Diablo Motor
   

Diablo Motor

“Somos uma banda de rock nacional. (…) hard rock nacional”, é como se rotulam sem preocupação Rafael Sales, Filipe Cabral, Bruno Patrício e Thiago Sabino, ou melhor, a Diablo Motor.

Com uma formação clássica: vocal, guitarra, baixo e bateria, seguindo a ordem dos nomes dos integrantes já citados, a banda pernambucana levou um tempo para chegar até a certeza citada no início desta postagem – alguns membros tocam junto desde 2006, quando, na época, tinham uma banda de grunge, influenciados pelas principais bandas do gênero. O tempo passou e os integrantes passaram a ouvir e se deixar influenciar por outras coisas, principalmente as bandas do chamado stoner rock, mas também grupos de rock clássico, e perceberam que o grunge não era mais a vibe da banda e então começaram tudo novamente sob o novo nome, o já mencionado Diablo Motor. E antes que você pense que eles têm algum pacto com o demônio, o nome da banda surgiu de um brainstorm onde cada um escreveu qualquer coisa e no final das contas escolheram os nomes mais fortes, ligados principalmente ao universo automotivo.

Diablo Motor - Diablo Motor EP

Tendo na carreira apenas um EP, que você pode baixar por aqui, lançado em 2009, algumas aparições em festivais importantes como o Goiânia Noise 2011, Abril Pro Rock Club 2011, GIG Rock 2011, Festival de Inverno de Garanhuns 2011, e o prêmio de Banda Revelação no Troféu Sonar de Música Pernambucana 2011, a banda se prepara para lançar seu álbum de estreia. O disco já está pronto. Estão faltando são algumas questões contratuais para que o lançamento aconteça neste mês ou, no mais tardar, no próximo.

Esse tempo todo entre o primeiro trabalho e este próximo álbum se deu por conta de diversas situações: entrada e saída de membros, regravação de material com o novo vocalista, mas principalmente pelo fato da banda prezar pela qualidade e seriedade de qualquer coisa que eles possam lançar. Desde o início, os membros levaram a sério tudo àquilo que estavam fazendo, mesmo que não desse um grande retorno financeiro, mas que desse orgulho de tudo que produzissem e que o público mostrasse reconhecimento. Por isso eles se mostraram pouco produtivos em relação à outras bandas locais não lançando clipes e muitos outros álbuns nesses quase 6 anos de existência, porém, isso pode ser um ponto positivo levando em consideração ao cuidado que eles têm ao produzir seus materiais.

O primeiro álbum virá com o que eles querem mostrar ao mundo: letras cantadas em bom português – apenas uma música foi composta em inglês, pegada moderna, pesada e até mesmo pop percorrendo temas como bebidas com alto teor alcoólico, mulheres e todo o clima que envolve esses dois elementos ao mesmo tempo. E sob a influência de bandas dos estilos citados no início desta postagem como: AC/DC, Guns N’ Roses, Led Zeppelin, Black Sabbath, Motörhead, Velvet Revolver, Foo Fighters, Queens of The Stone Age, Hellacopters, mas não se limitam apenas a isso. Se você quiser ouvir como está ficando este trabalho, acesse o SoundCloud da banda e confira três faixas sem a masterização.

Aguarde para a próxima postagem com a banda que virá com uma entrevista que o TMDQA! realizou com eles. O quarteto falará um pouco sobre o primeiro álbum da carreira, como se deu todo o processo de criação, como foi a finalização com Don Grossinger, vencedor de um Grammy com a masterização do disco Embryonic do Flaming Lips, além de já ter trabalhado com Brian Wilson, Rolling Stones, Elvis Costello, Rage Against The Machine, entre tantos outros. A Diablo Motor também vai comentar um pouco sobre a indústria fonográfica e sobre a recepção que eles já estão tendo tanto em Pernambuco quanto fora do estado. Aguardem!

Facebook | Twitter | YouTube | Soundcloud