Foto: Reprodução/YouTube
 

Diretor de um dos programas de maior sucesso da antiga MTV Brasil e que entrou para a história da televisão brasileira, o Piores Clipes do Mundo, Chuck Hipolitho recentemente sentou para conversar com Ciro Hamen, do canal no YouTube O Brasil Que Deu Certo, e contou várias situações de bastidores e curiosidades da atração.

No papo ele fala sobre sua relação com o apresentador Marcos Mion, que terminou não muito bem, relembra as que considera as melhores histórias da época das gravações e conta o que tem feito da vida atualmente.

Além de fazer parte da banda Forgotten Boys, em que já foi vocalista, mas hoje atua como baterista, Chuck Hipolitho tem um estúdio onde produz trilhas e locuções para o mercado publicitário, faz parte de uma banda de baile que toca em casamentos, afinal ele “precisa ganhar dinheiro”, continua compondo, e ainda acumula a função de síndico do prédio em que mora, que tem como benefício não ter que pagar o boleto de condomínio.

No ano passado, ele deixou a Vespas Mandarinas, banda que junto com Thadeu Meneghini ajudou a fundar.

Chuck Hipolitho na MTV

Nascido em Pirassununga, no interior de São Paulo, Chuck Hipolitho conta que entrou na emissora por indicação de um amigo. No começo sua função era montar cenários, mas com o tempo ele foi sendo designado para ocupar outros cargos.

“Imagina como foi para um cara do interior que mudou para São Paulo trabalhar na MTV vendo os artistas, os VJs, conhecendo as pessoas que escreviam os programas e ver como eles eram feitos, e isso no final da década de 90. Eu peguei a nata. Foi bem doido”, descreve.

Dirigir o Piores Clipes do Mundo foi resultado de um manejamento de equipe. Antes apresentado por Marina Person e com outras pessoas por trás das câmeras, o programa foi entregue a ele e Marcos Mion, recém chegado no canal, sem grandes expectativas. Chuck conta, porém, que Mion chegou com “bastante fome” e viu a possibilidade de “tocar o rebu” tendo ele como diretor, que era bastante aberto ao caos e a doidera.

E aí, de um programa comum, “com um orçamento ridículo comparado ao VMB” e esquecido na grade da MTV, a produção cresceu e passou a ter audiência e se equiparar com os números de telespectadores da premiação anual, que era o maior produto comercial do canal e que gerava uma das maiores receitas.

Marcos Mion

Chuck Hipolitho define Mion como um cara com um ego enorme e hoje quase irreconhecível. O último encontro dos dois foi há seis anos, em Setembro de 2013, na festa de despedida que a antiga MTV transmitiu ao vivo antes de fechar as portas e voltar ao ar na TV paga sob nova direção.

“Ele ficou um cara diferente. Ele cresceu, ficou grandão, tem três filhos. Ele seguiu a vida dele. Mas ele era um cara muito talentoso e que sempre me tratou com carinho”, relembra, antes de contar a última (tentativa de) gravação dos dois juntos.

Segundo Chuck, Mion já tinha pedido dispensa da MTV porque tinha assinado contrato com a Band e já estava com a cabeça no novo projeto, então chegou com uma hora de atraso no estúdio, quando ele já tinha liberado toda a equipe do trabalho. “Não lembro de ter conversado com ele depois”, confessa.

Sugerido por Ciro Hamen como substituto natural do Faustão na TV, Chuck concorda: “ele adoraria!”.

As melhores histórias do Piores Clipes do Mundo

Dois acontecimentos marcaram Chuck Hipolitho durante as gravações do programa. O primeiro quando ele resolveu convidar os filhos de todos os funcionários da empresa para participar de um especial do Dia das Crianças. “Eu não tinha noção do que estava fazendo. O programa foi um caos e não teve como gravar. Tudo o que foi para o ar foi a tentativa de gravação. As crianças destruíram o figurino do Marcos, mexeram no estúdio e foi muito doido”.

O segundo quando ele tentou marcar uma gravação com o Thammy Miranda, filho da Gretchen, ainda antes da transição de gênero, quando ele tinha acabado de fazer um ensaio nu para uma revista. Tudo deu errado porque, chegando no local combinado e com tudo pronto para começar a rodar, ele descobriu que, na verdade, tinha marcado com a pessoa errada.

No vídeo ele fala ainda sobre a recepção dos artistas ao aparecer no programa, citando em específico os casos de Supla e Chico César, que repercutiram de formas diferentes, além de personagens clássicos que surgiram por lá, como Rodney Di e Toninho do Diabo, e revela, por fim, onde estão todos os arquivos da MTV hoje em dia.

Aliás, eles prometem uma invasão ao local para resgatar essas raridades da TV brasileira e nós nos colocamos à disposição para ajudar no que for preciso, ok? Me chama que eu vou!

Assista ao vídeo: