Foto: Elisa Mendes
 

Da união romântica e musical de Tiago Tortora e Gabriel Alyrio, a Dulcineia Enferrujada já tem 12 anos de carreira mantendo uma postura reflexiva e ativista.

O mais novo lançamento da dupla, o single “Rainho do Mato” é uma busca por uma maior conexão com a natureza e o bem estar que esse encontro proporciona aos indivíduos. Ele também serve como prévia do seu próximo álbum, que tem previsão para o ano que vem.

O single é um lançamento do selo Cantores Del Mundo e teve a produção musical assinada por Guilherme Marques (Qinho, BEL, Biltre).

Confira “Rainha do Mato” no link abaixo:

Cabra Guaraná

Foto: Divulgação

De formação recente, em Agosto de 2017, o Cabra Guaraná é um projeto que traz uma mistura de funk, hip hop e pop psicodélico.

Sempre com muita irreverência, o Cabra lançou o primeiro álbum, Pochete&Juliet em 2018 e teve recentemente a faixa “TaguaYork” na playlist oficial do Spotify chamada TRAP OURO.

O mais novo lançamento do projeto se chama “É.I.Q.V.A.N.T.D.P” (É ironia querer viver um amor no tempo da putaria), e o resto vocês podem – imaginar e – conferir no link abaixo:

MAYA

Foto: Reprodução

Depois de seu EP Love, onde a cantora canta sobre suas paixões em um ritmo voltado ao R&B moderno, o novo lançamento de MAYA é mais politizado e sensível quanto às injustiças de nosso país.

“Made In Brazil” é um single que anuncia o futuro EP, Anger, que já mostra uma proximidade maior com trap e o hip hop.

A faixa tem tom raivoso e fala, entre outros temas, principalmente sobre racismo e genocídio negro e indígena.

Confira “Made In Brazil”:

Tuíra

Foto: Divulgação

Trazendo representatividade queer para a cena pop punk nacional, a Tuíra é uma banda que aposta no protagonismo das mulheres em suas diferentes formas, com composições que refletem ao mesmo tempo a espontaneidade do punk e a resiliência LGBTQI.

Anunciando o seu EP Calma e Força, que tem previsão para o segundo semestre de 2019, a Tuíra acaba de lançar o single “Crimeia”.

Inspirada em Crimeia de Almeida, militante política presa e torturada pela ditadura militar brasileira, a faixa contém fala urgente e se impõe como um desabafo, questionando julgamentos e lutando pela sobrevivência de seus corpos.

Ouça “Crimeia” no link abaixo: