domingo, 27 de Maio de 2018

Stone Temple Pilots toca ao vivo com ex-baixista do Smashing Pumpkins; vídeo

Stone Temple Pilots com Katie Cole, ex-baixista de turnê do Smashing Pumpkins
Foto: Reprodução/Youtube

Esse ano, o Stone Temple Pilots firmou o seu retorno com o lançamento do primeiro álbum de estúdio com Jeff Gutt, seu novo vocalista.

Agora, a banda está percorrendo o mundo para promover seu novo material, com datas marcadas na Europa e na América do Norte. Recentemente, o grupo se apresentou em Nashville e, na ocasião, contou com uma participação especial.

Ao fazer uma performance do clássico “Big Empty”, a banda contou com o auxílio de Katie Cole, conhecida por ter sido a baixista de turnê do Smashing Pumpkins entre 2015 e 2016.

“Isso foi um sonho sendo realizado”, disse Cole em seu Instagram. Ela recentemente gravou uma cover da canção e chegou a receber uma ligação de Dean DeLeo, guitarrista do STP, elogiando o resultado.

“Essa experiência aconteceu quando a banda viu meu cover de ‘Big Empty’ no YouTube e me contatou para me contar isso”, ela continuou. “Eu disse a eles que vivia em Nashville, eles me falaram que iriam fazer um show aqui e me perguntaram se eu queria tocar a canção ao vivo. Como em tudo na minha vida… eu rapidamente respondi ‘sim'”, completou.

Você pode conferir um registro da performance logo abaixo.

Filme clássico dos Beatles, “Yellow Submarine” ganhará versão em graphic novel

Beatles lança graphic novel de Yellow Submarine
Foto: Divulgação

Em Dezembro, Yellow Submarine, filme e álbum clássicos da discografia dos Beatles, completa 50 anos de lançamento.

Em comemoração, a Titan Comics lançará em Agosto uma graphic novel baseada no filme de animação. A arte será assinada por Bill Morrison, um dos desenhistas de Os Simpsons.

Na quarta-feira (23), a editora divulgou um trailer dessa publicação, que já está em pré-venda. Os 3 mil primeiros a adquirirem uma cópia da graphic novel receberão uma edição pra lá de especial.

Para quem não conhece a história da animação, o filme conta a história de como os garotos de Liverpool, no famoso submarino amarelo, viajam a Pepperland para salvar seus habitantes da invasão dos Blue Meanies, que odeiam música. Eles têm de levar a alegria e a música de volta à cidade.

Yellow Submarine estará disponível em 28 de Agosto. Confira o trailer:

Dancinhas e Little Richard: os Rolling Stones revelam seus rituais antes de subir no palco

Rolling Stones
Foto via Shutterstock

Esta semana marcou o retorno dos veteranos do rock do The Rolling Stones aos palcos, com uma nova turnê repleta de convidados.

Para a Associated Press, a banda revelou alguns de seus rituais feitos momentos antes de começarem o show. Mick Jagger contou que gosta de relaxar e usa a dança como aquecimento.

Eu gosto de tirar todos da sala por um minuto e me acalmar e cantar. Tenho algumas coisas do Bob Marley que, às vezes, eu danço. Então, me aqueço dançando com algumas músicas atuais.

Entre essas músicas atuais, com certeza, está “Girls @”, do rapper norte-americano Joey Purp. Jagger publicou em seu Twitter um vídeo de si mesmo dançando a música no palco, antes do show em Dublin.

Charlie Watts dividiu com a publicação que ele e Keith Richards costumam se aquecer antes das apresentações tocando juntos, tendo músicos como Duke Ellington e Little Richard no repertório.

Será que, em breve, veremos Mick Jagger se aquecendo num palco brasileiro? Estamos na torcida para que a turnê faça uma parada pelo Brasil logo mais!

Com raridades e faixas inéditas, The Gaslight Anthem anuncia relançamento de “The’ 59 Sound”

Foto: Divulgação

The ’59 Sound, o segundo álbum de estúdio do The Gaslight Anthem, está completando dez anos de lançamento.

Para celebrar, a banda anunciou uma versão especial do disco, contendo novas versões das faixas originais, material inédito, um livro de 60 páginas com fotos do grupo, além de um cover de “God’s Gonna Cut You Down”, de Johnny Cash.

Com o título The ’59 Sound Sessions, o material chegará às lojas no dia 15 de junho, através do selo SideOneDummy. A pré-venda gringa já está disponível.

“A jornada pela qual uma banda passa é complexa”, explica o baterista Benny Horowitz em um dos trechos do livreto que acompanha a edição especial. “Estávamos incessantemente na estrada e em constante movimento. Estou muito feliz em compartilhar esse momento da nossa existência”.

Depois de um hiato de três anos, a banda ainda aproveitou essa oportunidade para uma turnê celebrando o décimo aniversário do disco. Os shows acontecerão na Inglaterra, Irlanda, Holanda e Alemanha.

Confira a capa e tracklist de The ’59 Sound Sessions:

1. The ’59 Sound
2. God’s Gonna Cut You Down
3. Patient Ferris Wheel
4. Miles Davis & The Cool
5. Placeholder
6. High Lonesome
7. Great Expectations
8. Our Father’s Sons
9. Film Noir

Pusha-T: capa de novo álbum é uma foto do banheiro de Whitney Houston

Foto de Pusha-T via Simon Abrams/Flickr

O rapper Pusha-T acaba de lançar seu aguardado terceiro álbum de estúdio, DAYTONA. Mas além de sua música, o trabalho está dando o que falar por várias outras razões.

Pouco antes do lançamento do disco, Pusha confirmou em seu Twitter que a capa de DAYTONA seria uma foto do banheiro de Whitney Houston tirada por volta de 2006, época em que a cantora estava no ápice de seu vício em drogas. A ideia de utilizar a imagem teria vindo de Kanye West, o produtor do disco. West teria pago 85 mil dólares (!) para utilizar os direitos da foto, que foi escolhida no dia anterior do lançamento.

Pusha possui notória fama por ter supostamente sido um traficante de cocaína antes de alcançar sucesso com sua carreira musical, então a foto seria uma conexão com o passado do rapper — algo corroborado pelas letras do disco, que em sua grande maioria também mencionam essa carreira “alternativa”.

Em seu Twitter, o rapper falou que DAYTONA seria “para a minha família… no nível daqueles que tem bom gosto, fãs de raps sobre drogas e luxo. Literalmente, isso não é nada mais do que o resultado das nossas sessões de terapia musical”.

Pusha se referiu ao fato de que esse é o primeiro de uma série de álbuns produzidos inteiramente por Kanye West em um estúdio localizado nas montanhas de Wyoming, nos Estados Unidos. Ao longo das próximas semanas, também serão discos de Kanye, Kid Cudi, Nas e Teyana Taylor.

No momento, o novo disco do rapper está causando um forte impacto na mídia, recebendo diversos elogios da crítica e sendo muito comentado nas redes sociais.

Você pode conferir a capa, lista de faixas e o próprio álbum logo abaixo.

PUSHA-T - DAYTONA

DAYTONA:

1. If You Know You Know
2. The Games We Play
3. Hard Piano (feat. Rick Ross)
4. Come Back Baby
5. Santeria
6. What Would Meek Do? (feat. Kanye West)
7. Infrared

Frightened Rabbit cancela festival após morte de frontman e incentiva ação beneficente

Scott Hutchison
Foto de Scott Hutchison por Paul Stevenson

O Frightened Rabbit acaba de cancelar o festival First Incident, na Escócia, após o falecimento de seu frontman Scott Hutchison.

O evento, organizado pela banda, iria acontecer no dia 1º de Junho em Glasgow e contaria com a participação de grupos como Hookworms, Dama Scout e Be Charlotte.

A informação foi revelada por Grant Hutchison, irmão de Scott e seu colega de banda no Frightened Rabbit. “Nós tomamos a decisão de cancelar o First Incident”, disse Scott através do Twitter da banda.

Em seguida, o músico revelou que “algumas pessoas disseram que gostariam de doar o dinheiro do ingresso para a caridade”. Com isso, a banda pediu que os fãs doassem o dinheiro para a Scottish Association For Mental Health, uma fundação escocesa que presta apoio e serviços a pessoas com problemas de saúde mental.

Você pode conferir mais informações sobre a instituição clicando aqui.

Procure Ajuda!

Se você passa por problemas de saúde mental e gostaria de procurar algum tipo de ajuda, conheça o trabalho do CVV – Centro de Valorização da Vida.

O CVV realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias.

O número de telefone para entrar em contato com eles é 188. Você pode conferir a lista de estados disponíveis clicando aqui.

Hackers que invadiram vídeos de Drake, Taylor Swift e outros no YouTube são presos

Drake
Foto: Wikimedia Commons

Dois homens foram presos por terem recentemente hackeado uma série de vídeos no YouTube de artistas como Drake, Taylor Swift e Selena Gomez.

Os “ataques” aconteceram em Abril. Na ocasião, os hackers alteraram as thumbnails dos clipes para imagens de pessoas com máscaras apontando armas. Além disso, os títulos de alguns vídeos foram alterados, e o vídeo de “Despacito”, que tinha alcançado 5 bilhões de visualizações, chegou a ser deletado da plataforma.

Os dois responsáveis são franceses de 18 anos de idade e foram presos pela polícia local, como aponta a Pitchfork. Eles enfrentarão acusações de modificação fraudulenta, remoção e extração de dados de um sistema de processamento de dados automatizado.

Logo abaixo, você pode conferir um registro de como o título de “Despacito” foi alterado na plataforma logo antes de ser deletado.

Will Smith, Nicky Jam e Diplo unem forças na canção oficial da Copa do Mundo 2018; ouça

Will Smith, Nicky Jam, Era Istrefi, Diplp - Live It Up, canção oficial da Copa do Mundo 2018
Foto: Divulgação

Após diversos rumores e teasers, a música oficial da Copa do Mundo da Rússia foi finalmente revelada.

Produzida por Diplo, “Live It Up” é uma colaboração entre o cantor Nicky Jam, o ator (e rapper) Will Smith e a cantora albanesa Era Istrefi.

A Copa do Mundo 2018 começa daqui três semanas, no dia 14 de Junho. É provável que “Live It Up” seja apresentada ao vivo na cerimônia de abertura ou então na cerimônia de encerramento.

Essa é a mais recente aventura de Smith pela música. Após passar mais de uma década sem lançar um álbum de estúdio, o ator planeja voltar com tudo em breve, chegando a compartilhar um pequeno teaser de dentro do estúdio.

Ano passado, ele participou de uma nova canção produzida por DJ Jazzy Jeff, “Get Lit”.

Ouça “Live It Up” logo abaixo.

“The Now Now”: Gorillaz compartilha teaser de um possível novo álbum

Gorillaz - banda
Foto: Divulgação

Pouco mais de um ano desde o lançamento de Humanz, parece que o Gorillaz já tem um novo álbum saindo do forno!

Nesse fim de semana, a cidade de Londres está recebendo o All Points East, um festival de música que conta com um line up de dar inveja. Mas alguns usuários no Reddit apontaram que alguns dos pôsteres no evento são um pouco… misteriosos.

Embora o Gorillaz não faça parte da escalação dofestival, alguns dos cartazes dizem “G Is The Magic Number”. Essa frase chegou a ser utilizada recentemente por Jamie Hewlett, co-criador da banda, quando compartilhou notícias de que Damon Albarn estava no estúdio gravando novas músicas. Outra frase seria “No More Unicorns Anymore”, que Hewlett também publicou mês passado.

Juntamente das frases misteriosas, os cartazes continham um link que redirecionava para um site chamado The Now Now. Lá, os usuários podem ouvir um pequeno trecho de uma música (bem) dançante, inspirada em ritmos dos anos 80.

Por fim, as animações mostradas no site destacam uma silhueta que parece a de 2-D, o fictício frontman do Gorillaz, e marcam a data 29 de Junho. Você pode conferir tudo através deste link.

Embora informações concretas não tenham sido reveladas pela banda, especula-se que a banda esteja preparando o lançamento de seu sexto álbum de estúdio. Algumas canções inéditas chegaram a ser tocadas ao vivo na última turnê, e o próprio frontman deu a entender que o novo material seria lançado em breve.

O que resta é esperar!

LEIA TAMBÉM: Brasil, Fleetwood Mac e cuecas: conversamos com 2-D, vocalista do Gorillaz

ZAYN lança clipe para o novo single “Entertainer”; assista

Zayn - Entertainer
Foto: Reprodução/Youtube

ZAYN, ex-One Direction, continua divulgando novas músicas. As faixas devem fazer parte do sucessor de Mind of Mine, lançado em 2016.

Após “Dusk Till Dawn”, lançado em parceria com SZA, e “Let Me”, agora foi a vez de “Entertainer“. O clipe parece ser um prelúdio de “Let Me”, mostrando como o artista conheceu a garota do vídeo anterior.

Segundo o cantor, os trabalhos trazem algumas informações “secretas” — que devem se tratar de seu novo disco de estúdio.

Assista abaixo!

A juventude resiste e ganha voz no primeiro EP do grupo Facção Amada

Facção Amada
Foto: Divulgação

Há quem diga por aí que a atual juventude não sabe usar a sua voz. É dito que não são centrados e que não possuem ideais fortes. E, bom, há quem prove o contrário, como é o caso do grupo paulistano Facção Amada.

Formada por João Arantes, Rogel Júnior, Sarah Arcanjo Urioeste e Vinícius Romano, a banda nasceu na cidade de Itapeva em meados de 2016. Recentemente, o projeto lançou seu primeiro trabalho, Resistir, inspirado no trabalho de artistas como Milton Nascimento e Chico Buarque.

Com um instrumental leve de MPB, as letras, cantadas de maneira leve e sutil, possuem fortes significados políticos. O álbum é percorrido, do início ao fim, em passos fortes e bem demarcados. São “sussurros de impacto”: mensagens fortes transmitidas com um pano de fundo acústico e sutil.

Mas, mais do que isso, as músicas, bem posicionadas ao longo do trabalho, são uma forma de provar a proatividade da juventude em meio a seus ideais. Mostra-se, com isso, que a arte não cede, e tampouco os jovens.

Vídeos oficiais

Para divulgar Resistir, a Facção Amada já lançou dois lyric videos. Com direção de Esther Lira e Victoria Spitzer, o vídeo para a faixa “Urgente” conta com cenas do cotidiano, desde um pacato café da manhã até a rotina do trabalho. A simplicidade e a leveza também marcam o visual do lyric video de “Dandara“, dirigido por Guiz Alexandre e gravado inteiramente com um smartphone.

Confira abaixo os vídeos, tal como o álbum na íntegra:

Liam Gallagher registrou primeira turnê solo no vídeo para “I’ve All I Need”; assista

Liam Gallagher
Foto: Reprodução/YouTube

A carreira solo de Liam Gallagher continua de vento em popa.

Com uma turnê de sucesso, que passou por aqui em Março no Lollapalooza Brasil, o ex-vocalista do Oasis tem mostrado todo seu potencial como artista solo. Atualmente, o cantor está participando da nova turnê dos Rolling Stones como abertura. Rolou até aparição de um antigo membro do Oasis no show de Londres, na terça-feira (22).

E nesta sexta-feira (25) Liam divulgou o videoclipe de “I’ve All I Need”, faixa que encerra seu primeiro trabalho de estúdio sem estar à frente de uma banda. As You Were foi lançado em Outubro de 2017, e trouxe Liam de volta ao primeiro lugar das paradas britânicas.

Gravado durante a turnê do cantor nos últimos meses, o vídeo é uma montagem registrando a recepção do público e bastidores da produção do álbum e dos shows.

Assista:

Divulgação de “Arrested Development” no Reino Unido é cancelada após polêmica com Jeffrey Tambor

Arrested Development
Foto: Divulgação

A Netflix anunciou o cancelamento da turnê de promoção da quinta temporada de Arrested Development no Reino Unido. O motivo é uma nova polêmica sobre as acusações de assédio contra Jeffrey Tambor.

Em uma desastrosa entrevista, os homens do elenco decidiram defender o ator e entraram em discussão com Jessica Walter, que interpreta Lucile Bluth. Segundo a atriz, Tambor chegou a gritar com ela em um dia de gravação da série. Do outro lado, Jason Bateman (Michael Bluth), Tony Hale (Buster Bluth) e David Cross (Tobias Funke) argumentaram sobre os “motivos” do comportamento, além de reforçarem o apoio a Jeffrey.

Bateman declarou:

Novamente, não quero diminuir o caso ou justificá-lo, mas na indústria do entretenimento é incrivelmente comum conhecer pessoas que são, digamos assim, ‘difíceis’. E quando você está em uma posição privilegiada para contratar pessoas, ou tem alguma influência em quem é contratado, você faz ligações. […] E você aprende sobre contexto.

A atriz Alia Shawkat (Maeby Funke) rebateu a afirmação de Jason, dizendo que “isso não significa que é aceitável”. E foi aí que Jessica Walter se pronunciou, já emocionada:

Verbalmente, sim, ele [Tambor] me assediou, mas pediu desculpas. Eu tenho que superar isso. Eu tenho que te dar uma chance para que sejamos amigos novamente. […] Mas é difícil porque, honestamente — Jason disse que isso acontece o tempo todo. Em quase 60 anos de carreira, nunca alguém gritou daquele jeito comigo no set.

Para piorar a situação, Cross afirmou que “esse tipo de comportamento não aparece do nada”, dizendo que talvez houvesse algum motivo para o caso.

Bem, como te contamos mais acima, as consequências já estão aparecendo. O cancelamento da turnê de promoção no Reino Unido aconteceu justamente após uma enxurrada de críticas vindas de fãs da série e demais internautas.

Jason Bateman e Tony Hale chegaram a se desculpar em uma série de tweets, principalmente se referindo a Jessica Walter. Bateman declarou que não sabia o quanto o incidente afetou a atriz, e disse estar “incrivelmente envergonhado”. Já Hale revelou que pediu desculpas pessoalmente a Walter.

A nova temporada de Arrested Development chega no dia 29 de Maio à Netflix.

Jack White se une a Margo Price para tocar música do White Stripes

Foto: Reprodução/YouTube

Jack White foi um dos convidados especiais da mini-residência de Margo Price em Nashville.

O músico subiu ao palco na segunda apresentação das três que a cantora country fez no Ryman Auditorium, e cantou em uma cover do The White Stripes. Trata-se de “Honey We Can’t Afford to Look This Cheap”, faixa presente no EP Conquest, de 2007.

Antes de iniciar a performance, White declarou:

Margo e eu tocaremos uma música que eu escrevi em um avião alguns anos atrás. É sobre compositores morando em Nashville. Talvez alguns de vocês entendam.

A cantora faz parte do catálogo do selo de Jack White, o Third Man Records. Em Outubro do ano passado, Margo lançou o disco All American Made pela gravadora.

Assista ao vídeo de “Honey We Can’t Afford to Look This Cheap” logo abaixo:

Pediram para o Weezer tocar “Africa”, do Toto, mas a banda preferiu zoar os fãs

Rivers Cuomo, do Weezer, em 2015
Foto de Rivers Cuomo via Shutterstock

O Weezer lançou nessa semana uma cover para a música “Rosanna”, do Toto. Não seria nada demais, se não fosse a história por trás dessa iniciativa.

Em 2017, uma menina de 14 anos chamada Mary criou uma conta no Twitter com uma campanha determinada: pedir à banda para tocar “Africa”, o hit mais famoso do Toto. O perfil @WeezerAfrica reuniu algumas centenas de seguidores, e se manteve forte em seu pedido desde então.

Pois bem, o grupo de Rivers Cuomo percebeu a campanha na internet, e… resolveu pegar uma canção bem menos famosa da banda para fazer sua cover. Como se essa tiração de sarro já não bastasse, o Weezer ainda promoveu a música usando um tweet da própria adolescente.

É, o pedido não foi atendido. Entretanto, ser notada pela sua banda favorita e ainda se tornar a responsável pelo novo lançamento do grupo deve ter sido tão legal quanto, não?

Ouça a cover de “Rosanna” abaixo:

Rocketman: musical baseado na vida de Elton John ganha data de estreia

Foto por Doni Maciel

A vida do ícone Elton John será retratada em um grande musical, que acaba de ganhar uma data de estreia.

Trata-se de Rocketman, longa que contará com Taron Egerton (Kingsman: Serviço Secreto) no papel principal. De acordo com a Paramount Pictures, o filme estreia no dia 17 de Maio de 2019.

O projeto do musical foi iniciado em 2011, e desde então teve várias reviravoltas. Em 2013, a produção chegou a escalar Tom Hardy (Mad Max) como protagonista. O ator desistiu do papel ao encontrar dificuldades para cantar. “Não sou um cantor. Não tenho ideia, sério. Estou apenas tentando por ser Rocketman, mas é difícil abrir a boca dessa forma,” declarou Hardy à época.

A direção fica por conta de Dexter Fletcher, que declarou:

Todo mundo pensa que é uma biografia [do Elton John]. Não é. É um musical de fantasia, então na verdade ele vai usar suas músicas para expressar momentos importantes de sua vida em partes emocionais. Ele não é o único personagem que canta.

As filmagens de Rocketman começam no mês de Agosto.

Novo disco? The Distillers afirma que “algo muito bom” vem por aí

Foto: @lotus_eye_pam/Instagram

Depois de fazer alguns shows de reunião nos Estados Unidos, o The Distillers parece estar cozinhando algo para os fãs.

Em uma mensagem misteriosa no Twitter, o grupo de Brody Dalle revelou que “algo muito bom vem por aí”. O tweet foi acompanhado da foto de um olho com o logo da banda desenhado por cima.

Algumas respostas à postagem pedem por um novo disco — o último lançado pelo grupo foi Coral Fang, de 2003. Enquanto isso, pode ser também que a banda anuncie novas datas de turnê e, se formos sortudos, quem sabe alguma aqui no Brasil também.

O Distillers encerrou sua turnê de reunião no começo do mês de Maio. Com Andy Granelli, Tony Bevilacqua e Ryan Sinn ao lado de Brody, a leva de shows marcou a primeira vez em 14 anos que a banda se apresentou ao vivo.

Dez anos de Breaking Bad: assista aos testes originais do elenco

breaking-bad-testes-elenco
Foto: Reprodução/Instagram

A estreia de Breaking Bad na televisão aconteceu há longos dez anos!

Pode ser difícil de se imaginar hoje em dia, mas a série americana idealizada por Vince Gilligan começou sem muito hype, tratando de um tema polêmico, com atores não muito conhecidos e em uma rede de TV que não figurava entre as principais dos Estados Unidos, a AMC.

Mas a história de Walter White (Bryan Cranston), um químico brilhante e frustrado que começa a produzir e vender metanfetamina, foi tão bem contada que acabou conquistando milhões de espectadores e tornou-se uma das melhores séries da história da televisão. Grande parte desse sucesso se deve ao elenco consistente.

Basta assistir aos testes em vídeo, que foram publicados online, com alguns dos atores principais para entender por que eles conseguiram o papel. Abaixo, é possível conferir as audições de Aaron Paul (Jesse), Anna Gunn (Skyler), Dean Norris (Hank) e Betsy Brandt (Marie).

Divirta-se!

RATS lança clipe para “Saloon 79” e homenageia bar carioca histórico

TMDQA! entrevista RATS:
Foto: Divulgação

A banda carioca RATS lançou em 2016 o seu primeiro álbum, Por Terra, Céu e Mar. Agora, eles divulgam o clipe para o single “Saloon 79”.

A canção foi composta por Fernando Oliveira (banjo, bandolim e vocais) em homenagem ao bar de mesmo nome. A letra conta a história de Tony Rocker, DJ, produtor e ex-proprietário do Saloon 79, que fica no Rio de Janeiro. O cara abandonou a carreira promissora de advogado para seguir seu sonho rock ‘n roll e abrir um estabelecimento do jeito que queria.

A música já se tornou um hino do bar, e no clipe é cantada pelos integrantes do RATS, músicos de outras bandas, DJs, funcionários e frequentadores da casa. Toda essa galera cedeu totalmente os seus direitos de imagem por uma causa nobre: manter o Saloon de portas abertas.

Sobre a situação do estabelecimento e a crise no Brasil em si, o vocalista Kito Vilela comentou:

Eu vivi a crise de perto. Minha mulher é cozinheira e foi chef/proprietária de três bares durante esse período. Todos eram excelentes, mas tiveram as portas fechadas por causa do momento hostil que a cidade estava vivendo. Na crise as pessoas não saem para comer, beber ou ouvir música, mas as casas continuam tendo que pagar os aluguéis, os salários de funcionários e todos os impostos necessários para manter o negócio girando. As dívidas se acumulam e esse efeito ‘bola de neve’ faz com que seja mais vantajoso fechar o estabelecimento e administrar o prejuízo, do que se afundar cada vez mais.

Segundo a banda, o vídeo se inspira no clipe de “I Believe in Miracles”, do Ramones. O trabalho conta com a produção da Camisa Preta Filmes, e direção de Felipe Monteiro.

O RATS vai lançar o clipe oficialmente com uma baita festa no Rio de Janeiro, que acontece hoje (25), à partir das 21h, no Saloon 79. Clique aqui para acessar o evento e conferir todos os detalhes.

Assista ao clipe logo abaixo:

Matt Groening, criador de Simpsons, detalha sua nova série para a Netflix

Disenchantment, nova série de Matt Groening para a Netflix
Foto: Divulgação

Caso você não tenha ficado sabendo, Matt Groening, o criador de Simpsons e Futurama, criou uma nova série de animação que será lançada na Netflix.

Intitulada Disenchantment, a série segue as aventuras de Bean, uma “jovem princesa alcoólatra” interpretada por Abbi Jacobson (Broad City), juntamente de um companheiro elfo e seu “demônio pessoal”, interpretado pelo comediante Eric André.

A primeira temporada contará com 10 episódios e será lançada no dia 17 de Agosto na plataforma de streaming.

Embora um trailer da série ainda não tenha sido revelado, você pode conferir a primeira imagem dos personagens de Disenchantment logo acima.

Recentemente, Os Simpsons acabou quebrando um novo recorde, se tornando a série (roteirizada) mais longa da história da televisão. Leia mais sobre o feito clicando aqui.

Caetano e Zeca Veloso falam sobre convívio em família e influência do funk no lançamento de Ofertório

Foto: Larissa Andrade/TMDQA!

Há quase um ano, a família Veloso vem concebendo, reformulando e apresentando um projeto que leva o nome do patriarca e seus filhos: Caetano Moreno Zeca Tom Veloso. Agora, um desses shows virou CD e DVD e foi batizado de Ofertório.

O nome é o mesmo da música que Caetano escreveu para a festa de 90 anos de sua mãe, Dona Canô. Segundo os artistas, a faixa representa a união familiar e o desejo de homenagear gerações passadas.

Para falar mais sobre o projeto, Caetano e Zeca estiveram na sede do YouTube em São Paulo, fizeram um pocket show e conversaram com a imprensa em seguida. O TMDQA! esteve lá e traz, abaixo, os melhores momentos desse bate papo.

Pai e filho falaram sobre a convivência durante a turnê, o fator sentimental, os ensinamentos durante o processo e também as influências para a composição do show (que vai de Kanye West ao funk carioca). Leia abaixo, junto com uma galeria de fotos exclusivas.

Coletiva com Caetano e Zeca Veloso

(foto: Larissa Andrade/TMDQA!)

De onde surgiu a ideia de reunir a família em um único espetáculo?

Caetano: Moreno vem trabalhando com musica há anos. Ele é formado em física, mas foi cada vez mais chegando pra música, agora há quase duas décadas. O Tom já tinha entrado na banda Dônica com os colegas dele, que são ultra capazes. O Zeca tinha trabalhado um pouco com música eletrônica, gostava de ser DJ, mas depois tinha parado e ficava em casa fazendo canções no violão ou no piano. E eu pensei ‘poxa, mas se todos estão fazendo música, eu quero fazer um show com eles’. Eu já tinha feito um show com o Moreno, na verdade o negócio foi esse. Foi no Sesc São Paulo, uma série chamada “Pais e Filhos”. E eu achei uma maravilha, foi uma experiência sensacional. Mas pra esse projeto a gente teve que adiar algumas vezes. Primeiro porque Moreno tinha compromissos, Tom estava começando com a Dônica… e depois porque Zeca não queria (risos). Mas eventualmente ele topou. E foi uma delícia. E também é um truque, porque os filhos crescem e vão ficando mais distantes da gente. Eu também quis fazer esse show pra ter eles perto de mim mesmo adultos.

Como é o lado emocional disso? Vê-los com você no palco resgata de alguma forma a sua juventude?

Caetano: Também! Esse é um dos componentes emocionais dessa experiência. Agora houve também emoções difíceis. Muitas musicas são inéditas, como “Todo Homem”, do Zeca. E a gente não sabia como as pessoas iam reagir, principalmente do jeito que a gente fazia. Porque não somos uma banda profissional. Todo mundo toca o suficiente pra fazer um negocio que é só nosso. Eu estreei com muita tensão, fiquei nervoso à beça. Mas a reação foi mais parecida com o que eu sinto de bom.

Zeca: Comigo foi parecido. É uma alegria enorme estar no palco com eles, mas foi bastante trabalhoso pra entregar o show na estreia. Até uma semana antes era uma coisa, depois mudamos. Eu, depois do meu pai, talvez, fui o que ficou mais nervoso. Tom e Moreno acho que estavam sempre confiantes…

Caetano: Tom sempre parece que não está nada nervoso. Tem até um pedaço que não entrou na edição do DVD em que ele aparece bocejando enquanto a gente está cantando uma outra coisa (risos). Então parece um relaxamento total. Mas quando a gente conversa ele diz que é o que fica mais nervoso. A gente não nota.

Zeca: Eu fico mais nervoso porque eu não estava preparado. Nunca fui um músico profissional. Acho que agora, depois de 30 shows, eu já estou tocando mais seguro.

Caetano: Você fazia tudo direitinho e continua fazendo, só que mais relaxadamente. Nos últimos dias perto da estreia, foi o Zeca quem tomou a responsabilidade de orientar as mudanças que a gente precisava fazer no repertório. Ele foi nosso guia nesse momento. Deu dicas que definiram a forma que o show ficou.

Zeca: Mais ou menos… (risos)

Eu queria que vocês esboçassem o processo criativo pro show, a questão da direção visual também, que é incrível. Quero saber também o que vocês ouviam durante esse tempo, que artistas podem ter influenciado essa montagem.

Zeca: Eu sempre falo do Djavan. Mas, hoje em dia, ouço muitas coisas variadas, principalmente o pop, coisa que toca no rádio. Tipo funk, sertanejo, o R&B americano… isso tem uma vitalidade. Eles estão sempre se reinventando, enquanto outras áreas mais respeitadas da música se mantém conservadoras. Isso me entusiasma mais, até porque eles sempre procuram ter um impacto, serem instigantes. E eu penso isso do nosso trabalho também. Foi importante pra eu pensar essas mudanças no show.

Caetano: O Zeca me mostrava muitas coisas, por exemplo James Blake. Ele me atualiza com coisas de Kanye West, que faz muita coisa de caráter experimental. Kanye West falando é chato pra caramba… (risos). Eu vi na televisão ele tocando num festival e falando por 3 horas. Pior do que eu! E ele fala besteira, eu não falo tanta besteira assim. Mas ele é bom musicalmente e inventivamente.

O que você (Caetano) vê no Zeca que você se orgulha e sente que ele puxou de você? E Zeca, que características você sente que herdou do seu pai?

Caetano: Muita coisa nos meus filhos me dão orgulho. Vejo muitas coisas que reconheço como características minhas e que admiro. Também vejo algumas que são minhas e não gosto. Mas isso não predomina no show, só o que a gente pode ser de melhor. Por exemplo, o Zeca sempre me pareceu, de genética, que tinha puxado mais a mãe dele. Mas aí eu fui ver aquele filme “Uma Noite em 67”, e quando eu apareci em cena, pensei ‘meu deus, é o Zeca!’ (risos). Mas eu me orgulharia muito de o Zeca dar valor ao meu esforço de honestidade. E ele é até mais exigente do que eu nesse sentido.

Zeca: É difícil dizer o que eu herdei… mas consigo dizer o que eu admiro nele, como pai e como pessoa: honestidade, lealdade, caráter. De qualquer forma, não tem como não herdar porque ele, sob muitos aspectos, é minha maior referência. Não exatamente pra onde eu quero ir, mas como se fosse um centro de gravidade, pra onde eu posso ir como artista e como pessoa. Ele tem uma sensibilidade e um talento sobrenatural pra criar.

O funk tem tomado um alcance mundial, já está entre as 50 músicas mais tocadas em pelo menos 13 países. E vocês tem “Alexandrino” no show de vocês. Como foi a decisão de colocar essa música? E sobre o contexto social do funk, que no Brasil ainda há muita gente reticente com o estilo…

Caetano: A história do funk carioca já é velha e sempre enfrentou resistência e preconceito, inclusive na imprensa. Havia críticos respeitados que desqualificavam totalmente. Tem um livro do Hermano Vianna que já é antigo e conta a história da formação do funk carioca. E hoje o funk é predominantemente paulista, e ganhou espaços de silêncio, características experimentais… e a presença mundial também já é antiga, o Diplo já usa essas batidas há muito tempo. Eu gosto imensamente, até mais que o Zeca. Mesmo no Tropicalismo, o Gil gostava de pensar nos Beatles, e eu pensava mais em Roberto Carlos. Eu gostava mais da imitação brasileira do pop de língua inglesa. Era mais forte pra mim do que o pop de língua inglesa diretamente. Por exemplo, eu adoro Rihanna, mas tenho muito mais interesse em Ludmilla e Anitta.

Uma curiosidade: família é igual em todo canto do Brasil. Então, na rotina, como é o convívio de vocês durante a turnê? Vocês brigam quando um discorda?

Caetano: A gente nunca briga, graças a Deus. Tem um grande dito de um autor russo que é ‘todas as famílias felizes são iguais, mas as famílias infelizes são cada uma infeliz de uma maneira’. Então a nossa ambição é ser uma família feliz e original.

O que você tenta passar pros seus filhos, levando em conta sua experiência, tanto pro momento do show quanto pra hora de compor?

Caetano: Se eu puder fazer alguma coisa pra eles não ficarem nervosos, eu faço, mas às vezes eu próprio fico nervoso. E em termos de ensinar e dar dicas, eu tenho mais ouvido do que dito. Eles me têm dito coisas, reclamado da minha imprecisão na manutenção da regularidade do tempo, me colocado no trilho. Eu não sou muito professoral, nem nos ensaios nem no show. Isso também vem do meu pai. É mais importante dar o exemplo. Eu vou fazendo coisas que devem servir de exemplo. Se eles quiserem atentar pra mim, beleza.

Mais fotos

Dave Grohl revela ter sido processado logo após entrar no Nirvana

Foto por Aline Krupkoski

Antes de gravar seu nome na história da música como o baterista do Nirvana, Dave Grohl já possuía uma carreira honrosa tocando no Scream, influente banda de hardcore.

Grohl entrou no Nirvana em 1990, pouco depois do Scream decidir encerrar suas atividades. No entanto, o músico não conseguiu se livrar de alguns problemas da banda — em especial, um processo envolvendo 40 mil dólares.

Em uma longa entrevista para a GQ, Grohl entrou em detalhes sobre “a primeira coisa que aconteceu” a ele depois de ter entrado para o Nirvana:

Sabe o que aconteceu na primeira vez que eu coloquei meu pé na indústria da música e confiei em outra pessoa — fora meus amigos do punk rock e minha família em DC? Eu fui processado. Um pedaço de papel que eu assinei em uma van fora de uma lanchonete quando eu estava numa banda chamada Scream, passando fome, sem nada a perder, sem pensar que isso levaria a qualquer lugar.

Eu assinei com o Nirvana e fui processado por 40 mil dólares logo de cara porque um cara disse que eu ainda estava sob contrato com ele. Isso foi uma merda.

No entanto, como já sabemos, tudo acabou se resolvendo — o Nirvana virou um sucesso mundial e Grohl virou uma das maiores estrelas do Rock de todos os tempos, o que acabou facilitando muito a vida do músico.

Ninguém imaginava que o Nirvana chegaria a algum lugar. Ninguém. Qualquer pessoa que disser o contrário está falando besteira. Ninguém fazia ideia. Então quando tudo enlouqueceu, quando o mundo acabou se virando para nós, quando todo esse circo começou a se desenrolar, isso me proporcionou a licença de nunca mais precisar ouvir outra pessoa. Daquele momento em diante, ninguém me disse o que eu devia fazer. Ninguém.

Em 25 anos, eu nunca tinha alguém que me dissesse ‘Hey Dave, você deveria fazer isso’. Vá se foder, cara. Eu sou presidente da minha própria gravadora. Eu sou dono de toda a minha discografia. Eu posso dizer quando vamos fazer isso, quando vamos fazer aquilo. Se algo precisa ser feito, eu mesmo faço isso.

Na entrevista, o músico ainda falou sobre as reações iniciais da sua família quando decidiu entrar no mundo da música e vários outros aspectos de sua vida e carreira.

Você pode ler tudo na íntegra clicando aqui.

Will Smith faz rap sobre “Um Maluco No Pedaço” e Rihanna em novo teaser; assista

Will Smith no estúdio
Foto: Reprodução/Youtube

Estamos cada vez mais próximos do retorno de Will Smith ao mundo da música.

Mais de uma década após o lançamento do último álbum do ator e um ano após participar de um single com o DJ Jazzy Jeff, Smith esteve dando pistas de que deve voltar a lançar músicas através de teasers e pequenos clipes.

O último deles acaba de ser divulgado pelo próprio artista. Nele, Smith faz um rap diretamente do estúdio, onde fala sobre Obama, Rihanna, Um Maluco No Pedaço e sua estrondosa carreira no cinema.

Ainda não se sabe se a canção era apenas um “treino” ou se ela será lançada oficialmente, mas o ator confirmou que novas músicas sairão “em breve”.

O mais provável é que, antes de qualquer material solo ser lançado, nós possamos ouvir Smith novamente no hino oficial da Copa do Mundo da Rússia, que foi produzido por Diplo e conta com a participação de Nicky Jam e Era Istref.

Você pode conferir o clipe logo abaixo.

Alice In Chains fala sobre imitadores do grunge em apresentação; vídeo

Alice In Chains

Quando a cena de Seattle estourou nos anos 90, muitos músicos tentaram copiar os sons de bandas como Alice In Chains, Pearl Jam ou Nirvana.

O grunge havia tomado a indústria da música repentinamente, e as gravadoras estavam investindo forte em grupos que pudessem entrar na grande “onda” para obter sucesso comercial.

No entanto, alguns dos próprios músicos que ajudaram a criar a cena não se importavam com esses imitadores. Ao participar do Sound Lounge, o guitarrista Jerry Cantrell falou sobre o movimento.

Eu acho que isso acontece com qualquer coisa que surge repentinamente e é algo novo. Se isso causa um impacto, se alguém quer emular isso, é tranquilo — foi assim que eu comecei, emulando as coisas que eu curtia até que eu encontrei minha própria voz, então eu não acho que exista algo de errado nisso.

A participação da banda no Sound Longe contou com uma sessão de perguntas e respostas juntamente da performance de três canções, incluindo “The One You Know”, que estará no próximo disco dos caras.

Inclusive, em alguns pontos da apresentação, o grupo chega até a errar — e encaram a situação com muita risada e bom humor. Você pode conferir a sessão completa no player logo abaixo.

Na televisão: Franz Ferdinand, The Breeders, The Kills e Blink-182

Franz Ferdinand no programa de Jimmy Kimmel
Foto: Reprodução/Youtube

Esse ano, o Franz Ferdinand retornou com Always Ascending, seu quinto álbum de estúdio.

Agora, a banda está percorrendo o mundo para promover seu novo trabalho e, recentemente, eles passaram pelo programa de Jimmy Kimmel para tocar cinco canções.

Você pode conferir essas apresentações logo abaixo.

The Breeders

The Breeders em 2017
Foto do The Breeders via Shutterstock

O The Breeders foi outro grupo que retornou após um considerável tempo sem muitas notícias. All Nerve, lançado em Março, foi o primeiro disco da banda com sua formação clássica em quase vinte e cinco anos.

Ao participar do programa do britânico Jools Holland, a banda de Kim Deal tocou o clássico “Cannonball” e também a nova “Wait in the Car”.

Assista!

The Kills

The Kills

A dupla The Kills foi ao Late Show de Stephen Colbert essa semana para tocar “List of Demands (Reparations)”, uma nova canção lançada em Março em um vinil de 7 polegadas.

O último disco lançado pela dupla foi Ash & Ice, de 2016.

Blink-182

Blink-182 com Matt Skiba

Você pode não ter ficado sabendo, mas nós avisamos por aqui que o Blink-182 marcou uma residência de shows num cassino em Las Vegas que irá se estender por meses.

Para promover esses shows, o trio passou pelo programa de Jimmy Kimmel para tocar “Kings of the Weekend”, do álbum California, assim como as clássicas “I Miss You”, “Feelin This” e “All The Small Things”.

Assista às performances logo abaixo.

SIGA O TMDQA!

26,520SeguidoresSeguir
1,500SeguidoresSeguir
62,074SeguidoresSeguir