Metallica/Lou Reed - Lulu

Resenha por João Mateus, do blog O Musicófilo

Lulu é um álbum colaborativo entre o cantor/compositor Lou Reed (ex-The Velvet Underground) e a banda de Heavy Metal Metallica. Pela lógica um dos mais aclamados compositores do Rock + uma das maiores bandas do mundo = um grande álbum… porém não é o que acontece em Lulu.

O álbum começou a ser gravado em Abril deste ano secretamente, sem nenhuma divulgação de que seria um disco da parceria Lou Reed & Metallica, a partir de uma série de canções que Reed havia composto para uma produção teatral chamada Lulu, originalmente escrita pelo dramaturgo alemão Frank Wedekind.

Já na primeira audição fica claro que cada um dos participantes do álbum teve suas funções bem determinadas, sendo Lou Reed o responsável pelas letras e vocais principais e o Metallica pela parte instrumental e alguns backing vocals, soando mais como uma banda de apoio contratada por Reed do que como um participante efetivo do disco. Em certos momentos do álbum a impressão de que tudo foi gravado sem interação entre as partes é muito forte, deixando uma pulga atrás da orelha do ouvinte que acaba supondo que a banda gravou suas partes em um estúdio e o cantor em outro.

“Brandenburg Gate” abre o disco com Lou Reed espancando um violão 12 cordas até o momento em que entram em cena guitarras cheias de distorção, uma bateria enfurecida e a voz gutural de James Hetfield. A música segue com Reed usando a chamada “spoken word”, onde a voz principal é falada ao invés de cantada, e isso segue presente do inicio ao fim do álbum, ficando Hetfield com as (poucas) partes vocais mais melódicas.

“Iced Honey” é a única música de todo disco que será facilmente assimilada pelo ouvinte, pois soa realmente como uma parceria, tendo suas partes equilibradas e combinando entre si. Tanto a banda quanto o vocalista deixaram de lado por um momento seus estilos e egos e criaram algo juntos que soa totalmente diferente do restante do álbum.

Lou Reed sempre teve seu lado experimental, logo, este disco será melhor aceito por seus fãs e soará muito melhor em sua discografia do que na do Metallica, onde os fãs agirão (suponho) de duas formas: alguns irão aprender a gostar do álbum pelo instrumental muito bem feito pela banda, lembrando em vários momentos os discos clássicos do grupo, e outros vão querer quebrar este disco e ir ouvir “o Metallica de verdade”.

Definitivamente Lulu está longe de ser um trabalho genial de ambas as partes e não irá consolidar Lou Reed & Metallica como uma parceria de sucesso.