Keila explora o tecnobrega paraense e ritmos do Brasil em “Malaka”; ouça
Foto: Júlia Rodrigues
 

Malaka, novo trabalho solo de Keila, combina o tecnobrega produzido no Pará com outros estilos de músicas das periferias de todo o país.

Com produção de Felipe Pomar e direção musical é da própria artista, o álbum traz o BPM alto comum nas canções dançantes da atualidade, empoderamento feminino, forró eletrônico, sons experimentais e até flertes com ritmos africanos.

A cantora explica que o nome do registro surge a partir da necessidade de mostrar atitude. “É gritar para ser ouvida em uma sociedade que insiste em calar. O estigma da periferia não é limitante. É motivante. Nossa cultura é rica e deve ser apresentada sem receio”, completa.

O projeto foi selecionado pelo Natura Musical por meio do edital 2019, com o apoio da Lei Semear (PA). “Acreditamos na força do Natura Musical para conectar pessoas, valorizar a criatividade brasileira e revelar a diversidade de cada região do país”, diz Fernanda Paiva, gerente de Marketing Institucional da Natura.

     
 
Compartilhar