Edu Falaschi, do Angra, anuncia pausa na carreira
 

Edu Falaschi, do Angra, anuncia pausa na carreira

No último domingo (25), o Angra, um dos maiores grupos de metal do país, se apresentou no palco Sunset, do Rock in Rio. Confusa do início ao fim, a performance da banda sofreu com sérios problemas técnicos, que impediam tanto os espectadores do festival como quem acompanhava o show pela TV ou pela internet de ouvir a apresentação com o mínimo de qualidade.

Mas apesar das evidentes dificuldades no som, a atuação do vocalista Edu Falaschi foi o principal alvo das reclamações. Claramente desafinado e sem condições de atingir as notas agudas características da banda, Edu parecia sofrer para concluir o show.

Nesta quinta-feira (28), Edu divulgou um comunicado à imprensa abordando de forma honesta e sincera os problemas enfrentados, e anunciou uma parada temporária na carreira para se recuperar de problemas de saúde e recuperar a voz de outrora.

Leia a íntegra do texto abaixo, em que Edu promete parar de cantar em tons que exijam mais do que ele é capaz, tanto no Angra, banda da qual faz parte desde 2001, como no Almah, projeto paralelo liderado por ele.

Caros amigos,

Finalmente, eu gostaria de esclarecer alguns fatos em relação a minha voz com toda a sinceridade, humildade e integridade que eu possa ter.

Por mais de 20 anos eu trabalhei sem um dia de descanso dentro do Heavy Metal, do qual todos sabem do grau de dificuldade e das exigências técnicas do estilo. Ao entrar no Angra tive ainda que me adequar a uma forma de cantar particularmente aguda e totalmente fora da minha tessitura, e da grande maioria dos cantores! Na época, assumi a bronca e encarei toda a pressão. Porém, há 10 anos era bem mais fácil devido ao fator físico, empolgação e idade. Fui ano após ano sentindo, progressivamente, as dificuldades de se cantar algo tão agudo e fora da minha característica natural. Lutei até o fim! Fiz o possível e o impossível para continuar a cantar bem as músicas do Angra, principalmente as mais antigas, sempre em tons altos, pois o público do Metal Melódico sempre “exigiu” isso de nós cantores. Mas infelizmente, hoje, mais velho e mais experiente, devo assumir que não estou mais apto a cantar tão agudo.

Estou extremamente cansado e sentindo o peso de tudo isso na minha própria voz, inclusive na região que sempre foi o meu forte! Sou um cantor barítono que domina a região dos médios, graves, drives e o canto com voz de peito com conotação mais agressiva, assim como eu fazia no Symbols e faço no Almah atualmente. Conquistei muitas coisas e construí grande parte da minha história vitoriosa com meu próprio perfil, que é o meu forte!

Enfim, tomei uma decisão, pensando única e exclusivamente na saúde da minha voz e na integridade da minha carreira, que construí com tanta luta e dedicação. Após cumprir todas as atividades de divulgação do “Motion”, pré-agendadas até o fim do ano, vou parar por tempo indeterminado para finalmente descansar, e poder tratar definitivamente da minha saúde. Mas devo já salientar que, a partir de hoje, só vou cantar o que estiver dentro da minha tessitura natural, seja no Angra ou em qualquer outra banda, para o meu próprio bem! Quero voltar a ser o que eu realmente sou, em vez de ser o que as pessoas desejam que eu seja! Nesse meio tempo, vou seguir com minhas atividades como produtor e compositor, que são coisas que amo fazer, e que não atrapalharão em nada o progresso da minha recuperação.

Muito obrigado do fundo do meu coração a todos os fãs que sempre me apoiaram e incondicionalmente me defendem! Farei sempre o meu melhor cantando e compondo por vocês e pela boa música, com toda minha verdade e emoção! Eis o primeiro passo de uma nova fase na minha vida! Tenho confiança no futuro, e serei sempre um apaixonado pelo estilo musical mais foda do mundo, o Heavy Metal!”

EDU FALASCHI

Vale frisar que, há algumas semanas, vários rumores de que a banda iria se separar circulam pela internet, mas foram negados pelo grupo. Além dos problemas na voz de Edu, o guitarrista Kiko Loureiro está de mudança para Europa, o que inflamou ainda mais os boatos.

 
Compartilhar