Iron Maiden no Rio de Janeiro, 2009
Foto do Iron Maiden via Shutterstock
 

Bruce Dickinson, vocalista, empresário, piloto e dono de mais algumas facetas, continua a mil com todas as atividades que o cercam, incluindo as turnês do Iron Maiden e as divulgações da sua autobiografia, com tempo ainda para eventos como a Campus Party em Brasília, no mês passado, onde anunciou uma edição especial da cerveja Trooper, para os fãs brasileiros.

Com o Maiden, Bruce passará pelo Brasil em outubro, no Rock in Rio, além de shows em São Paulo e Porto Alegre.

Com uma discografia paralela super respeitada, onde se aventurou por algumas sonoridades diferentes de sua banda principal, mas sem perder a sua identidade, emplacou vários clássicos.

Como forma de celebrar seu aniversário de 61 anos de idade, hoje dia 07 de Agosto de 2019, iremos relembrar alguns deles através de 5 clipes.

O último disco lançado em carreira solo foi Tyranny Of Souls, de 2005.

1 – “Tattooed Millionaire” (1990)

Na companhia de Janick Gers, que na época se tornou guitarrista do Iron Maiden, e gravado quando Bruce ainda estava na banda, o primeiro disco solo Tattooed Millionare conseguiu alcançar um bom resultado com os seus singles entrando nas paradas britânicas.

A curiosidade é que Bruce escreveu a faixa “Bring Your Daughter… To The Slaughter” para o filme A Nightmare On Elm Street 5: The Dream Child e dessa forma começou a amadurecer a ideia de ter um projeto solo.

A música acabou entrando no disco No Prayer For The Dying, do Iron Maiden e aparece como bônus na versão deluxe do disco solo.

2 – “Tears Of The Dragon” (1994)

Lançado quando Bruce já tinha deixado o Iron Maiden, o segundo disco Balls To Picasso traz um dos grandes sucessos da carreira, a faixa “Tears Of The Dragon”.

Marca também a primeira colaboração entre Bruce e o produtor e guitarrista Roy Z, companheiro fiel e um dos grandes colaboradores nos próximos lançamentos da discografia.

3 – “Back From The Edge” (1996)

Com letras que abordam o mundo da tecnologia, Bruce lançou Skunkworks, seu terceiro disco solo.

Com uma pegada que beirava o alternativo, muito influenciado com o que estava no auge na época, o disco com suas inovações sonoras e letras que abordavam o mundo da tecnologia, agradou os fãs em faixas como “Back From The Edge”.

A gravadora não aceitou que Bruce batizasse o projeto apenas com o nome Skunkworks, como se fosse uma nova banda e a formação que gravou o material se dissolveu em pouco tempo.

4 – “Man Of Sorrows” (1997)

A balada “Man Of Sorrows”, pesada e com clima sombrio, faz parte de Accident Of Birth, sem dúvidas um dos pontos altos da discografia solo.

Pesado e com faixas de refrães marcantes, o disco afirmou de vez a parceria entre Bruce e Roy Z, além de trazer Adrian Smith nas guitarras. Bruce e Adrian retornariam juntos ao Iron Maiden em 1999.

Um disco clássico do começo ao fim, trouxe uma forte identidade sonora em faixas como “Freak”, “Starchildren”, “Taking The Queen”, “The Magician” e a espetacular “Road To Hell”.

5 – “The Tower” (1998)

Um ano depois Bruce lança The Chemical Wedding, que divide opiniões de muitos na disputa pelo lugar de melhor disco com The Accident Of Birth.

O disco tem sonoridade pesada e o trio Bruce, Roy Z e Adrian Smith acertou em cheio nas composições que trazem letras que abordam temas históricos, religiosos e esotéricos.

Faixas como “Chemical Wedding”, “Book Of Thel”, “Jerusalem” e “Trumpets Of Jericho” se juntam a “The Tower” em mais um disco obrigatório de Bruce Dickinson.

     
 
Compartilhar