Bandeira do Japão

A música japonesa é um espetáculo à parte e, muitas vezes, não temos acesso a essas bandas aqui. Até por conta da banalização dessa cultura – muitas vezes resumida a animesmangás cosplays – muita coisa passa batida e/ou é vista com olhos preconceituosos.

Claro que essas partes também são enormes e nos trouxeram, inclusive, bandas ótimas. Nomes como Asian Kung-Fu GenerationNightmare LiSA estão entre os que ganharam fama depois de fornecer suas músicas para alguns animes. Mas não é nem de longe só disso que vive a música de lá.

Nesta lista, vamos apresentar 10 bandas que você talvez não conheça, mas deveria. Excluímos, além daquelas que já se tornaram muito famosas pelas aberturas e encerramentos, algumas que já chegaram ao mainstream por aqui de outras formas. É o caso do X Japan, do BABYMETAL e da Utada Hikaru, por exemplo. Vem com a gente!

Mostramos alguns deles, inclusive, na playlist oficial do TMDQA!, então segue a gente por lá!

10. WEDNESDAY CAMPANELLA

Um dos grandes nomes do J-pop atualmente é o WEDNESDAY CAMPANELLA, um grupo musical liderado pela incrível KOM_I. O trio conta ainda com Kenmochi Hidefume como produtor e Dir.F. como diretor – mas os dois trabalham mais por baixo dos panos, ou seja, a imagem acaba sendo associada quase que puramente à vocalista.

Isso não parece ser nenhuma problema pra ela. Como vemos abaixo no clipe de “アラジン” (“Aladdin”), a cantora assume o lado performático e traduz isso muito bem para as apresentações ao vivo, que valem a procura.

O nome da canção, aliás, mostra a proposta lírica do projeto: são várias músicas que referenciam grandes ícones da história e da cultura, como Genghis Khan e Kamehameha. O segundo álbum de estúdio, inclusive, se chama SUPERMAN. Ela apareceu por aqui com o single “Out of My Head”, lançado juntamente com o CHVRCHES.

9. tricot

Um dos gêneros que mais rende boas bandas no Japão é o math rock. Dentre os ótimos nomes do estilo, o tricot é um dos que se destaca pelo trabalho rítmico impressionante e também por conseguir dar uma pegada pop às canções recheadas de técnica.

A vocalista e guitarrista Ikkyu é um dos grandes chamarizes da banda formada em 2010 por seu excelente e curioso estilo vocal, além de seu talento na guitarra. A baixista Hirohiro é outro destaque, com linhas interessantíssimas e Motifour complementa a formação como guitarrista.

Desde 2017, o tricot conta com Yuusuke Yoshida na bateria e ele rouba a cena no novo single “あふれる” (“Afureru”). A faixa é uma das melhores dentre os 3 álbuns do grupo e é o primeiro lançamento em uma grande gravadora.

8. Boris

Uma das bandas mais longevas e produtivas do Japão é o Boris. Desde 1992, o trio formado por Atsuo Mizuno (bateria), Takeshi Ohtani (guitarra/baixo) e Wata (guitarra/teclado) conta com vocais de todos os três integrantes e é uma das referências em música experimental pelo mundo todo.

A mistura de estilos como o shoegazedronedoomstoner post rock foi influenciada por bandas como Melvins e influenciou nomes como o Sunn O))), que chegou a lançar o disco Altar em parceria com os japoneses.

O maior sucesso da banda foi Pink, em 2005, que parece traduzir de uma forma um pouco mais palpável ao grande público a proposta do Boris. Abaixo, você pode ouvir a clássica “Farewell” – que passa longe de resumir os mais de 20 álbuns da carreira, incluindo o recém-lançado LφVE & EVφL.

7. te’

Infelizmente, muita gente ainda se incomoda com os vocais em japonês. É compreensível, no entanto, já que a diferença entre os idiomas é enorme; nesse caso, o te’ é uma das melhores indicações possíveis.

A banda instrumental de math rock oferece uma das sonoridades mais intensas do gênero e transmite suas mensagens muitas vezes através dos títulos das músicas, já que não possui letras. É o caso da excelente “音の中の『痙攣的』な美は、観念を超え肉体に訪れる野生の戦慄” (que traduz para algo como “A ‘convulsiva’ beleza no som é um selvagem e terrível calafrio que agarra o corpo e ultrapassa a percepção”), disponível abaixo.

Para quem gostar da banda e tiver dificuldade em encontrar o resto do material, aqui está o link para o perfil dos caras no Spotify.

6. DIR EN GREY

DIR EN GREY é uma das bandas mais peculiares do Japão. Os caras começaram a carreira abraçando o estilo visual kei, com fantasias e maquiagens elaboradas e clipes chocantes como o de “OBSCURE” (veja por sua conta e risco!).

Com o tempo, foram amolecendo um pouco e se tornaram mais acessíveis enquanto ainda se mantêm dentro do heavy metal. A ótima “THE FINAL”, que você pode ver abaixo, vem do incrível disco Withering to Death (2005) – o primeiro a ser lançado por este lado do mundo – e ainda tem alguns resquícios da fase visual kei.

O trabalho mais recente, The Insulated World (2018), mostra um estilo um pouco mais suave visualmente e mais pesado musicalmente.

5. PASSEPIED

Tem pop rock por aqui também! O PASSEPIED é um grupo popular do Japão formado em 2009 e que já conta com cinco álbuns de estúdio e um contrato com a Warner Music do país.. Entre estes está more humor, lançado agora em 2019.

Nos 10 anos de carreira, a banda ficou marcada pela voz característica de Natsuki Ogoda e pelo uso constante de elementos eletrônicos, principalmente pelo tecladista Haneda Narita e pelo guitarrista Katsuko Misawa. Abaixo você pode ouvir a ótima “裏の裏” (“Ura no Ura”) para sacar melhor a sonoridade!

4. Siam Shade

O rock “das antigas” no Japão tem representantes excelentes além do X Japan e um deles é, certamente, o Siam Shade. Por aqui, a banda acabou sendo praticamente resumida ao single “1/3の純情な感情” (“1/3 no Junjou na Kanjou”), que esteve na trilha do anime Samurai X, o que é uma baita injustiça à carreira que começou em 1991.

Com vários términos e reuniões desde 2002, o último disco de estúdio deles foi o Siam Shade VI em 2000. Infelizmente, com todos esses problemas, é bem difícil encontrar o material da banda online. Abaixo, no entanto, podemos ver o roqueiríssimo clipe de “Glacial Love”, um dos maiores sucessos do Siam Shade.

3. toe

Navegando entre o post e o math rock, o toe é uma banda interessante demais. Com muito uso de violões e teclados, a banda transita entre os dois gêneros com perfeição e já tem três discos de estúdio. O último, Hear You (2015), trouxe um estilo mais melódico que foi complementado com o ótimo EP Our Latest Number (2018).

Dispensando a intenção de replicar gravações, o toe é uma daquelas bandas que transborda energia em suas performances. Foi assim quando eles passaram pelo Brasil em 2018, com dois shows inesquecíveis em São Paulo. Se você não estava lá, pode conferir a seguir a incrível apresentação de “グッドバイ” (“Goodbye”) com participação de Toki Asako gravado no Shibuya O-EAST em 2010!

2. Gesu no Kiwami Otome

O Gesu no Kiwami Otome é uma banda formada em 2012 que se descreve como “hip hop/progressiva”, mas tem claras influências de indie pop indie rock, além do math rock.

Formada por Enon Kawatani (Indigo la End), o quarteto já tem quatro discos de estúdio. Todos os músicos são impressionantes, mas um destaque especial é a tecladista Chan Mari (Crimson) que dá o toque de diferenciação à banda.

O segundo trabalho, 両成敗 (Ryōseibai), é incrível e isso é evidenciado pelo single “私以外私じゃないの” (“Watashi Igai Watashi ja Nai no”), disponível abaixo.

1. L’Arc˜en˜Ciel

Transitando entre o pop e o rock, o L’Arc˜en˜Ciel é uma das mais icônicas bandas japonesas. Apesar de ter aparecido em animes como Samurai X Full Metal Alchemist, a carreira dos caras vai muito além. Por aí desde 1991, são 12 discos na trajetória e muitos hits.

A formação clássica da banda é liderada pelo inigualável baixista tetsuya, que ainda atua como segunda voz, e tem hyde nos vocais, ken na guitarra e yukihiro na bateria. Desde 2012, no entanto, o L’Arc˜en˜Ciel tem se reunido apenas para apresentações ocasionais.

Além de “The Fourth Avenue Cafe” e “READY STEADY GO”, usadas nos animes citados anteriormente, canções como “Caress of Venus” e “Blurry Eyes” também integram o repertório de sucessos do “Laruku”, como é apelidado pelos fãs. Abaixo, você pode ver uma apresentação ao vivo da incrível “Driver’s High” para ter uma dimensão do tamanho dos caras.

Vale lembrar ainda que os caras fizeram um projeto muito legal chamado P’unk˜en˜Ciel. Nele, os integrantes trocam de instrumentos – tetsuya vira o vocalista, hyde assume a guitarra, yukihiro o baixo e ken a bateria – e os caras fazem versões punk das próprias músicas. Você pode entender melhor ouvindo a versão de “HONEY” disponível abaixo e depois comparando com a original.

As músicas do P’unk˜en˜Ciel foram lançadas como lados B dos singles do Laruku desde 2004. Em 2012, no entanto, o disco P’unk Is Not Dead reuniu todo o material da “banda”.