Beastie Boys
Ouça playlist com clássicos do Rock!  

Beastie Boys

Ontem, dia 4 de Maio de 2012, foi um triste dia para a história da música.
Foi o dia em que Adam Yauch (ou MCA, como era também conhecido), um dos três membros do influente grupo Beastie Boys, perdeu uma batalha de três anos contra o câncer e nos deixou.

Com sua morte, muito provavelmente está decretado também o fim da banda, que foi uma das mais importantes e interessantes dos últimos tempos ao misturar hardcore, punk, metal e hip hop seja com letras sarcásticas ou falando de coisa séria. O mundo será um lugar mais triste sem o grupo, e para celebrar seu trabalho, fizemos um especial sobre a carreira da banda, que influenciou punks, rappers, DJs, skatistas, roqueiros e aqueles que só queriam se divertir.

RIP MCA, Viva Beastie Boys.

Começo da Carreira (1979-1983)

Beastie Boys - Polly Wog Stew Beastie Boys - Cooky Puss

O Beastie Boys começou como uma banda de hardcore em 1979, na efervescente Nova York, tocando com nomes como Dead Kennedys, Misfits e Bad Brains.

Em 1982, veio o primeiro EP, chamado Polly Wog Stew e contendo 8 faixas, com a formação clássica do punk de guitarra, baixo, bateria e vocal. Foi em 1983, ao lançar o EP Cooky Puss, que a banda começou a incorporar elementos do hip hop em seu som, e mostrar seu lado sarcástico, com gravações de trotes que os caras passaram para um restaurante. A faixa-título ficou extremamente conhecida na cena underground de Nova York e seu sucesso fez com que a banda se empolgasse com o hip hop e começasse a incorporá-lo com mais frequência em seus lançamentos.

Rock Hard (1985)

Beastie Boys - Rock Hard

Como a faixa de hip hop “Cooky Puss” tinha dado tão certo, os Beastie Boys resolveram experimentar mais com o estilo, fazendo com que seus shows não tivessem mais instrumentos de rock, mas sim um DJ. Um dos primeiros caras a trabalhar com a banda nesse sentido foi ninguém menos que Rick Rubin, então jovem estudante, que fundou a gravadora Def Jam e hoje em dia é um dos produtores mais conceituados do mercado e co-presidente da Columbia Records.

Rubin produziu o EP Rock Hard, lançado em 1985 e que enfrentou uma batalha legal contra o AC/DC, já que a faixa-título tinha samples de “Back In Black”, da banda Australiana sem a devida permissão. Ao conversar pessoalmente com os membros da banda, os Beasties ouviram a resposta de que “nós não temos nada contra vocês, mas não apoiamos samples”. Ad-Rock, logo respondeu, “Nós não apoiamos pessoas tocando guitarras”.

O disco está fora de catálogo muito tempo e é marcante para a Def Jam pois a banda ainda usa o layout do selo central em seus lançamentos em vinil.

 

Licensed To Ill (1986)

Beastie Boys - Licensed To Ill

Não demorou muito para que o primeiro de estúdio viesse.

Lançado em 1986, Licensed To Ill também foi produzido por Rick Rubin e lançado via Def Jam/Columbia. O álbum fez história ao se tornar o primeiro disco de hip hop a ficar no topo da parada da Billboard e vender mais de 9 milhões de cópias, entrando na história da Columbia como o álbum que vendeu mais cópias em menos tempo até então.

Muito disso se deve a “(You Gotta) Fight For Your Right (To Party)”, hino da juventude da época que teve seu videoclipe exaustivamente passado em canais de música e se tornou um verdadeiro símbolo dos anos 80. Outro destaque é “No Sleep ‘Till Brooklyn”, que conta com um solo de guitarra de Kerry King, do Slayer, e tem seu nome inspirado no disco No Sleep ‘Till Hammersmith, do Motorhead, além de um videoclipe que tira sarro das bandas de glam metal.

A faixa de abertura, “Rhymin & Stealin” conta com o riff de guitarra de “Sweet Leaf”, do Black Sabbath e a bateria de “When The Levee Breaks”, do Led Zeppelin.

Por incrível que pareça, após o imenso sucesso do disco e a obviamente promissora parceria, os Beasties cortaram relações com Rick Rubin e a Def Jam/Columbia Records.