Mark Hoppus com o Blink-182 em 2014
Foto de Mark Hoppus via Shutterstock
 

Às vezes a realidade — positiva ou negativa — bate na porta, e parece que nesta noite de sábado (14) o baixista do blink-182, Mark Hoppus, teve uma percepção bem legal.

Um dia depois do show em que a banda executou o clássico Enema of the State na íntegra em show especialíssimo no Riot Fest, em Chicago, o músico se mostrou grato pela vida que tem e fez um relato emocionante.

Em sua conta oficial no Instagram, Hoppus postou um texto que traduzimos para você a seguir; o original está disponível ao final da matéria.

O poder da música, e especialmente da música ao vivo. Esses shows. Os momentos que dividimos em uma casa de shows juntos. A banda e o público. Palavras que escrevemos em uma garagem ou no estúdio ou uma ideia rascunhada no meio da noite, ou escrita nas profundezas do auto-questionamento e desespero. O ato de cantar músicas e ter essas músicas cantadas de volta para nós. Uma experiência compartilhada entre todo mundo. É incrível ver vocês sorrindo e rindo. Várias vezes nessa turnê eu fiquei de olho durante ‘Adam’s Song’ e vi pessoas chorando e se abraçando com seus amigos ou parceiros. Talvez lembrando de um amigo ou ente querido perdido, ou de um tempo difícil na vida de alguém. Ter uma música que reúne estranhos para celebrar, para lamentar, para lembrar. É incrível e honroso e significa o mundo pra mim. Vocês todos significam o mundo pra mim. Obrigado.

O músico ainda disse na legenda que esses pensamentos eram algo que ele “vinha pensando desde sempre” mas precisou colocar em palavras agora.

Assim a gente chora, Mark! Obrigado você!

blink-182

Entrando na fase final de preparação para o lançamento de Nine, previsto para 20 de Setembro, o blink acabou de lançar mais um single. A ótima “I Really Wish I Hated You” já está disponível para streaming e se junta a “Blame It On My Youth”, “Generational Divide”, “Happy Days” e “Darkside”.

Atualmente, a banda está em turnê ao lado de Lil Wayne, e vem tocando o disco Enema of the State (1999) na íntegra.

 
 
Compartilhar