segunda-feira, 20 de maio de 2019

Bruce Dickinson mostra nova cerveja do Iron Maiden com traços de saquê

Bruce Dickinson apresenta nova cerveja do Iron Maiden
Foto: Reprodução / YouTube

O Iron Maiden entrou no ramo das cervejas artesanais e se empolgou.

Após lançar a “The Trooper” há alguns anos, o grupo britânico de Heavy Metal já se aventurou por algumas outras versões da bebida e agora apresentou sua mais nova parceria com a cervejaria Robinsons.

Trata-se de “Sun And Steel”, uma lager com um diferencial bastante especial: leveduras normalmente utilizadas para fazer saquê, a tradicional bebida japonesa, foram usadas na sua fermentação, como o próprio Bruce explicou:

Queríamos fazer algo especial então decidimos fazer algo com levedura de saquê Japonês para adicionar mais aroma e sabor. A cerveja é deliciosa e também tem uma aparência muito legal!

Nova cerveja do Iron Maiden

Sexta variação na série “Trooper”, a nova cerveja do Iron Maiden tem 4.8% de graduação alcoólica e leva tanto leveduras lager quanto de saquê.

Ainda de acordo com a Louder Sound, a inspiração para o toque oriental veio de um encontro de Bruce Dickinson com George Yusa, fã da banda e dono da Okunomatsu, tradicionalíssima fabricante de sakê com 300 anos de história e sede em Fukushima.

Iron Maiden no Brasil

A banda vem ao Brasil para tocar no Rock In Rio e também se apresentará com shows solo em São Paulo e Porto Alegre. As informações de preços de ingressos ainda não foram disponibilizadas.

De novo! Game of Thrones deixa escapar garrafa d’água em cena do último episódio

Game of Thrones Garrafa de Água 43.10
Foto: Reprodução/HBO

Nem o tão esperado episódio final de Game of Thrones escapou de uma nova gafe.

Durante um cena importante do último capítulo da série, uma garrafa plástica de água é vista aos pés do personagem Samwell Tarly (John Bradley-West). A “aparição especial” acontece no minuto 43:10 do episódio, quando visto pela HBO Go.

A gafe vem apenas dois episódios depois do incidente com o copo de café. Em uma cena com Daenerys Targaryen (Emilia Clarke), um copo que parece ser do Starbucks (mas não é!) aparece em uma mesa. A falta de atenção da equipe da série rendeu milhões de dólares para a marca.

Último episódio de Game of Thrones

Os acontecimentos do capítulo final de uma das maiores séries da história da TV não agradou muitos fãs.

Antes mesmo que fosse ao ar, uma petição foi criada para que toda a oitava temporada seja refeita pela HBO, e a revolta na internet continua.

Clique aqui para ler nossa crítica sobre o final mixuruca de Game of Thrones.

Mick Jagger manda ver em nova música do Rolling Stones em vídeo

Mick Jagger nova música Rolling Stones
Foto: Reprodução/Twitter

Mick Jagger está mesmo mais saudável do que nunca e acaba de provar isso novamente.

Depois de publicar um vídeo onde dança e pula com uma disposição muito melhor que a nossa, o músico de 75 anos divulgou mais um clipe — agora, ele aparece tocando “novas músicas” em estúdio.

Vale lembrar que o Rolling Stones está preparando seu próximo disco, então a faixa que ouvimos pode muito bem ser um gostinho do que vem por aí.

Assista ao vídeo!

Mick Jagger e a Cirurgia no coração

No mês passado, Jagger foi submetido a uma cirurgia séria no coração, após um problema que ele descobriu durante um check-up.

Para que o vocalista se recuperasse, o Rolling Stones adiou sua turnê atual, mas já anunciou as novas datas. O primeiro show acontece em Junho, saiba mais clicando aqui.

Vida longa a Mick Jagger!

Bruce Springsteen volta no tempo com a inédita “There Goes My Miracle”

Bruce Springsteen no Rock In Rio 2013
Foto de Bruce Springsteen via Shutterstock

Após ficar anos longe do estúdio, o lendário Bruce Springsteen anunciou recentemente o lançamento de seu primeiro disco de inéditas desde 2014, Western Stars.

Para promover o trabalho, o cantor compartilhou a incrível “Hello Sunshine”, como chegamos a publicar por aqui. Agora, Springsteen está lançando “There Goes My Miracle”, o segundo single de Western Stars.

Bruce Springsteen

Acompanhado de arranjos orquestrais, Bruce canta sobre o amor através de melodias nostálgicas que lembram (e muito) clássicos de décadas passadas. É uma direção musical bem diferente do single anterior, mas com uma letra extremamente grude que promete ficar na sua cabeça já na primeira reprodução.

Ouça a faixa logo abaixo. Western Stars será lançado no dia 14 de Junho.

Woodstock 50 busca “salvar” edição e consegue novos investidores

Woodstock 50 (2019)
Foto: Divulgação

A edição comemorativa dos 50 anos do primeiro Woodstock está se transformando em uma verdadeira novela.

Michael Lang, co-fundador do festival original, esteve organizando o Woodstock 50 e até mesmo um lineup completo chegou a ser revelado. No entanto, diversos dramas por trás das cenas surgiram quando a principal investidora do evento, Dentsu Aegis Network, disse ter desistido do financiamento e anunciou que o festival estaria cancelado.

Desde então, Lang negou a declaração e ainda processou a empresa por ter supostamente desviado mais de 17 milhões dos fundos do evento. Agora, o processo chegou ao fim através de um acordo e, como aponta a Pitchfork, Lang anunciou que o banco de investimentos Oppenheimer & Co será o novo financiador do projeto.

“Nós acreditamos no Woodstock como um importante ícone cultural americano e estamos ansiosos para a sua regeneração nos verdes campos de Watkins Glen em Agosto com todos os artistas do incrível lineup”, disse um representante da empresa em uma declaração oficial.

Nesse meio tempo, Lang disse estar trabalhando para conseguir as permissões necessárias para que o evento aconteça sem problemas.

E aí, será que esse festival vai acontecer?

Tom Morello e Serj Tankian tocam “Like A Stone” para Chris Cornell; vídeo

Tom Morello e Serj Tankian tocam Like A Stone para Chris Cornell
Foto: Reprodução / YouTube

No último final de semana rolou o festival Sonic Temple, nos EUA, e o System Of A Down era um dos headliners.

Quem também esteve no line-up foi Tom Morello, com uma apresentação solo onde o guitarrista mostrou suas músicas, clássicos do Rage Against The Machine e também apresentou uma versão de “Like A Stone”, do Audioslave.

Como forma de homenagear Chris Cornell, lendário vocalista do Soundgarden que nos deixou há dois anos, ele convidou Serj Tankian, vocalista do System Of A Down, para uma participação especial.

Essa não foi a primeira vez que Serj se juntou a Tom para a homenagem, e você pode assistir ao vídeo logo abaixo. “Like A Stone” começa por volta da marca de 4:20.

LEIA TAMBÉM: “Ninguém mais canta como você” – há 2 anos perdíamos Chris Cornell

Setlist – Tom Morello no Sonic Temple 2019

  1. Lead Poisoning
  2. Where It’s At Ain’t What It Is
  3. Battle Sirens
  4. Rabbit’s Revenge
  5. Every Step That I Take
  6. Bombtrack / Know Your Enemy / Bulls on Parade / Guerilla Radio / Sleep Now in the Fire / Cochise
  7. Like a Stone (Audioslave) (com Serj Tankian)
  8. Can’t Stop The Bleeding
  9. Vigilante Nocturno
  10. Killing in the Name (Rage Against the Machine) (com fãs no palco)
  11. Power to the People (John Lennon) (com fãs no palco)

Foo Fighters toca clássico do Queen com Luke Spiller (The Struts); vídeo

Foo Fighters toca Queen com o The Struts
Foto: Reprodução / YouTube

Ontem à noite (19) o Foo Fighters foi uma das principais atrações do festival Sonic Temple em Columbus, Ohio.

Por lá, os caras tocaram 17 músicas com direito à já tradicional cover de “Under Pressure”, do Queen com David Bowie, que aparece em praticamente todos os seus shows.

Na versão, o baterista Taylor Hawkins assume os vocais enquanto Dave Grohl assume as baquetas, e ontem eles ainda contaram com a participação especial de Luke Spiller, vocalista da banda britânica The Struts, que fez as vezes de Freddie Mercury como poucos no mundo o fazem.

Você pode assistir aos vídeos logo abaixo, bem como ver a performance exclusiva do TMDQA! com o The Struts gravada logo após os shows da banda no Lollapalooza Brasil. Na ocasião, eles tocaram “Body Talks” com a brasileira Karen Dió, do Violet Soda.

Setlist – Foo Fighters no Sonic Temple 2019

  1. All My Life
  2. Learn to Fly
  3. The Pretender
  4. The Sky Is A Neighborhood
  5. Times Like These
  6. Rope
  7. Drum Solo
  8. Sunday Rain
  9. My Hero (dedicada ao pai de Pauly Shore)
  10. These Days
  11. Walk
  12. Guitar Solo / Another One Bites The Dust / MTV Theme Song / Day-Oh
  13. Under Pressure (Queen cover) (com Luke Spiller)
  14. Monkey Wrench
  15. Run
  16. Best of You
  17. Everlong

Com reviravolta mixuruca, Game of Thrones chega ao fim após 8 anos

Bran Stark em Game of Thrones
Foto: Divulgação/HBO

Acabou. Game of Thrones chegou ao fim após 8 anos.

Foi ao ar na noite deste domingo (19), pela HBO, o desfecho de uma das maiores séries do entretenimento, fenômeno de audiência e crítica — pelo menos na maior parte do tempo. Para seu grande final, não foi o caso.

Nos últimos dias, fãs do seriado chegaram a fazer um abaixo assinado pedindo para que a temporada final fosse refeita. Os acontecimentos dos últimos episódios não agradaram àqueles que têm acompanhado a trama desde o começo, mas o ato parecia um pouco precipitado. Afinal, nem havíamos assistido ao último episódio! Mas a previsão estava correta.

Em sua instalação final, Game of Thrones mostrou um roteiro por ora previsível, cumprindo a promessa de dar um fim fraquíssimo à sua personagem melhor desenvolvida até então. No final das contas, Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) não chegou de fato a virar a Rainha Louca dos Sete Reinos, não chegou a virar rainha nenhuma. Antes que pudesse se sentar no Trono de Ferro, foi morta por Jon Snow (Kit Harington), que mais prometeu do que cumpriu durante sua jornada. Um fim sem ponta para a Mãe dos Dragões, que merecia ao menos uma morte mais emocionante — e por alguém mais competente.

A emoção, portanto, ficou por conta de Drogon, seu único “filho” vivo. Queimou o Trono de Ferro (por que não pensaram nisso antes?) mas, como nada é perfeito, poupou a vida do assassino de sua mãe. Se a misericórdia por parte do monstro indicou que talvez Snow ainda pudesse ter uma reviravolta e ser fundamental para o desfecho, enganou.

A reviravolta na verdade foi uma das piores. Em um momento até cômico durante o episódio, onde os lordes dos reinos se reúnem para escolher o novo rei (democracia? Eleições? O que está acontecendo aqui?), quem fica com o Trono de Ferro imaginário é Bran Stark (Isaac Hempstead-Wright). Agora apelidado de O Quebrado por sua condição física, o Corvo de Três Olhos é eleito como a melhor opção para o governo, já que sabe tudo sobre o passado — e sabia também um pouco do futuro, já que afirmou saber que esse seria seu destino. Difícil de engolir, vista a jornada do personagem que o levava em todas as direções, menos esta. Mas aconteceu.

Para descontentamento daqueles que ainda acreditavam na essência “dedo no c* e gritaria” de Game of Thrones, Bran não revelou ser o Rei da Noite no fim das contas. Teria isso salvado uma temporada inteira? Uma pena que nunca saberemos.

Sansa Stark (Sophie Turner) foi a que teve o único desfecho mais próximo de justo na história, já que se tornou, finalmente, a Rainha do Norte. Enquanto isso, Arya Stark (Maisie Williams) foi desbravar o desconhecido… e só. A personagem que mais se preparou para um grande final, acabou esnobada em um roteiro mal costurado e preguiçoso, e foi embora.

Sem morrer e sem fazer mais nada de grandioso, Jon Snow acabou voltando para Castelo Negro, ao lado de seu Fantasma, para se juntar a uma espécie de nova Patrulha da Noite — o prometido, o digno do Trono de Ferro deu um giro 360° e voltou para onde começou. Não que tenha merecido mais que isso.

Parece justo?

O futuro (e o passado) de Game of Thrones

Quer tenha gostado ou não desse final, Game of Thrones não acaba de fato hoje.

Quatro séries spin-off da franquia já foram confirmadas — incluindo uma que servirá como prequel, abordando contos mais antigos de Westeros. Ao mesmo tempo, o último episódio desta temporada deixou algumas brechas abertas para que mais histórias sejam contadas a partir daqui.

Como tudo isso vai se desenrolar, ainda mais após a reação dos fãs e da crítica a este final, é algo que teremos de esperar para ver.

Todas as temporadas de Game of Thrones estão disponíveis na HBO GO.

Slipknot: filha de Shawn “Clown” Crahan morre aos 22 anos de idade

Shawn Clown Crahan (Slipknot) e Gabrielle

Notícia triste neste domingo (19). O Slipknot acaba de anunciar a morte de Gabrielle Crahan, filha mais nova do percussionista Shawn “Clown” Crahan.

Com um texto assinado por Clown, a banda compartilhou a informação com os fãs através do Instagram. Gabrielle tinha apenas 22 anos e a causa da morte não foi revelada até a publicação desta nota.

É com um coração partido e de um ambiente de muita dor que informo a todos que minha filha mais nova, Gabrielle, faleceu ontem — sábado, 18 de Maio de 2019. Ela tinha 22 anos idade. Informações sobre o funeral virão em breve. Minha família e eu pedimos que nossa privacidade seja respeitada daqui para frente. Obrigado. Muito amor, Clown.

Que descanse em paz!

Homenagens

Quem também comentou a perda de Gabrielle foram Alexandria e Simon Crahan, filhos mais velhos de Clown.

Simon comentou: “hoje é o dia mais difícil de minha vida, estou confuso, com raiva, triste — estou apenas triste, muito triste. Gabri, sinto tanto sua falta, sinto muito sua falta, éramos como melhores amigos, tínhamos uma ligação especial e agora você não está mais aqui. Eu te amo, Gabri, e sei que você sempre saberá disso.”

Já Alexandria compartilhou:

Ontem minha irmã mais nova, Gabrielle, se foi. Estou em choque e não tenho ideia de como processar a onda de emoções que estou sentindo. O conforto que tenho em momentos assim são minha família, amigos e meus gatos. Por favor, mandem boas energias aos meus pais e meus irmãos. Essa perda deixou um grande buraco e nossas vidas nunca mais serão as mesmas. 22 é muito jovem para morrer.

Corey Taylor, líder do Slipknot, também se pronunciou.

Meu coração está partido pelo meu irmão. Por favor, mantenham a família Crahan em seus pensamentos e em seu amor. Ela fará falta.

Slipknot

A notícia trágica vem apenas dois dias após a apresentação da banda no Jimmy Kimmel Live, onde tocou pela primeira vez suas novas músicas.

O grupo inicia sua turnê na próxima sexta-feira (24) nos Estados Unidos.

Los Hermanos faz história em show para 45 mil pessoas em São Paulo

Los Hermanos em São Paulo, 2019
Foto por Aline Krupkoski

Foto por Aline Krupkoski

Qual foi a última vez em que você viu uma banda brasileira lotar, sozinha, um estádio ao se apresentar para 45 mil pessoas? Pois o Los Hermanos acabou de fazer isso em São Paulo.

O último show da mais recente turnê de reunião da banda aconteceu no Allianz Parque, na capital paulista, e ainda rolou em um fim de semana dos mais movimentados: a Virada Cultural começava a tomar a cidade com shows gratuitos dos mais diversos gêneros e ainda tínhamos a intensa programação rotineira de SP, que tem apresentado shows internacionais todas as semanas. Só ontem tivemos bandas e artistas como Aurora, Hot Water Music e Graveyard “competindo” com todo esse caldeirão.

No meio de tudo isso, 45 mil pessoas decidiram ir até o Allianz Parque para celebrar a obra de uma banda que já ultrapassou as barreiras de um simples grupo de rock e se transformou até em expressão popular no meio da música: agora quando alguém faz um show com a plateia toda cantando, diz que foi “igual show do Los Hermanos”.

E ali de perto deu pra testemunhar e entender por que a expressão é mais que verdadeira: boa parte do show não se dá no palco, mas sim na plateia. E aqui não vai nenhum tipo de frase batida ou média com o público, já que é a mais pura verdade. Do início ao fim, toda e qualquer música que a banda toque no palco é acompanhada de vocais potentes vindos do público e quando estamos falando de tanta gente como ontem no Allianz Parque, o efeito é ainda mais impressionante.

Barba e Amarante em São Paulo (Los Hermanos)
Foto por Aline Krupkoski

Canções como “A Flor”, “Além Do Que Se Vê”, “Todo Carnaval Tem Seu Fim”, “Morena” e tantas outras foram cantadas a plenos pulmões pela plateia, e o primeiro baque real veio com “O Vencedor”, música que talvez tenha até iniciado a fama da relação da banda cantando com seus fãs, e que entoada por 45 mil pessoas em um estádio teve um efeito avassalador que, sinceramente, eu só tinha presenciado em shows internacionais por aqui.

Em “Sentimental”, o estádio todo ficou com as luzes apagadas para que as lanternas dos smartphones fizessem o espetáculo e foi muito bom ver que a banda se desprendeu de uma certa aversão que tinha com as músicas do seu primeiro disco, voltado a estilos como o Punk Rock, e entoou canções como “Tenha Dó”, “Descoberta” e “Azedume”, colocando todo mundo pra dançar e abrindo, sim senhor, rodas punk no meio da plateia.

O setlist ainda teve espaço para uma das mais incríveis composições da banda no início de carreira (e não estamos falando de “Anna Júlia” que foi tocada, inclusive) na forma de “Quem Sabe”, onde mais uma vez o Allianz Parque veio abaixo e viu Rodrigo Amarante indo para a plateia para despejar emoção ao cantar a música que lhe deu destaque na banda pela primeira vez.

O bis que foi aberto com a ótima “Deixa o Verão”, outra música que fez do gramado uma imensa pista de dança, terminou com “Pierrot” e um sentimento coletivo de felicidade como há muito tempo eu não testemunhava, principalmente em tempos tão sombrios como os que estamos vivendo.

Em mais uma música que era pedida à exaustão pelos fãs (e ignorada) no auge da banda em seus shows de discos como Ventura e 4, o Los Hermanos botou todo mundo pra dançar e acabar com o pouco de voz que ainda tinha, celebrando aquele momento, a história de cada um com as canções da banda e composições que, gostando ou não, já entraram para a história da música brasileira.

LEIA TAMBÉM: Veja nossa cobertura do show do Los Hermanos no Instagram Stories

Los Hermanos em São Paulo

Nos poucos momentos em que falou com a plateia, Marcelo Camelo agradeceu sua equipe e os fãs, dizendo que aquilo ali era inimaginável para eles.

Para uma banda que começou nas minúsculas casas de show do underground carioca e mesmo depois do sucesso teve que lutar contra a desconfiança de gravadora, a falta de um novo hit grudento e a construção de uma nova base de fãs, fechar uma turnê por estádios brasileiros com um show para 45 mil pessoas não é só uma marca memorável para os caras. É um momento histórico para a música nacional e um feito que gostaríamos que fosse corriqueiro, mas está longe de ser, por isso merece tanto destaque.

É claro que o fato do grupo estar afastado das atividades e transformar seus shows em raras ocasiões também ajuda para a construção do hype, e é possível prever que caso estivesse regularmente em atividade, os números não seriam tão surpreendentes, mas nenhuma decisão de carreira invalida algo tão grandioso.

Marcelo Camelo em São Paulo (2019)
Foto por Aline Krupkoski

Além disso, vivemos em tempos de ódio alimentado por todos os lados e em uma época onde a alegria de um é motivo para a raiva do outro, e eu não posso fazer nada a não ser sentir muito por tanta gente que gosta de criticar a banda (normalmente de forma bem rasa) a cada passo que ela dá.

Afinal de contas, vai ser difícil contra-atacar tanta alegria estampada nos rostos de 45 mil pessoas que tiveram uma noite inesquecível como a de ontem. O céu (de lua cheia) é o limite para o Los Hermanos.

Setlist

Plateia do Los Hermanos em São Paulo
Foto por Aline Krupkoski
  1. A Flor
  2. Além Do Que Se Vê
  3. Retrato pra Iáiá
  4. O Vencedor
  5. O Vento
  6. Todo Carnaval Tem Seu Fim
  7. Condicional
  8. Corre Corre
  9. Primiero Andar
  10. A Outra
  11. Morena
  12. Pois É
  13. Sentimental
  14. Samba a Dois
  15. Tenha Dó
  16. Quem Sabe
  17. Descoberta
  18. Anna Júlia
  19. O Velho e o Moço
  20. Paquetá
  21. Do Sétimo Andar
  22. Último Romance
  23. De Onde Vem A Calma
  24. Conversa de Botas Batidas
    Bis:
  25. Deixa o Verão
  26. Azedume
  27. Pierrot

Batman de Robert Pattinson deve ter Pinguim e Mulher-Gato como vilões

Robert Pattinson (Batman), Mulher-Gato e Pinguim
Fotos: WIkimedia Commons e Divulgação

O novo filme do Batman dirigido por Matt Reeves está tomando forma.

Depois de confirmar Robert Pattinson (Crepúsculo) no papel do morcegão, agora a imprensa internacional aponta que os vilões da trama serão a Mulher-Gato e o Pinguim. Aí sim, hein?

De acordo com o The Hollywood Reporter (via CoS), Reeves pretende revisitar os filmes antigos do Batman. Uma fonte declarou:

Matt Reeves ainda está aprimorando seu roteiro, que segundo rumores tem pelo menos dois vilões, sendo o Pinguim um deles, de acordo com fontes (uma pessoa está nos dizendo que haverá cerca de meia dúzia de vilões!). Estamos ouvindo falar de outro personagem felino fazendo uma aparição no roteiro também.

Vale lembrar que os vilões apareceram em Batman Returns, de 1992, interpretados iconicamente por Michelle Pfeiffer e Danny DeVito. Um rumor recente dá conta de que Josh Gad (A Bela e a Fera) poderia interpretar o Pinguim no longa.

Ainda não há muitas informações sobre o novo rumo do Batman, mas a coisa está esquentando.

Coringa

O maior inimigo do homem morcego também vai ganhar um novo filme — e, ao que tudo indica, não deve combater o herói de Pattinson neste novo universo tão cedo.

Coringa, agora interpretado por Joaquin Phoenix, tem estreia marcada para o dia 4 de Outubro. O elenco ainda conta com Zazie Beetz, Bill Camp, Frances Conroy, Brett Cullen, Glenn Fleshler, Douglas Hodge, Marc Maron, Josh Pais e Shea Whigham.

O longa faz parte do universo dark da DC, ao qual o novo filme do Batman também deve pertencer.

Assista ao trailer de Coringa clicando aqui.

Vídeo: Arnold Schwarzenegger leva voadora nas costas durante evento

Arnold Schwarzenegger voadora
Foto: Reprodução/Twitter

Que susto e que audácia! Arnold Schwarzenegger foi atacado com um chute nas costas enquanto atendia fãs.

O incidente aconteceu durante um evento esportivo na última sexta-feira (17), na África do Sul, e o homem ainda não identificado foi detido após o ato.

No vídeo, que você vê abaixo, é possível ver o homem correndo em direção a Schwarzenegger, que é empurrado violentamente para frente após a voadora.

“Não se preocupem”

Arnold Schwarzenegger usou o Twitter para tranquilizar seus fãs e ainda brincar com a situação.

O astro escreveu:

Obrigado pelo interesse de vocês, mas não há nada com o que se preocupar. Eu pensei que apenas tinha sido empurrado pela multidão, algo que acontece frequentemente. Apenas entendi que levei um chute quando vi o vídeo, assim como todos vocês. Estou apenas aliviado que o idiota não interrompeu meu Snapchat.

Ufa, hein? Veja outro ângulo do vídeo clicando aqui.

Vale lembrar que Arnold volta a viver o Exterminador do Futuro em um novo reboot da franquia, que estreia no dia 22 de Novembro deste ano, com direção de James Cameron.

Slipknot apresenta novas músicas ao vivo pela primeira vez; assista agora

Slipknot no Jimmy Kimmel
Foto: Reprodução/YouTube

O Slipknot finalmente apresentou suas novas músicas ao vivo!

Como atração do Jimmy Kimmel Live e já com o visual novo, a banda tocou “Unsainted” — do disco novo, We Are Not Your Kind — e “All Out Life”, single lançado no ano passado e que não estará no álbum.

Assista aos vídeos abaixo!

Slipknot – We Are Not Your Kind

O primeiro disco em cinco anos da banda de Iowa chega no dia 09 de Agosto, pela Roadrunner Records.

Ao anunciar os detalhes do álbum, a banda também apresentou as novas máscaras dos seus integrantes e mostrou que continua com nove integrantes, o que significa que Chris Fehn, após uma saída cheia de tretas, foi substituído por alguém cuja identidade ainda não foi revelada.

“Ninguém mais canta como você”: há 2 anos, perdíamos Chris Cornell

Chris Cornell em 2012
Foto de Chris Cornell via Shutterstock

Nem parece, mas já se passaram dois longos anos desde o dia em que perdemos uma das maiores vozes de todos os tempos: Chris Cornell.

Na madrugada do dia 18 de Maio de 2017, chegava ao mundo a notícia chocante da morte repentina do músico de 52 anos, ainda sem uma causa, mas com várias especulações. Não demorou muito para sabermos que, em um quarto de hotel em Detroit, Cornell tirou a própria vida.

Foram 33 anos de atividade na música, tendo passado por bandas como Soundgarden, Temple of the Dog e Audioslave, além de uma carreira solo incrível. A voz distinta e a presença de palco de Chris o colocou em um pedestal do grunge, ao lado de nomes como Kurt Cobain, Layne Staley e seu grande amigo, Eddie Vedder.

Mas o grunge foi pequeno para ele.

Com o Audioslave, ao lado dos ex-membros do Rage Against the Machine, Brad Wilk, Tom Morello e Tim Commerford, Chris Cornell pode explorar uma nova sonoridade no rock, algo que influenciou fortemente sua carreira solo dali pra frente — até pelo pop, com ajuda de Timbaland, Cornell passou. Mas a volta do Soundgarden em 2012 provou que a chuvosa Seattle continuava presente na alma do músico, e assim foi até sua partida.

Fora da música

Junto de sua segunda esposa, Vicky Cornell, Chris fundou uma instituição de apoio a crianças vulneráveis em 2012.

A fundação tinha como objetivo providenciar abrigo e recursos para crianças sem teto, que sofreram abuso ou estavam em risco, além de atuar também em campos de refugiados e com vítimas de tráfico humano.

Desde seu início e até hoje, a organização agiu de forma privada e anônima e, segundo o casal, tem base em sua experiência pessoal com espaços de proteção às crianças.

Você pode conhecer mais sobre a Chris and Vicky Cornell Foundation clicando aqui.

Homenagens

Desde o minuto em que ficamos sabendo de sua partida até hoje, aniversário de dois anos da morte, as homenagens e tributos a Chris Cornell são inúmeras.

Neste ano, em Janeiro, um grande show chamado I Am the Highway aconteceu em Los Angeles para celebrar a carreira do músico. A noite contou com atrações como Foo Fighters, Josh Homme, Melvins, Ryan Adams, Adam Levine (Maroon 5), Miley Cyrus, Brandi Carlile, Metallica e, é claro, as banda de Chris: Audioslave, Temple of The Dog e Soundgarden.

O evento ainda teve apresentação de Brad Pitt e Josh Brolin, grandes amigos do músico — saiba mais clicando aqui.

Hoje (17), o baterista Brad Wilk compartilhou uma foto de Chris com uma legenda emocionada:

Há dois anos você se foi. Dois anos, ainda achando que vamos tocar. Dois anos, ainda pensando que vou rir de algo que você falar…

Quem também se pronunciou foi Vicky, viúva do músico.

Continuaremos a falar seu nome em voz alta, repetidamente. Vamos compartilhar suas histórias — nossos filhos vão compartilhar com nossos netos, memórias que ninguém pode tirar, histórias que mantêm nosso amor por você e por nós vivo. Vamos prestar homenagem à sua vida e seu legado. Nós te honraremos para sempre…

Você faz falta, Chris Cornell. Esteja bem, onde estiver.

LEIA TAMBÉM: Fãs criam petição para que nome de buraco negro seja Chris Cornell

MTV confirma retorno do Acústico MTV com Tiago Iorc

Tiago Iorc e Acústico MTV Brasil

Agora é oficial: Tiago Iorc será a primeira atração do retorno do Acústico MTV.

A gente já tinha falado por aqui sobre como a MTV Brasil pretendia reativar o seu aclamado especial que apresentou diversas bandas em formatos desplugados, e há alguns dias um jornalista havia dito que o músico iria estreá-lo.

A confirmação veio há algumas horas através de um comunicado de imprensa da Universal Music, gravadora que lançou o mais recente álbum de Tiago Iorc, Reconstrução.

Ao falar a respeito, o vice-presidente sênior da MTV América Latina, Tiago Worcman, falou:

Todo mundo tem um Acústico preferido, uma história pessoal para contar sobre esse projeto que marcou a história da MTV. Por isso, estamos vibrando tanto com a retomada desse projeto. Contar com o Tiago Iorc, que também está retornando após um período longe dos fãs, é demais. Não poderia acontecer melhor parceria para esse momento!

Felipe Simas, empresário de Tiago Iorc, também falou:

O Acústico MTV ocupa um lugar bastante especial na memória afetiva de todos nós ligados à indústria da música no Brasil. Ter o Tiago como o primeiro artista dessa nova geração a reviver esse projeto anos depois é uma enorme satisfação.

Por fim, Paulo Lima, presidente da Universal Music, revelou:

É com muita alegria que a Universal Music participará da reestreia do projeto ‘Acústico MTV’, que em sua história já produziu antológicos álbuns de importantes artistas nacionais. Estamos comemorando essa nova fase e com mais motivos ainda, porque agora traz o repertório do talentoso artista Tiago Iorc. O momento é muito oportuno, pois marca o retorno do cantor e compositor e também desse marcante projeto da emissora. Será um dia histórico para a música brasileira.

Acústico MTV

Repetindo aqui no Brasil a forma bem sucedida do MTV Unplugged lá fora, o Acústico MTV teve programas lendários com artistas como Titãs, Legião Urbana, Kid Abelha, Charlie Brown Jr., Cássia Eller, Ira!, Os Paralamas do Sucesso e mais.

Sucesso de vendas nos anos 90, o Acústico teve marcas impressionantes com nomes como Kid Abelha (2 milhões de cópias) e Titãs (1.7 milhões de cópias). Quanto à crítica, venceu seis prêmios Grammy, nas categorias “Melhor Álbum de Rock Brasileiro” (Paralamas do Sucesso, Cássia Eller e Lobão), “Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro” (Lenine) e “Melhor Álbum de Samba/Pagode” (Zeca Pagodinho e Paulinho da Viola).

LEIA TAMBÉM: os 10 melhores Acústicos MTV Nacionais de todos os tempos

The Raconteurs entra em ação no clipe da nova “Help Me Stranger”

The Raconteurs - Help Me Stranger

Definitivamente a banda The Raconteurs está de volta.

O supergrupo de Jack White, Brendan Benson, Patrick Keeler e Jack Lawrence irá lançar seu primeiro disco em 11 anos com Help Us Stranger, no dia 21 de Junho, e nos presenteou com uma nova música.

Trata-se de “Help Me Stranger”, que já ganhou um clipe com cenas gravadas no Japão e mostra a banda em ação.

Você pode assistir ao vídeo logo abaixo, bem como ouvir o som na playlist oficial do TMDQA!

The Raconteurs no Brasil

Vale lembrar que a banda é uma das atrações já confirmadas para a edição de 2019 do Popload Festival, que acontecerá no dia 15 de Novembro no Memorial da América Latina, em São Paulo.

 

Pitty, Raimundos e mais: Porão do Rock 2019 anuncia line-up completo

Pitty no Porão do Rock 2019

Há pouco tempo tivemos a confirmação da vigésima primeira edição do já consagrado festival Porão do Rock. Na ocasião, foram anunciadas várias atrações, desde Machete Bomb até Rincon Sapiência. Como se já não fosse suficiente, o festival anunciou recentemente mais bandas para seu line-up.

Quatro são as novas confirmações para o festival, sendo cada uma delas de um lugar diferente do Brasil, condizendo com a diversidade da nossa música. Com apresentações previstas para a sexta (16 de Agosto), duas bandas consagradas bandas nacionais foram confirmadas. Diretamente de São Paulo, a banda Ratos de Porão homenageará o aniversário de 30 anos do álbum Brasil. E também teremos Raimundos, que estão comemorando os 25 anos do homônimo álbum de estreia.

Da Bahia, Pitty levará ao Porão a turnê de seu mais recente disco Matriz. Já a banda cearense Mad Monkees, com seu recém-lançado EP Guerra, também marcará presença. Ambas as novidades se apresentarão no sábado (17 de Agosto).

Gustavo Sá, idealizador do festival, comemorou a escalação do 21º Porão do Rock:

É um lineup coeso, tem certa diversidade e, ao mesmo tempo, as bandas conversam entre si. Estou bem satisfeito e acredito que o público também vai curtir.

Porão do Rock – Ingressos

As atrações já confirmadas até aqui se juntam às bandas vencedoras das seletivas, cujas inscrições estão abertas até o dia 31 de Maio. O evento acontece nos dias 16 e 17 de Agosto. Os ingressos para ainda estão à venda, com preços a partir de 50 reais.

E aí? O que achou das novidades? Vamos?

No dia da luta contra a LGBTfobia, assista a clipes incríveis que abordam o tema

Congo Blue
Foto: Divulgação

Hoje, 17 de Maio, marca o Dia Internacional da Luta Contra a LGBTfobia, e é claro que o tema respinga na música — afinal, felizmente temos uma gama imensa de artistas incríveis que fazem parte desta comunidade.

O Congo Blue é um deles, e está lançando exatamente hoje o clipe para “Simplesmente Assim”, onde pessoas reais transformam situações de preconceitos em mensagens de amor.

O vídeo é embalado pelo pop rock animado do grupo, que lançou o EP Fundamento em 2018. A letra diz: “Meu coração já não precisa mais dizer ‘não’. Nada vai me impedir de seguir minha direção.”

Confira abaixo!

Thalles Cabral

Thalles Cabral - Olivia
Foto: Divulgação

No último dia 24 de Abril, quem lançou clipe novo foi Thalles Cabral.

A canção “Olivia” questiona religião, intolerância e violência, abordando principalmente a transfobia. Sobre o trabalho, Cabral declarou:

Falo da distopia como uma trajetória para chegar na utopia. E nessa realidade em que vivemos no país, a utopia virou o mínimo de dignidade. As coisas vão tão mal que estamos nos contentando com o básico, que está longe de ser utópico.

Assista abaixo.

Davi Bandeira

Davi Bandeira
Foto: Divulgação

Para finalizar a lista, temos Davi Bandeira com “Seu Boy”, canção que aborda o amor livre.

Sobre o vídeo, dirigido por Juily Manghlirmalani, o artista declarou:

Eu quis transmitir coisas que eu gosto de fazer quando eu estou com alguém que amo, como sair, andar de moto, contemplar lugares e ficar dando uns amassos sem pensar muito na vida. Eu queria que o clipe mostrasse essa liberdade que, infelizmente, está ameaçada a cada dia que passa. Eu quis mostrar que nós existimos e também amamos. Não somos objeto sexual nem um estereótipo, somos pessoas comuns.

Confira!

Roger Daltrey se explica após bronca em fãs fumando maconha

Roger Daltrey, do The Who
Foto: Wikimedia Commons

A repercussão da bronca que Roger Daltrey deu em fãs maconheiros durante um show do The Who não foi das melhores.

Como te contamos por aqui, o vocalista ficou irritado ao sentir o cheiro da erva durante a apresentação, alegando ser alérgico. Na ocasião, ele mandou “se foder” os fãs que estavam fumando e ainda disse que eles estragaram a sua noite.

Agora, em comunicado para a Billboard, Daltrey explicou:

Eu gostaria apenas de deixar claro que é sabido entre os fãs reais do The Who que eu tenho uma reação alérgica extrema a maconha e fumaça de cigarro. Eu tenho um problema sensível nas minhas cordas vocais e a fumaça tem o efeito de desligar minha voz, tornando o trabalho muito duro. Eu realmente não quero estragar a curtição de ninguém, tudo o que peço é um pouco de respeito com alguém que faz o seu melhor para oferecer uma boa noite para todos. Se você tiver que fumar, levante sua bunda e vá ao banheiro ou coma o cigarro, por favor, evite soprar fumaça para mim. Eu provavelmente acabo fumando mais do seu bagulho do que você e isso se torna o pesadelo de um cantor. Você está colocando todo o show em perigo pelo seu comportamento egoísta, pense um pouco.

Justo ou não?

The Who

A banda está atualmente em turnê acompanhada de uma orquestra, e deve lançar disco novo em breve.

LEIA TAMBÉM: The Who toca clássico com instrumentos infantis na TV; assista

Ian MacKaye esnoba proposta de bilionário para reunir o Fugazi

Fugazi

Tem um bilionário tentando nos trazer o Fugazi de volta, mas a banda não está nem aí, ao que tudo indica.

Ted Leonsis, proprietário do time de hóquei Washington Capitals e da arena Capital One — entre outras coisas –, publicou em seu Twitter uma proposta para que a banda toque na arena e ainda ajude a caridade.

Vamos trabalhar para fazer o Fugazi se reunir, tocar na nossa arena, vamos compensar a banda e fazer uma grande doação para instituições locais em nome deles, já faz muito tempo! Eles se identificam com todas as gerações, nós sentimos falta.

Ian MacKaye, frontman da banda, não está levando a proposta muito a sério. Em entrevista à estação WTOP (via Brooklyn Vegan), o cara falou:

Eu honestamente não acho que vale a notícia. Minha impressão é que aquilo foi mais como um elogio do que uma proposta real, então não há nada para considerar além das palavras bonitas. Agradecemos por elas.

Que pena!

Fugazi

A banda anunciou um hiato indefinido em 2003 e, desde então, nunca mais deu as caras.

Recentemente, MacKaye lançou uma nova banda — saiba mais aqui.

LEIA TAMBÉM: Em 2002, Fugazi fazia um dos últimos shows de sua carreira; assista na íntegra

“Preciso me sentir mal para fazer música,” diz Kevin Parker (Tame Impala)

Kevin Parker (Tame Impala)
Foto: Wikimedia Commons

O Tame Impala levou quatro anos para voltar com material inédito, e agora Kevin Parker explica o motivo por trás disso.

O frontman da banda falou um pouco sobre seu processo criativo em entrevista recente ao New York Times, onde admitiu que precisa estar se sentindo mal e “sem valor” para ter vontade de fazer música.

Parte da coisa sobre eu começar a escrever um disco é que eu preciso me sentir sem valor de novo para querer fazer música. Eu comecei a compor quando era criança como uma forma de me sentir melhor comigo mesmo, sabe? O irônico é que, se estou me sentindo no topo do mundo ou me sentindo confiante ou gostando de tudo, não tenho vontade de fazer música.

Bom saber que o cara foi feliz por alguns anos, pelo menos, não é?

Parker também falou sobre suas inspirações para escrever música atualmente, leia:

Eu acho que muitos artistas se inspiram na ideia de cantar algo para uma multidão, milhares de pessoas. Mas eu prefiro apenas pensar no garoto usando fones de ouvido, indo de ônibus da escola para casa, ou tendo uma tarde musical com fones de ouvido no quarto. É daí que eu venho.

Tame Impala

A banda lançou os singles “Patience” e “Borderline” neste ano, e foi headliner de uma das noites do Coachella.

Brigas e traumas: The Black Keys fala sobre hiato de cinco anos

The Black Keys 2019
Foto: Divulgação/Alysse Gafkjen

Para alegria dos fãs, o Black Keys está de volta após cinco anos longe dos estúdios. O retorno, porém, teve um preço bem alto para a banda.

Dan Auerbach e Patrick Carney comentaram os diversos problemas que os levaram a parar, incluindo machucados, exaustão durante as turnês e falta de comunicação entre a dupla.

Ao falar sobre o momento em que as conversas para um novo disco começaram, Auerbach disse:

Para ser honesto, eu nem estava pensando no Black Keys. Isso estava completamente fora da minha mente. Tocar em arenas parecia um sonho distante.

Carney, baterista, ainda revelou de quem foi a “culpa” da pausa, mas admitiu que também precisava dar um tempo.

Foi decisão de Dan fazer a pausa, e eu sabia que não podia discutir com ele sobre isso, porque fazia sentido. Uma vez eu tive que dizer a ele para ir se foder, mas não foi por causa do hiato. Foi porque simplesmente não houve uma comunicação clara. Isso não foi legal. Mas eu percebi que acrescentou mais um ano ao total. Nós dois precisávamos dar um tempo. Eu tive estresse pós-traumático depois de sair da última turnê. Eu machuquei meu ombro, e se isso não foi algum tipo de sinal, eu não sei o que foi. Essa pausa foi muito frustrante para mim, mas ao mesmo tempo era a coisa certa a fazer. Foi certo abandonar a vida nos bolsos um do outro e seguir em frente com nossas próprias vidas. No processo, Dan e eu acabamos fazendo muita música com muitas outras pessoas e acho que isso nos fez melhor no que fazemos.

Maldição

O frontman brincou com uma coincidência acerca do último show que o Black Keys fez antes de parar, no festival Outside Lands, em 2015.

Eu percebi: ‘Porra, toda banda faz seu último show em São Francisco. O Sex Pistols. The Band. The Beatles.’ Eu estava sentado lá dizendo para mim mesmo: ‘Isso pode ser uma maldição’.

A maldição não rolou, e o duo lança Let’s Rock, seu novo disco de estúdio, no dia 28 de Junho.

LEIA TAMBÉM: The Black Keys se joga em retiro espiritual no clipe da nova “Go”; assista

The National arrisca com disco amplo e ambicioso em “I Am Easy To Find”

The National - I Am Easy To Find capa

Em meio a todas as mudanças que aconteceram no cenário indie ao longo das últimas décadas, é curioso notar como o The National conseguiu se manter incrivelmente consistente sem necessitar de grandes transformações sonoras.

No entanto, era possível notar que a banda estava precisando encontrar novas direções. Sleep Well Beast, o último disco lançado por eles, foi um trabalho precisamente calculado e muitíssimo bem produzido — mas em determinados pontos, era possível notar que o grupo estava começando a esgotar suas fontes de ideias.

Foi nessa época que o diretor Mike Mills entrou em contato para discutir a possibilidade de criar um curta metragem baseado em demos que a banda estava trabalhando durante as sessões do disco. O resultado criado por Mills inspirou os membros do grupo a voltarem ao estúdio para finalizar I Am Easy To Find, que serve como uma espécie de acompanhamento para o filme, uma história emocionante na qual Alicia Vikander interpreta uma mulher desde o seu nascimento até sua morte.

Em todos os sentidos possíveis, I Am Easy To Find funciona mais como um trabalho colaborativo do que apenas outro título no catálogo do National. Os vocais de nomes como Lisa Hannigan, Sharon Van Etten e Gail Ann Dorsey não foram colocados apenas para complemento das músicas. Em diversas canções como “Hey Rosey” e também na faixa título do álbum, eles ficam em primeiro plano e delegam Matt Berninger para um papel de coadjuvante — algo difícil de se imaginar para uma banda que sempre foi tão dependente de sua voz principal.

Isso não significa que o líder do grupo tenha sido esquecido. Berninger soube aproveitar bem os seus momentos de protagonismo em músicas como “You Had Your Soul With You”, primeiro single do disco, e “Rylan”, uma canção composta pelo grupo há mais de cinco anos que só chegou a ser finalizada para esse álbum — com direito a novos arranjos e letras.

Além das letras e dos arranjos vocais, a produção do disco também merece destaque. Apesar de não receber uma atenção especial na mixagem, a bateria de Bryan Devendorf é extremamente completa e se molda perfeitamente com os diversos arranjos de orquestra, pianos e guitarras que comandam a maioria das canções — em especial, faixas como “Quiet Light” e “The Pull of You” possuem seções instrumentais impecáveis.

Porém, nem todas as ideias da banda funcionam da forma planejada. “So Far So East”, por exemplo, peca pela sua duração e acaba se arrastando sem oferecer uma conclusão satisfatória. Já as faixas de interlúdio, “Her Father In The Pool” e “Underwater”, não possuem exatamente uma justificativa para estarem incluídas na lista de faixas do álbum — ambas são subdesenvolvidas e “ajudam” a tornar a segunda metade do disco bem menos marcante em relação à primeira metade.

Mas apesar dos deslizes, I Am Easy To Find é uma obra peculiar e muito justificável, principalmente quando digerida ao lado do filme que a acompanha. Esse é o disco mais ambicioso e expansivo da discografia do National, uma obra feita por músicos experientes que decidiram transformar sua sonoridade de forma natural, sem mudanças apelativas ou súbitas. As colaborações com um elenco rotativo de mulheres talentosas e a parceria com Mills para criar o curta mostram que a banda está mais do que disposta a tomar riscos, mesmo que eles nem sempre funcionem. Esses são sinais de que uma banda está evoluindo — e poucas conseguem fazer isso de forma tão graciosa quanto o The National.

Grumpy Cat, gata que virou celebridade na internet, morre aos 7 anos

Grumpy Cat
Foto via Reddit

Ah, não! A famosa Grumpy Cat (“Gata Rabugenta”), gatinha que ficou famosa por sua expressão rabugenta, morreu aos 7 anos de idade.

De nome verdadeiro Tardar Sauce, a felina virou sensação após ter sua foto divulgada no Reddit em Setembro de 2012. Depois disso, virou marca, ganhou até assessor de imprensa e viajou o mundo fazendo aparições.

Sua família comunicou a notícia pelo Twitter, leia:

Estamos de coração partido ao anunciar a perda da nossa amada Grumpy Cat.

Apesar dos cuidados de profissionais ótimos, bem como de sua família amorosa, Grumpy encontrou complicações de uma infecção recente do trato urinário que, infelizmente, se tornou muito difícil de superar. Ela morreu pacificamente na manhã de terça-feira, 14 de maio, em casa, nos braços de sua mãe, Tabatha.

Além de ser nosso bebê e um membro querido da família, a Grumpy Cat ajudou milhões de pessoas a sorrir em todo o mundo — mesmo quando os tempos eram difíceis.

Seu espírito continuará a viver através de seus fãs em todos os lugares.

Que descanse em paz!

Os Simpsons previram ações de Daenerys em “Game of Thrones”

Os Simpsons acertam previsão sobre Daenerys em
Foto: Reprodução/YouTube

Game of Thrones chega ao fim neste domingo (19), e parece que Os Simpsons já sabiam o que iria acontecer no penúltimo episódio da temporada final da série, que foi ao ar na última semana.

Após a internet ficar perplexa com as ações de Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) em Porto Real, um vídeo do episódio “The Serfsons”, inspirado na série da HBO, ressurgiu mostrando que a família amarela já havia presenciado a mesma cena em 2017.

OLHA O SPOILER!!!!!!!!!!!!

No trecho, Homer Simpson e companhia observam de longe enquanto um dragão incendeia a cidade de Springfield, assim como aconteceu no seriado. O episódio é da 29ª temporada de Os Simpsons e teve até o Rei da Noite fazendo uma aparição.

Não é a primeira vez que a série animada da Fox “prevê” acontecimentos da vida real. Rolou com a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, a lesão de Neymar na Copa do Mundo de 2014 e a vitória da Alemanha, e até mesmo a Fox sendo comprada pela Disney (!).

LEIA TAMBÉM: essa cena de Game Of Thrones fica bem melhor ao som de Metallica ou AC/DC