Courtney Love

Courtney Love canta Jeremy do Pearl Jam

No último dia 5, a polêmica Courtney Love se apresentou com sua banda, a Hole, na 40ª edição do Bumbershoot, festival de música e arte da cidade de Seattle – ela voltou à cidade após mais de 10 anos. Antes do show propriamente dito, a cantora esteve em uma sessão restrita à jornalistas e ouvintes sorteados para uma rádio local dando entrevista e fazendo um pocket show ao lado do atual guitarrista da banda, o Micko Larkin. A Rolling Stone Brasil esteve lá e captou o clima de uma nova Courtney. Uma Courtney mais bela e bem melhor fisicamente falando, porém ainda com sua falta de pudor e ainda um pouco louca. Durante a sessão, ela prestou uma homenagem à cidade de Seattle com um cover da música “Jeremy” do Pearl Jam, banda de Eddie Verder, inimigo histórico de Courtney.

Musicalmente falando o show da Hole naquele dia no festival foi considerado surpreendente, em comparação aos shows da atual turnê da banda. Mesmo não estando tão ansiosa pra tocar na cidade – a última vez que esteve lá foi quando Kurt Cobain morreu –  ela se relacionou muito bem com o público e cantou como nunca alternando o repertório entre sucessos antigos da banda com músicas do mais recente, “Nobody’s Daughter”, lançado em abril deste ano, com algumas covers. Após o show, Courtney concedeu uma entrevista para a RS Brasil e falou sobre a possibilidade de voltar ao Brasil: “Tem essa coisa do Rock In Rio, depende de sermos ou não convidados”.

Pelo visto, o festival que acontece no ano que vem em terras brasileiras já está com uma repercussão entre os artista lá fora. É aguardar!

Shows da Alesana e A Skylit Drive no Brasil

Turnê da Alesana e A Skylit Drive no Brasil

A Liberation MC divulgou as datas da Alesana pelo Brasil. Esta será a terceira vez que a banda toca por aqui. A primeira vez foi em 2007, a segunda em 2008 e retorna agora para dois shows no Brasil e mais quatro pela América do Sul. O sexteto da Carolina do Norte vem com a turnê do seu mais recente trabalho, o “Emptiness”, lançado este ano e traz consigo a A Skylit Drive, banda emergente de post-hardcore da Califórnia e companheira de selo e de outras turnês da Alesana.

A The Emptiness Tour passará por São Paulo e Curitiba, aqui no Brasil, e segue para a Argentina, Chile e Colombia, fechando as seis datas sul-americanas.

Informações sobre ingressos no site da Liberation MC.

Anos 80

Continuando o post anterior que trouxe 13 discos essenciais dos anos 80, bandas como Pretenders, Depeche Mode, Sonic Youth, entre outros, se juntam aos já citados U2, The English Beat, The Smiths e outras bandas citadas aqui. Confira o restante da lista com mais 12 álbuns dos 25 eleitos pelo blog da Rhapsody.

Roxy Music - Avalon

Lançado em 1982, o “Avalon” da Roxy Music veio pra provar que os esforços da banda em seu último álbum de estúdio se tornaria o mais popular com singles como “More Than This”, “Avalon” e “Take A Chance With Me”. Bryan Ferry soube como liderar a banda nos vocais e também na composição das letras neste que foi o grande sucesso comercial da banda.

Pretenders - The Pretenders

O disco de estréia do Pretenders continua sendo até hoje um clássico. “The Pretenders” ainda empolga do início com “Precious” ao final com “Mystery Archievement”. O álbum foi bem falado nos Estados Unidos e no Reino Unido assim como teve um belo retorno comercial.

Lloyd Cole and the Commotions - Rattlesnakes

A banda de british pop formada na Escócia lançou seu álbum de estréia em 1984, o “Rattlesnakes”. A Lloyde Cole and The Commotions era liderada pela letras de Cole e conduzida pelo folk-rock da banda. O disco equiparou-se com olançamento do The Smiths e com o álbum “High Land, Hard Rain” do Aztec Camera, ícones do indie britânico.

OMD - Architecture & Morality

A faixa de abertuda do “Architecture & Morality” faz lembrar que o OMD, sigla para Orchestral Manouvres in the Dark, começou com uma etiqueta da fábrica do Joy Division, porém o restante do álbum soa mais com a energia da primeira fase da pop arte. O futuro da banda é resumido na faixa “Souvernirs”. O disco foi o maior sucesso da banda vendendo mais de 3 milhões de cópias.

Husker Du - New Day Rising

Antes do lançamento do “New Day Rising”, o Hüsker Dü já havia conquistado a crítica da época. Porém com este álbum eles provaram que podiam fazer mais pelo punk, hardcore e o indie.  Bob Mould, guitarrista, vocalista e líder da banda, sabia o que estava fazendo nas músicas “I Apoligize” e “Celebrated Summer”, juntamente com o ajuda de Grant Hart, baterista, que colocou toda sua experiência nas faixas “Terms of Pyschic Warfare” e “Books About UFOs”. Em 1985, ano do “New Day Rising”, a banda ainda lançou o álbum “Flip Your Wig”.

XTC - Skylarking

Em 1986, o XTC lançou o “Skylarking”, onde combinaram o folk inglês pastoral com um estilo pysch pop retrô dos Beatles do projeto pararelo deles chamado Dukes of Stratosphere – pseudônimo da XTC nos anos 80. Como a maioria dos discos mencionados nesta lista, o “Skylarking” também foi um dos maiores sucessos comerciais da banda na época de seu lançamento. As faixas “Earn Enough for Us” e “Dear God” tocaram bastante nas rádios inglesas.

Elvis Costello - Trust

“Trust” do Elvis Costello foi o nascimento do estilo de como o artista é conhecido até hoje. É tambám rico em melodias e sofisticação e considerado um dos melhores álbuns de sua carreira. Músicas como “Strict Time”, “Watch Your Step” e “Pretty Words” são a essência de Costello. A foto da capa se tornou um ícone em seu catálogo de discos lançados.

Depeche Mode - A Broken Frame

O “A Broken Fame” fez do Martin Gore um verdadeiro líder no Depeche Mode, se igualando ao estilo original do Vince Clarke, antigo membro da banda que tinha saído em 1981, um ano antes do lançamento deste álbum. As faixas “See You” e “Leave in Silence” foram ótimas escolhas de singles e a música “Sun & the Rainfall” é considerada uma das melhores da banda. O “A Broken Fame” ainda foi relançado com raridades e versões ao vivo.

Sonic Youth - Daydream Nation

Todos os elogios que foram dados ao Sonic Youth for fazerem este álbum foram merecidos. “Daydream Nation” expõe temas como o poder da juventude, o barulho do punk rock e o mal-estar suburbano. O vinil duplo de 1988 fez com que o Sonic Youth fosse bem aclamado pela crítica.

The Cure - Disintegration

O The Cure se tornou uma potência do rock alternativo durante os anos 80 com o lançamento de singles pop e álbuns cada vez mais ecléticos. “Disintegration”, de 1989, fez com que a banda retornasse ao post-punk  e à temática gótica de dois discos do início da década, “Faith” e “Pornography”. As músicas “Lullaby” e “Prayers for Rain” são ao mesmo tempo um sonho e pesadelo. Enquanto que “Lovesong” e “Pictures of You” mostram que Robert Smith não tinha perdido seu talento para o lado pop. Este álbum fez com que o The Cure se tornasse um sucesso mundial.

The Stone Roses - The Stone Roses

O lançamento do álbum que leva o mesmo nome da banda, The Stone Roses, mostrou como a banda aprecia o estilo dos anos 60 e as batidas do House e fez também com que se iniciasse um movimento que tomaria toda a Inglaterra no final dos anos 80. As músicas “Elephant Stone”, “I Am the Resurrection” e “She Bangs the Drums” fazem deste álbum um clássico.

Pixies - Doolittle

O “Doolittle” do Pixies traz uma combinação da alegria do Black Francis com a estrutura e as melodias do pop. A perfeição do álbum é alcançada com a “Here Comes Your Man”. Para alguns críticos, sem esse disco, o rock nos anos 90 teria sido totalmente diferente.

Lembrando que o Pixies estará no Brasil no SWU Music & Arts Festival no dia 11 de outubro. Saiba mais detalhes aqui.