Kurt Cobain no Acústico MTV do Nirvana
Reprodução/YouTube

Em 1993 o Nirvana lançou uma das suas canções mais polêmicas. “Rape Me” mexeu em um assunto obviamente muito sensível, o estupro, e gerou controvérsia. A música foi rechaçada e exigiu explicações em diversos momentos já que, em tradução literal, seu título significa “Me Estupre”.

Por outro lado, Kurt Cobain era conhecido como um defensor de diversas causas positivas, inclusive do feminismo; logo, foi dado a ele o benefício da dúvida. E, durante essas explicações, o lendário vocalista e guitarrista conseguiu deixar bem claro que é uma canção anti-estupro, ao contrário do que muitos imaginavam.

Em entrevista de 1993 à Spin, Cobain disse:

É como se ela [a vítima] estivesse dizendo, ‘Me estupre, vá em frente, me estupre, me bata’. Você nunca irá me matar. Eu vou sobreviver a isso e eu vou te estuprar um desses dias e você nem vai saber’.

Em outra conversa, também em 1993 mas dessa vez na televisão (vídeo abaixo), Kurt voltou a deixar bem claro seu posicionamento e explicou por que foi tão direto na escolha das palavras:

É uma canção anti — vou repetir — anti-estupro. Fico cansado de pessoas pensando, tentando colocar muito significado nas minhas letras. Então eu tentei ser bem claro, bem direto.

Nirvana e as explicações de “Rape Me”

O argumento de Kurt Cobain sobre ser direto até faz sentido, mas não passou sem chocar. A cantora americana Tori Amos comentou sobre a música em 1994 em uma conversa com a NME, dizendo:

[Eu] pensei que fica bem claro do que ela fala… É uma música de provocação. É como se dissesse ‘Vai lá, me acerte! Me estupre! Você cruza essa linha, filho da puta, e eu te mato… você nunca vai me quebrar por dentro’.

Mas a coisa mais assustadora para uma vítima de estupro são as palavras ‘me estupre’. Quando eu ouvi falar dela pela primeira vez eu suei frio, mas quando você supera isso você percebe que ele está jogando isso de volta às pessoas.

Outra hipótese que é sempre levantada é sobre a possibilidade de Kurt estar falando sobre si mesmo. À época, ele e sua parceira Courtney Love eram alvo de muita especulação por parte da mídia, sofrendo com constantes rumores e perturbação. No entanto, ele sempre fez questão de falar do verdadeiro significado (e o discurso de ser “claro e direto” nas letras também reforça isso).

Kurt já havia falado em 1991 (dois anos antes de “Rape Me” ser lançada) sobre como a sociedade precisava se preocupar em eliminar o estupro. Como lembrou a revista Far Out, ele disse que conversou com uma amiga que estava tendo aulas de defesa pessoal anti-estupro e que baseado em pensamentos compartilhados por ela, acreditava que os homens é que deveria ser educados sobre o crime.

Poucas dúvidas restam sobre o vocalista ser uma pessoa genuinamente preocupada em fazer algo pelo bem. Mesmo com a intenção no lugar certo e com as explicações convincentes sobre a letra de “Rape Me”, o debate sobre ser “claro e direto” em relação a uma situação tão traumática e que pode causar gatilhos às vítimas é sempre válido. Uma pena não termos mais o músico por aqui para saber como ele enxerga essa faixa hoje.