John Frusciante x Josh Klinghoffer
Fotos via Wikimedia Commons
 

Na semana que está chegando ao fim, uma conversa bastante reveladora de Josh Klinghoffer, ex-guitarrista do Red Hot Chili Peppers, foi ao ar.

No papo com Marc Maron, o músico falou sobre como sua saída da banda foi um “choque”, já que apesar de suspeitar, ele não imaginava que aconteceria tão cedo e não sabia que Flea e John Frusciante, velho novo membro do grupo, estavam fazendo jams juntos novamente.

A gente transcreveu toda essa parte da conversa pra você aqui, mas o fansite brasileiro oficial de Red Hot Chili Peppers foi além e traduziu o papo na íntegra, o que faz com que novos trechos reveladores estejam disponíveis em Português.

Comparações com John Frusciante

Um deles diz respeito às constantes comparações que os fãs faziam entre Josh Klinghoffer e John Frusciante.

Mesmo passando dez anos com a banda e gravando dois discos, era comum ler comentários colocando os dois lado a lado sempre que rolavam notícias sobre a banda.

A respeito disso, Josh falou:

Eu não li na internet, mas nas primeiras turnês que fiz com eles, tinha muita gente me comparando com o John. E eu acho que gastei muito tempo pensando nisso. Fiz todas essas turnês com 20 anos e nunca pude desenvolver meu próprio estilo. Mas eu tocava, aprendia a tocar com as pessoas. Tinha um estilo ali. Mas com os Chili Peppers eu tocava músicas que tinham sido gravadas, famosas no mundo todo, eu tinha o máximo de respeito mas tentava ser eu mesmo, felizmente. Se essa mudança, John voltar, eu sair, tivesse acontecido 5 anos atrás, teria me destruído. Porque teria confirmado tudo que minha mente me dizia, que eu era ruim. Agora eu fiz dois álbuns, estávamos a quase um ano escrevendo um novo álbum, eu compus muito com eles.

O guitarrista também confirmou que a banda planeja gravar um novo disco com Frusciante e falou que o posto na banda sempre foi de John:

É uma posição engraçada de se estar, ser a pessoa…que por um segundo achar que deveria estar lá. Absolutamente é o John que deve estar lá. É por isso que estou feliz por ele, estou feliz que ele voltou com a banda.

Não importa o que aconteça, John e Flea especificamente tem uma linguagem musical, uma conexão de quando John tinha 17, e Hillel tinha acabado de morrer, a banda não tinha outro grande sucesso, eram pessoas muito diferentes em um tempo muito diferente. Quando eu entrei era 2009, era diferente. Sou muito grato à forma como eles me receberam em diversos níveis. E é por isso que tem esse álbum de extras. Gravamos muito e eles me deram muito espaço. Fomos longe, chegamos a fazer mais de 50 músicas, 25 ou mais nem chegou a ser finalizada. Mas algumas coisas foram deixadas de lado. Eu sempre tentava trabalhar pra fazer a minha parte. Eu lembro de pensar que achava que estava fazendo um bom trabalho. Flea e eu estávamos tentando ao máximo, mas eu nunca serei capaz de competir com a história que ele e o John tem.

Por fim, ele reafirmou que se sente orgulhoso do tempo em que passou com a banda e do material que produziu, falando:

Sim, como eu disse se isso tivesse acontecido 5 anos atrás teria sido difícil para mim. Mas agora, 10 anos, 2 turnês, quase três álbuns, me sinto orgulhoso do que fiz com eles e acho que criamos algo além da música, num âmbito pessoal, somos amigos. Sinto que trouxe algo para todo mundo e tenho muito orgulho. E eu cresci.

Flea e eu almoçamos algumas vezes depois disso. Flea disse que isso nunca aconteceu antes, eles nunca mudaram de membros sem alguma tragédia ou após algo negativo, mas está tudo bem.

Você pode ler a entrevista na íntegra clicando aqui.