The Network
 

Em 2003 o Green Day já tinha 17 anos de carreira e seis discos de estúdio, e parecia que estava mirando novos horizontes.

No ano seguinte, inclusive, lançaria aquela que é considerada a sua obra prima com American Idiot, mas antes disso um importante pedaço da sua discografia “não oficial” veio ao mundo e parece ter feito uma parte importante do processo todo.

Há 16 anos, um belo dia o site da gravadora Adeline Records, do vocalista Billie Joe Armstrong, amanheceu com um player que trazia uma música nova de uma certa banda chamada The Network.

A sonoridade de “Supermodel Robots”, primeira canção que veio ao mundo, era diferente do resto do elenco do selo, mas os vocais chamaram a atenção do mundo todo e aí começou o grande mistério.

The Network

A banda foi anunciada como um sexteto mascarado formado por integrantes cujos nomes eram todos apelidos e/ou piadinhas: Fink estava nos vocais e guitarra, Van Gough nos vocais e baixo, The Snoo na bateria, Z no teclado, Captain Underpants também nos teclados e Balducci nas guitarras.

Enquanto os três primeiros eram Billie Joe, Mike Dirnt e Tré Cool, Balducci é o bom e velho companheiro da banda, Jason White, espécie de “quarto membro”, Z seria o engenheiro de som Chris Dugan e Captain Underpants era Reto Peter, co-produtor do primeiro e único disco da banda que até tem uma música, “Reto”, em sua homenagem.

Na época, quando as pessoas começaram a perceber que os vocais principais do The Network se assemelhavam bastante com os de Billie Joe Armstrong, o Green Day passou a negar qualquer ligação e ainda xingar a banda, que disse “ter sido reunida por uma profecia”.

Começava a ficar claro que uma coisa era outra e que o Network era o Green Day, e a brincadeira foi sendo prolongada pelas duas bandas em uma era onde a Internet apenas engatinhava e as redes sociais basicamente não existiam, então os segredos eram mais bem guardados.

Money Money 2020 é o único disco lançado pelo grupo até hoje, tendo saído originalmente em 30 de Setembro de 2003 mas voltado às prateleiras em Novembro de 2004 pela gravadora que abriga o Green Day, a Reprise (subsidiária da Warner), com duas faixas adicionais, a cover de “Teenagers From Mars”, do Misfits (que apareceu na trilha de Tony Hawk’s American Wasteland), e “Hammer of the Gods”.

Nova Sonoridade do Green Day

Em Money Money 2020, a banda experimentou com elementos que colocaram o The Network no mundo da new wave, com inspirações de bandas como DEVO.

Anos depois o trio verde admitiu que era “A Rede” e já não havia como escapar: até uma caixa de singles do Green Day em vinil de 7 polegadas trouxe um disquinho do The Network junto. Outro projeto paralelo da banda, esse oficial, o Foxboro Hot Tubs também passou a incluir “Supermodel Robots” em alguns dos seus shows.

No experimento, o baixista Mike Dirnt tornou-se vocalista de algumas canções, a banda experimentou com elementos eletrônicos aliados aos orgânicos e parece ter criado uma baita válvula de escape antes do processo criativo que resultou em American Idiot.

Ao final, nunca mais houve uma reunião ou aparição do The Network, mas eles deixaram um disco, vários clipes e um DVD chamado Disease Is Punishment, com uma performance ao vivo e a apresentação da “Church Of Lushotology”, ou algo como “Igreja da Exuberância”, criada pela banda.

     
 
Compartilhar