PlayStation 2
Foto via Wikimedia Commons

O dia 04 de Março de 2000 mudou para sempre a indústria dos videogames. Há quase exatos 20 anos, o PlayStation 2 foi lançado pela Sony no Japão e se tornaria o console mais bem sucedido da história.

Foram mais de 155 milhões de unidades vendidas, e o PS2 colocou de vez o brasileiro no mundo dos games. Claro que muito disso, infelizmente ou felizmente, veio devido à facilidade de “desbloqueios” e os famosos jogos piratas, que tornaram os games muito mais acessíveis.

No entanto, isso já era algo que vinha desde o primeiro PlayStation. O que mudou, então? Os gráficos à época estonteantes permitiram uma variedade de gêneros maior do que nunca, os jogos passaram a ter uma outra dimensão de complexidade, com personagens cada vez mais semelhantes à vida real em questão de comportamento e aparência e tantos outros fatores fizeram com que o PS2 atingisse um novo patamar dentro da indústria.

O fato é que o PlayStation 2 conquistou nossos corações e, para homenagear esse verdadeiro ícone do mundo dos videogames, resolvemos selecionar 20 jogos icônicos e essenciais para qualquer fã!

(Os jogos estão em ordem alfabética)

Bully

Uma das empresas que mais ajudou o ciclo de vida do PlayStation 2 foi a Rockstar Games. A responsável por Grand Theft Auto (que obviamente está nesta lista) não parou no clássico GTA e levou a proposta de mundo aberto para o ambiente escolar em Bully.

Claro que a companhia não ia fugir da polêmica e, como o nome diz, colocava o jogador no papel de um valentão — por outro lado, Bully dava tanta liberdade que o protagonista poderia até assumir um namorado do mesmo sexo, algo ainda bem incomum nos games da época.

Burnout 3: Takedown

Burnout 3: Takedown foi um respiro em meio a tantos games de corrida com a mesma proposta. E se, ao invés de se preocupar em ganhar, o seu maior objetivo fosse destruir tudo? Essa foi a ideia da Criterion, que ainda colocou muito Rock and Roll na trilha sonora e criou um dos jogos mais icônicos do PS2.

 

Devil May Cry 3: Dante’s Awakening

Se Devil May Cry já surgiu com o potencial de ser uma das maiores franquias da gigante Capcom, o terceiro capítulo da série capitalizou em cima disso. Dante’s Awakening foi, na verdade, um prólogo do primeiro jogo — e conseguiu fazer isso da melhor forma possível com um sistema de combate excelente.

 

FIFA Street

Na época em que o Winning Eleven ainda dominava os consoles brasileiros, FIFA Street chegou para colocar a EA Sports em evidência. A proposta foi chamativa: dribles, futebol de rua e craques de todos os times e países. Tudo que o fã do futebol no Brasil gosta!

 

Final Fantasy X

Final Fantasy é uma série amada e aclamada pelos fãs de games. E, se Final Fantasy VII mudou a história do primeiro PlayStation, Final Fantasy X fez o mesmo com o PS2. Um dos jogos mais emocionantes, complexos e belos do console, FFX vive muito bem até hoje e é considerado entre os melhores títulos da franquia. É um dos poucos, inclusive, que chegou a render um spin-off com Final Fantasy X-2.

 

God of War

God of War viria a ser uma das franquias mais bem sucedidas da Sony, e muito disso foi graças ao primeiro jogo. A chegada do icônico Kratos veio acompanhada de algumas das batalhas mais chocantes e estonteantes da história dos games até o momento, e tanto este quanto o segundo jogo da série envelheceram muito bem.

 

Gran Turismo 3: A-Spec

Não importa o quanto você invente em jogos de corrida, sempre haverá os puristas que querem algo o mais próximo possível da realidade. E é aí que entra a série Gran Turismo, cuja terceira versão mostrou todo o potencial gráfico do PS2 dentro desse contexto.

 

Grand Theft Auto: San Andreas

O trailer de Grand Theft Auto: San Andreas, ao som de “Welcome to the Jungle”, já mostra um pouco do que seria o game: uma verdadeira selva. Comandando o protagonista CJ, o jogador conseguiu viver situações nunca antes imaginadas e sob um sistema que ainda conquista fãs até hoje.

San Andreas se tornou um dos marcos do PS2 e, no Brasil, está entre os jogos mais aclamados e amados pela população em geral. Um enorme mérito do game é ter aberto as portas para alguns jogadores mais casuais, fazendo a transição de algo de nicho para algo que caiu na cultura popular.

 

Grand Theft Auto: Vice City

Se existe uma série que é sinônimo de PS2, é Grand Theft Auto. E nada mais justo do que ser a única franquia com dois jogos nessa lista, já que Vice City teve um status quase tão gigante quanto o de San Andreas. Se GTA3 praticamente criou a fórmula de mundo aberto alguns anos antes, foi em Vice City que a Rockstar conseguiu desenvolver a ideia de um jeito inesquecível.

 

Guitar Hero

Jogos de ritmo já existiam há algum tempo, mas Guitar Hero surgiu para balançar todo o gênero. Nunca antes um jogador pôde estar na pele de um guitarrista, usando um controle realista. Não à toa, foram inúmeras sequências — algumas até se resumindo a bandas específicas, como o Metallica e o Aerosmith. Que saudades!

 

Kingdom Hearts II

O primeiro Kingdom Hearts foi bem sucedido na ousada fórmula de misturar os mundos de Disney Final Fantasy com personagens originais. Mas a segunda entrada da série entrou no Hall da Fama dos jogos de PS2 e dos RPGs de todos os tempos, desenvolvendo um sistema de combate incrível e perdendo o medo de explorar a improvável trama.

 

Metal Gear Solid 3: Snake Eater

Hideo Kojima é um verdadeiro gênio da indústria dos videogames. E sua genialidade aparece com primor na terceira entrada da série Metal Gear Solid. Depois do final insano de Sons of LibertySnake Eater traz uma mistura perfeita entre boa história e um sistema de jogo sensacional para se tornar referência por anos e anos.

 

Need for Speed: Underground

Se foi a série de filmes Velozes & Furiosos que ajudou a popularizar Need for Speed: Underground ou o contrário, dificilmente saberemos. O fato é que a febre dos carros tunados se deve, e muito, ao game da EA. A franquia gerou vários outros títulos, como o também excelente Most Wanted, sempre ao som de uma ótima trilha sonora.

 

Okami

Muitas pessoas ainda têm dificuldade em considerar videogames como obras de arte, e Okami foi uma aposta incrível para provar que estes estão errados. O jogo da Clover Studio trouxe um estilo de animação bem característico, com um sistema inovador e belo. Para quem não conhece, vale demais ir atrás!

 

Prince of Persia: The Sands of Time

Reviver uma série tão antiga e marcante como Prince of Persia não era tarefa fácil, mas não poderia ter sido feita de uma forma melhor. The Sands of Time introduziu mecânicas incríveis, como as próprias areias do tempo, e deu início ao que viria a ser uma trilogia que repopularizou a franquia.

 

Resident Evil 4

Resident Evil já era uma franquia de sucesso, e a Capcom poderia seguir repetindo as fórmulas de sucesso por anos. No entanto, a quarta entrada resolveu mudar as coisas e trouxe um sistema renovado de jogo com mais foco em combate — mas sem perder a característica de terror.

 

Shadow of the Colossus

Honestamente, não é nenhum exagero dizer que Shadow of the Colossus é o jogo mais importante dessa lista. O game inovou em todos os aspectos possíveis e trouxe alguns dos gráficos mais belos somados a uma experiência de jogabilidade maravilhosa: uma verdadeira obra de arte. Não à toa, ganhou uma versão no PlayStation 4.

 

Silent Hill 2

Se você é fã de terror, é indispensável viver a experiência de Silent Hill 2. A obra prima do survival horror apostou forte em sustos, bizarrices e muitos enigmas. Com pouca ação de combate, é um jogo feito 100% para fãs do gênero — mas atende às demandas destes com maestria.

 

Tony Hawk’s Pro Skater 3

A amada série Tony Hawk’s Pro Skater tem diversos jogos excelentes, mas a grande maioria considera a terceira entrada como a mais prolífica. Como sempre com uma ótima trilha sonora, o game de skate aperfeiçoou os controles e usou todo o potencial do PlayStation 2 para atingir seu ápice.

 

Winning Eleven 10

O futebol é a paixão (quase) universal do brasileiro, e Winning Eleven 10 permitiu que ela vivesse dentro de um game para sempre. O jogo já era muito querido pelo público nacional há anos, mas a décima edição facilitou o surgimento do Bomba Patch. Com status quase de instituição no Brasil, a modificação é atualizada até hoje por Allan Jefferson, que criou o projeto com o objetivo de colocar os times brasileiros no game até então todo em japonês.