras de músicas populares desde 1955 até 2010.

Ao passar as músicas por complexos algoritmos, a equipe liderada por Joan Serra, especialista em inteligência artificial, constatou que as músicas populares começaram a compartilhar muitos acordes, melodias e tipos de som parecidos, além de terem ficado mais altas.

Nós encontramos evidências de uma homogeneização progressiva  das músicas. Em particular, chegamos a indicadores numéricos de que a diversidade das transições entre combinações de notas – a grosso modo acordes mais melodias – tem diminuído constantemente nos últimos 50 anos.

Outro ponto importante é a altura intrínseca da música, que é “produzida” quando a música é gravada e faz com que elas fiquem mais altas do que outras mesmo com mesmos níveis de volume em um aparelho de som, por exemplo.

Segundo a matéria, a indústria da música tem sido acusada de aumentar o volume em que músicas são gravadas  e essa é a primeira vez que isso foi medido de forma científica.

Agora, cá entre nós, não precisa ser um cientista pra saber que de 1950 pra cá a qualidade das músicas populares diminuiu muito, né?

É só dar uma olhada em nossa lista das melhores músicas dos anos 50 aqui e comparar o que era popular naquela época e o que faz sucesso hoje em dia.

Fonte: Reuters