Rosa Neon
Foto: Sarah Leal
 

A música brasileira vive, sem dúvidas, um momento histórico. Os artistas estão usando as ferramentas tecnológicas, cada vez mais democráticas, para contribuir com cultura musical do nosso país. Isso é ótimo.

Se estamos acostumados a privilegiar o que é feito no pólo cultural RJ-SP, chegou a vez de artistas de todo o território brasileiro ganharem destaque. Existe uma cena independente pipocando, e a cada dia surgem novas pérolas que deixam a nossa cena musical cada vez mais colorida e cheia de cores.

Por falar em cor, você já conhece o grupo Rosa Neon? De Minas Gerais para o mundo, a banda ganhou visibilidade por conta de seu homônimo disco de estreia, um dos melhores lançados este ano. A sonoridade, que mistura pop com brega, lo-fi e música eletrônica, já rendeu ao grupo até turnês internacionais.

 

“Foi resultado da multiplicidade de ideias de todo mundo da banda”

Mas não é apenas o talento da banda que impressiona, como também o seu compromisso e planejamento. Ao investir na estratégia de lançar um clipe por mês (mesmo sem o dinheiro que Anitta tem), a banda conseguiu se manter nos ouvidos de seu crescente público. Ao lançamento do disco, já tínhamos conhecimento de mais da metade de suas músicas.

Sobre esse compromisso e força de vontade, conversamos com a vocalista Marina Sena. O papo também passeou pelas influências da singular sonoridade do grupo e sobre o crescimento da cena de Minas Gerais no mapa geral da música brasileira.

Confira abaixo o papo:

TMDQA!: Eu queria saber um pouco sobre a estética do disco, já que traz influências de vários gêneros. Tem um pouco de brega, um pouco de lo-fi, um pouco de pop… É muito interessante ver como tudo isso foi conversando nas composições.

Marina Sena: Não foi uma coisa pensada. As músicas meio que pediram isso. A gente queria realmente fazer uma coisa que fosse mais pop, e as músicas se caminharam para esse lugar. Foi resultado da multiplicidade de ideias de todo mundo da banda. No final, deu certo!

TMDQA!: Tem também influência do rap, representada pela participação do Djonga em “Vai Devagar”. Isso é uma forma de juntar forças da riquíssima cena musical de Minas Gerais. Como se deu o contato com ele?

Marina: O Djonga é um cara muito eclético. Ele escuta todo tipo de música. Ele gostou muito do Rosa Neon e passou a nos apoiar bastante. Isso é, inclusive, uma pauta do Djonga! Por muito tempo, Minas ficou fora desse eixo da música, já que a coisa gira em torno muito do Rio e de São Paulo. O Djonga tem essa coisa de trazer o trem de Belo Horizonte também, para dar visibilidade. Existem vários artistas hoje no estado fazendo um baita som, mas acho que o Djonga é um dos mais estourados.

 

“É bom ver esse avanço”

TMDQA!: Enquanto artista, como você vê essa cena mineira? Hoje em dia, com a produção facilitada, surge (ou pelo menos tomamos conhecimento de) uma quantidade maior de artistas locais.

Marina: O que eu acho sobre essa questão de centralização da música é que, por exemplo, a música baiana é taxada como música regional. As pessoas ouvem e pensam “Ah, isso aqui é regional”. No entanto, a música de São Paulo e do Rio de Janeiro não é considerada regional. Tanto que foi por ali que surgiu a MPB, a música popular brasileira. Esse “rótulo” impede muitos artistas de irem além dessa limitação regional. Eu acho isso complicado, sabe? A música brasileira é tão grande, tão cheia de cores e atributos…

TMDQA!: Existe toda uma questão histórica e social que acaba dando esse valor todo a essas regiões “principais”. Mas você tem alguma perspectiva de melhora nesse cenário? De uns anos para cá, muitas músicas “regionais” passaram a ganhar visibilidade, confrontando esse mainstream RJ/SP.

Marina: Demais! Há dois anos atrás, eu não conseguiria ter essa esperança. Acho que, por conta desse som mais pop do Rosa Neon, acredito que qualquer pessoa no mundo pode vir a curtir. Hoje eu consigo enxergar e fazer essa crítica. É bom ver esse avanço. Quando você consegue fazer uma crítica, você consegue também ultrapassar essa barreira. As coisas estão mudando demais!

TMDQA!: Vocês dão muita importância para a questão visual também. Nos dias de hoje, em meio à sociedade imagética em que vivemos, é muito importante ter esse olhar. Como é pensada essa identidade visual do Rosa Neon?

Marina: Quando a gente começou o Rosa Neon, a gente já pensava em gravar clipes e tal. A gente chamou o Vitor Soares, que é daqui de Montes Claros, inclusive, sendo uma pessoa regional (risos). No final das contas, foi tudo muito natural. Tudo na banda foi muito natural. Temos uma equipe com pessoas que têm várias habilidades. Como que a gente ia conseguir aproveitar o talento de cada um aqui dentro? Os clipes são uma forma de o Vitor aproveitar as habilidades dele. Para nós, isso é incrível! A gente aproveita na música e nos carões nos clipes (risos). O Rosa Neon é um laboratório de experimentações. Tem várias pessoas com várias possibilidades. Isso acaba desenvolvendo algo muito massa e natural.

TMDQA!: Não tem como a gente não citar a referência na capa, que nos remete imediatamente ao disco dos Doces Bárbaros (supergrupo formado por Maria Bethânia, Gal Costa, Gilberto Gil e Caetano Veloso), de 1976. Além dessa galera, quem mais influenciou a sonoridade da banda?

Marina: A capa realmente foi inspirada no Doces Bárbaros. Desde que a gente surgiu, eu remetia a gente ao Doces Bárbaros. Achava que tinha muito a ver. Mas esteticamente, acho que somos uma grande mistura. Para o vídeo de “Fala Lá Pra Ela”, por exemplo, a gente assistiu muito os vídeos do Jaloo, para pegar aquele sentimento da música. Mas a gente também pescou ideias em muito outros artistas. Sonoramente, não tem nem como resumir. Está muito no inconsciente. Mas consigo pensar em alguns nomes como Duda Beat, que é um nome recente importante nesse movimento da música brasileira. Com certeza tudo que a gente faz tem referência em algo, mas não conseguimos descriminar certinho de onde vem cada referência.

Capa de "Rosa Neon" (Rosa Neon)

Capa do disco "Doces Bárbaros"
Foto: Divulgação

 

“Essa é uma coisa que o Rosa Neon tem. Temos compromisso”

TMDQA!: É bizarro pensar que vocês já eram uma grande aposta mesmo antes do lançamento do disco de estreia. Como foi ver essa repercussão grande e a que você acha que isso se deu?

Marina: Eu acho que é porque lançamos um clipe por mês. Nenhuma banda independente do Brasil fez isso antes. Anitta faz isso, mas ela está em um patamar mais elevado. A gente fez isso do zero, sem dinheiro algum. Cada um fez o que conseguia.

TMDQA!: Isso é uma estratégia interessante e completamente válida para fazer com que seu nome fique sempre na cabeça das pessoas. O brasileiro não esquece dela, e essa produção frenética de música é um dos motivos. Talvez o que vocês estejam fazendo pode ser considerado um aula para outras bandas independentes.

Marina: Exatamente. Bem ou mal, as pessoas ficam escutando o seu nome com certa frequência, e isso desperta curiosidade delas. Para dar certo, não tem jeito: você precisa profissionalizar o que está sendo feito. Não tem nada na vida, nem para músicos e nem para qualquer outra profissão, que dá certo sem profissionalizar. É preciso ter compromisso com seu trabalho. Essa é uma coisa que o Rosa Neon tem. Temos compromisso. Se a gente fala que vamos lançar tal música no dia 2 de Fevereiro, no Dia de Iemanjá, o lançamento vai estar lá nesse dia. A gente vai trabalhar pesado para isso.

Além disso, eu acredito que o Rosa Neon seja uma forma de inspirar não apenas músicos, mas também videomakers e produtores. Uma banda não é feita sozinha. Você precisa estar acompanhado de pessoas que acreditam no seu projeto. Nós quatro sozinhos não conseguimos dar conta. Isso é uma forma de aconselhar videomakers, produtores e afins a entrarem nos projetos das bandas. Vai dar certo!

TMDQA!: Exportar o som é um desafio e também um sonho para muitos artistas. Vocês fizeram uma turnê europeia, certo? Conta mais sobre isso para nós!

Marina: Em Portugal, foi mais fácil, porque eles falavam a nossa língua entendiam o que estávamos dizendo. Lá tem muito brasileiro, e o povo já tem naturalmente esse gingado. Na Alemanha, por exemplo, o público era mais difícil. No início, eles estranharam um pouco, mas quando percebemos já estava todo mundo na cara do palco, tentando cantar junto. Foi muito bom ver esse movimento. É a prova de que a música é realmente uma forma de comunicação.

Ouça o novo disco de Caetano Veloso!