Poucos discos são como Definitely Maybe, aniversariante do dia. Explosivo e preciso.

Lançado em 29 de Agosto de 1994, 25 anos atrás, o álbum de estreia do Oasis, até então uma banda de Manchester desconhecida do grande público, é um ponto fixo na história da música britânica e carrega até hoje o simbolismo da rebeldia juvenil e as desilusões sociais da Inglaterra no início da década de 90.

Onde tudo começou

Era 1991, Paul “Bonehead” Arthurs, Paul “Guigsy” McGuigan e Tony McCarroll montaram uma banda chamada The Rain. Na época, Chris Hutton era o vocalista, mas sua performance não era lá das melhores e acabou em demissão. Bonehead, então, convidou Liam Gallagher para fazer um teste e gostou da sua capacidade vocal, lhe dando a oportunidade de ser vocalista. Mesmo sem experiência alguma com música e sem ter demonstrado muito interesse na área até então, Liam aceitou.

Assim que entrou na banda, o vocalista sugeriu que mudassem o nome para Oasis, inspirado num pôster da banda Inspiral Carpets que ficava no quarto que dividia com o irmão mais velho, Noel Gallagher. Ele trabalhava como roadie do grupo na época, e tinha certa experiência com música, escrevendo inúmeras composições e melodias, quase sempre guardadas sem ver a luz do dia.

A história de fato começa quando Noel se junto ao Oasis sob a condição de liderar a banda como o principal compositor e investir para profissionalizar o rolê e chegar ao sucesso comercial tão almejado por muitas bandas independentes. O guitarrista via também como uma oportunidade de dar vida às canções que tinha guardado por tanto tempo, e apostou no Oasis como uma maneira de mudar de vida.

O contexto da época em que a banda surgiu era de desesperança. A moral de muitos britânicos estava baixa devido ao colapso social ocorrido durante o mandato de Margaret Thatcher como Primeira-Ministra. O desmonte da indústria no norte da Inglaterra durante o Thatcherismo afetou cidades que viviam de trabalho fabril, como Manchester, e isso foi um dos motores para as desilusões que viriam a ilustrar diversas músicas do Oasis.

Letras como “Cigarettes & Alcohol” e “Bring It on Down” falavam diretamente com a juventude noventista, que se sentia deslocada e encontrava amparo no álcool e nas drogas. Embora escrito há quase 30 anos, o trecho Is it worth the aggravation to find yourself a job when there’s nothing worth working for?, de “Cigarettes & Alcohol”, ressoa as preocupações juvenis até hoje. Por que trabalhar se não existe algo que faça valer a pena todo o esforço?

Creation Records, produção e repercussão

A grande chance da banda veio em Maio de 1993, quando Alan McGee, fundador do selo independente Creation Records, viu uma apresentação do Oasis no King Tut’s, em Glasgow, na Escócia. Foi pura sorte, pois os caras não estavam escalados e entraram no line-up da noite na última hora. McGee ficou impressionado com a energia explosiva do grupo no palco e foi atrás de Noel, oferecendo um contrato. Ele aceitou na hora e o Oasis entrou para o elenco da Creation.

Com um contrato assinado, a banda começou a trabalhar na produção de Definitely Maybe no fim daquele ano. Dave Batchelor era o produtor responsável por tudo, mas nada que era gravado passava pela aprovação de Noel e companhia, que viam os dias no estúdio como perda de tempo e dinheiro. A parceria acabou sendo infrutífera e Batchelor foi dispensado. A Creation concordou que as gravações não tinham a mesma energia que chamou atenção de Alan McGee meses antes e faltava alguma coisa ali. As gravações teriam que ser refeitas, e o tempo já estava curto.

Em Janeiro de 1994, o Oasis voltou para regravar as faixas num estúdio na Cornualha, no sudoeste inglês. Dessa vez, Noel Gallagher assumiu a produção junto com Mark Coyle, e a banda decidiu gravar junta, ao vivo, para replicar o mesmo efeito e sonoridade dos shows. Noel teve a sacada de sobrepor as guitarras e fazer um emaranhado de sons. Era o que eles conseguiram fazer para salvar as gravações. O resultado, porém, também não foi satisfatório, mas a banda não tinha outra oportunidade de regravar as faixas mais uma vez.

Foi aí que entrou em cena o engenheiro de som Owen Morris. Ele ouviu as gravações da Cornualha e percebeu os erros. Morris, então, trabalhou na produção do disco no estúdio de Johnny Marr (The Smiths) em Manchester, e fez diversas modificações em cada track. Pode-se dizer que o engenheiro foi o responsável por moldar muitas das canções de Definitely Maybe. E foi em em Maio de 94 que ele entregou a mixagem final, aquela que seria lançada três meses depois.

Em Abril daquele ano, o Oasis fez sua estreia oficial com o single “Supersonic”. Depois de um ano intenso tocando em pequenos pubs com meia dúzia de demos, aqueles cinco caras de Manchester estavam na mídia nacional e alcançaram a 31ª posição nas paradas britânicas. O curioso é que a canção, hoje um dos maiores sucessos e uma das favoritas da banda, foi escrita por Noel no meio tempo em que o resto da banda saiu para comprar comida. Ele preferiu ficar no estúdio e trabalhar num riff, o que acabou resultando em “Supersonic”.

O segundo single, “Shakermaker”, saiu em Junho. A música, também escrita por Noel, traz diversas referências do cotidiano, comerciais de TV, programas infantis, uma música do The Jam e até uma loja de discos que o guitarrista frequentava na adolescência. O videoclipe foi gravado na casa que os Gallagher cresceram em Burnage, Manchester, o que faz sentido dentro do contexto da letra, que contempla o que cercava a banda na época.

O primeiro single a entrar no Top 10 britânico foi o terceiro lançado pelo Oasis. “Live Forever” foi uma composição feita por Noel em 1991, época em que trabalhava em uma construtora. Um acidente de trabalho o transferiu para outra posição, o que lhe permitiu mais tempo para trabalhar em novas músicas. E foi num desses momentos que, inspirado por “Shine a Light”, dos Rolling Stones, Noel compôs o primeiro verso da música. Em 1993, ele mostrou a letra completa para o restante da banda e “Live Forever” foi fundamental para que McGee fechasse o contrato com a Creation Records.

O selo, por outro lado, andava mal das pernas. Com dívidas milionárias, Tim Abbot, um dos chefes da Creation, tinha um orçamento pequeno para a divulgação de Definitely Maybe, que seria lançado em 29 de Agosto daquele ano. A solução foi anunciar em veículos nunca explorados pela Creation antes, como revistas esportivas, programação de partidas de futebol e revistas de dance music. Isso deu certo de alguma forma, garantindo para o disco mais de 86 mil cópias vendidas na primeira semana, e o primeiro lugar nas paradas dias após o lançamento.

As primeiras semanas de vendas deram a Definitely Maybe o título de álbum de estreia que vendeu mais rápido na história da música. Um feito e tanto para uma banda nova no cenário, dominado pelo Blur, uma banda que poderia ser considerada a antítese do Oasis — os sulistas universitários de classe média, o completo oposto da banda de Manchester, que vinha da classe trabalhadora do norte.

Definitely Maybe foi um marco para a música britânica e definiu um período na história, tanto por desafiar o conservadorismo inglês com a atitude rebelde e desbocada de seus membros, como por representar uma massa já sem muitas esperanças na realidade. Com letras que se relacionavam diretamente com a juventude e um som diferente de tudo que estava no mainstream na época, o disco catapultou o Oasis de Manchester para o mundo, e foi o primeiro capítulo numa história que ainda iria perdurar por muitos anos.

     
 
Compartilhar