Clube da Esquina
 

A capa de Clube da Esquina, disco icônico do grupo de mesmo nome lançado em 1972, está no olho de um furacão.

Isso porque o álbum traz a foto de dois meninos e, agora, eles estão processando Milton Nascimento, Lô Borges, a gravadora EMI e a editora Abril pelo uso de sua imagem no trabalho.

O processo começou, na verdade, em 2012, ano em que a dupla Cacau (Antônio Carlos Rosa de Oliveira) e Tonho (José Antônio Rimes) ficou sabendo sobre a existência do disco e suas participações nele. A descoberta foi feita pela jornalista Ana Clara Brant, do Estado de Minas, quando o portal encontrou os dois para um especial sobre o álbum.

O valor pedido por Tonho e Cacau no processo é de 500 mil reais por danos morais, já que a equipe envolvida em Clube da Esquina não pediu autorização para o uso da foto e também nunca os procurou. Em contrapartida, a EMI chama o valor de “astronômico” e vai recorrer ao processo.

Em uma entrevista feita com a dupla, Tonho contou (via Ne10):

Nunca soube disso. Foi ela [a jornalista, Ana Clara Brant] que me descobriu. […] Fui correndo no advogado e contei a historia todinha. […] Poderiam ter aviso meu pai ou minha mãe.

Complicado…

Capa do Clube da Esquina

Vale lembrar que além da notícia sobre o processo em si, muita gente também ficou confusa pois achava que os dois garotos da capa eram, na verdade, Milton Nascimento e Lô Borges, as mentes por trás das canções do álbum.

LEIA TAMBÉM: “Milton e o Clube da Esquina”: série relembra história de um dos maiores grupos da música brasileira