Fado Bicha leva temática LGBTQI+ ao clássico estilo português
Foto: João Neto / Divulgação

A Fado Bicha, dupla formada por Lila Fadista e João Caçador, dá uma nova interpretação pop e política ao lendário Fado português.

Ainda sem um registro lançado, o duo reinterpreta canções clássicas do estilo e explica que o LGBTQI+ nessa área não é novidade. “O fado sempre teve poetas, fadistas e músicos homossexuais, só que infelizmente nunca se puderam expressar ou escolheram não o fazer de forma explícita”, analisa João.

Seu lançamento mais recente é uma versão de “A Mulher do Fim do Mundo”, de Elza Soares. A faixa começa com “Banzo”, um texto sobre escravização e o sistema colonial português no Brasil. nesse contexto, eles apresentam uma narrativa conceitual sobre História, lugares de invisibilidade e opressão.

Com realização de Raquel Freire e direção de fotografia de Liliana Tábuas, o clipe é uma crítica sobre a forma como se continua a encarar o período colonial da história portuguesa.

A violência que o império infligiu nas comunidades ameríndias e africanas colonizadas e escravizadas tem relação com as desigualdades que se verificam até hoje. Cabe também aos artistas brancos portugueses estimular essa reparação histórica por meio da arte.

 
 
Compartilhar