Ouça o novo single da Majur!

Foto: Reprodução / Twitter

Há pouco mais de 20 anos, em 20 de Abril de 1999, dois adolescentes norte-americanos mataram 12 estudantes e um professor na Columbine High School, em Columbine, no Colorado.

Armados até os dentes, Eric Harris e Dylan Klebold ainda plantaram bombas que poderiam matar várias outras pessoas, mas elas não detonaram e mesmo que a tragédia tenha sido menor, entrou para a história como o principal massacre a tiros da história dos EUA até então.

De lá pra cá, infelizmente, vários outros eventos similares aconteceram nos Estados Unidos e até aqui no Brasil, como o ataque a uma escola de Suzano (SP) em Março, e pouca coisa ou quase nada foi feita para que as mortes por armas diminuam entre os jovens.

Ataque a Tiros e o Rock And Roll

Vale lembrar que em 1999 a mídia fez questão de achar um culpado por “influenciar” os autores dos crimes e logo o fizeram com games violentos e o Rock And Roll.

Mais precisamente, boa parte dos veículos pareceu “ignorar” o fato de que os Estados Unidos evocam a cultura das armas de forma feroz e elegeu Marilyn Manson como alvo, soltando informações equivocadas de que os assassinos não apenas seriam fãs como estariam usando camisetas do músico na hora do massacre.

Mesmo com a polícia desmentindo o fato, matérias sensacionalistas continuaram sendo publicadas aos montes com títulos como “Assassinos Idolatravam o Maluco do Rock Manson” ou “O Maníaco Adorador do Diabo Falou Para os Jovens Matarem”.

Ataque em Dayton, Ohio, 2019

Vinte anos depois, cá estamos novamente falando sobre um ataque terrível, o segundo em dois dias envolvendo armas de fogo nos Estados Unidos.

O primeiro aconteceu em El Paso, no Texas, e o segundo na cidade de Dayton, Ohio, e nessa o atirador matou nove pessoas, incluindo a sua irmã, feriu outras 26 e foi morto pela polícia.

No momento do crime ele estaria usando uma blusa da banda de metalcore The Acacia Strain com uma frase nas costas que dizia “No heart to fear, no soul to steal.” (“Sem coração para ter medo, sem alma para roubar”).

Isso foi o suficiente para que Jim Heath, jornalista de Columbus, Ohio que já ganhou inclusive o Emmy, falasse sobre “raiva” e “vingança” na música da banda:

O suspeito no tiroteio de Dayton estava usando shorts com um moletom preto que dizia: ‘Sem coração para ter medo, sem alma para roubar.’

Acredita-se que o slogan seja de uma odiosa e vingativa música chamada ‘Ramirez’ do The Acacia Strain, uma banda de metalcore.

A letra, mais precisamente, diz o seguinte:

Eu gostaria de dizer para ela que senti no meu coração
Mas não tenho coração para sentir
Eu quero falar para eles que eu sei quem roubou a minha alma
Mas eu não tenho alma para roubar
Eu acredito que o Inferno é real
O Inferno são as outras pessoas
Eu sou um edifício em chamas
Você não pode me salvar

A boa notícia é que dessa vez parece que as pessoas não estão comprando a conexão imbecil que Heath tentou fazer e a maioria das respostas ao tweet do cara diz que uma coisa não tem nada a ver com a outra e que o que mais incita a violência é a cultura de valorizar as armas e o discurso de ódio de Donald Trump:

Milhões de Americanos não rezam, jogam video games e ouvem Heavy Metal. Todos os dias. Eles não saem por aí matando as pessoas. Aqueles que matam são os que estão ouvindo o discurso de ódio de Trump.

Vá se foder Jim. Eu ouço Heavy Metal / Metalcore e nunca tive a vontade de sair atirando em um shopping center. A música é um caminho para mostrar emoção e expressar criatividade. Você é um imbecil.

Mais notícias urgentes… muitas pessoas ouvem Heavy Metal, incluindo eu e o meu filho de 10 anos, e não têm o desejo de assassinar outras. Então foda-se Jim.

Resposta da Banda

Vincent Bennett, vocalista do The Acacia Strain, pareceu estar realmente chateado com o fato e falou bastante a respeito em sua conta no Twitter.

Por lá ele disse que as mensagens da banda são sempre positivas e que a banda passou todas as suas últimas turnês mostrando mensagens de que é sempre necessário ir atrás do diálogo e de ações positivas ao invés da violência.

Ele também publicou fotos de jovens com sorrisos largos em seus shows e disse que o grupo irá fazer tudo que puder para ajudar as vítimas. Com ironia, postou várias imagens onde aparece com filhotes de cachorro, vestido com fantasias e sempre inspirando a felicidade.

Quem também falou a respeito foi Corey Taylor, vocalista do Slipknot, que respondeu ao jornalista:

Não. Você não tem a porra do direito de fazer isso. Isso não tem nada a ver com a merda de uma camiseta. E a Acacia Strain não é uma banda odiosa ou vingativa. Culpe o ASSASSINO; não a porra do VESTUÁRIO. Seu Monstro.

 

     
 
Compartilhar