Axl Rose e Ozzy Osbourne
Fotos: Wikimedia Commons
 
Ouça o novo single da Majur!

Enquanto Ozzy Osbourne estava gravando o seu aclamado disco Ozzmosis, lançado em 1995, o então guitarrista de sua banda Zakk Wylde recebeu um convite inusitado.

Em entrevista recente para o Musicians Institute, o músico contou a história de como quase acabou fazendo parte do Guns N’ Roses e teve sua posição na banda de Ozzy ameaçada pelo próprio vocalista. Confira abaixo um trecho traduzido da conversa.

Como surgiu o Black Label Society?

“Os caras estavam conversando um dia, e Axl [Rose] estava me contando – eu não tinha conhecido o Axl ainda – e o Axl estava falando, ele o Slash estavam conversando, tipo, ‘Quem mais você quer colocar na guitarra?’. E eu acho que surgiu o meu nome. ‘Por que a gente não pergunta ao Zakk o que tá rolando?’, e o Axl ficou, tipo, ‘Beleza. Vou ligar pra ele.’. Então o Axl acabou conseguindo meu número e ele me ligou: ‘E aí, Zakk, cara. É o Axl. Eu estava pensando se você queria se juntar e fazer uma jam com os caras.’ e eu disse, ‘Claro. Sem problema.’.

Então acabamos fazendo essa jam. A gente estava gravando o Ozzmosis [disco do Ozzy Osbourne lançado em 1995] na época. E nós estávamos tocando de vez em quando. Estávamos gravando o disco, fazendo o Ozzmosis, nos divertindo fazendo isso, e aí no meio tempo, quando eu voltava pra L.A., eu acabava encontrando com os caras e a gente ia ensaiar. Então eram só ideias flutuando por ali. Mas nada estava acontecendo ali com os caras do Guns [N’ Roses]. E aí o Ozz falou, ‘Zakk, olha, a gente vai se preparar para entrar em turnê. Você vai tocar…?’

Ozz ficou, tipo, ‘Você pode fazer os dois, mas, Zakk, eu preciso de uma resposta, se você vai ficar tocando com eles e comigo. Esse barco zarpa segunda ao meio dia. Você vai estar pronto pra ir ou não?’ Eu não conseguia uma resposta dos caras, e tudo estava jogado no ar, e o Ozz estava, tipo, ‘Eu preciso arrumar outra pessoa aqui, cara.’. E aí foi isso. Então eu fiquei ali sentado, tipo, ‘O que eu vou fazer? Eu tenho um monte de riffs aqui. Não estou tocando com o Ozz agora. Não vou fazer a coisa com o GN’R. Foda-se.’ E aí surgiu o Black Label Society. Então, foi assim basicamente que o Black Label Society nasceu. Eu estava, tipo, ‘O que eu vou fazer?’ Porque eu tinha feito o Book of Shadows [primeiro disco solo de Zakk], e eu estava, tipo, ‘Eu não estou pronto pra ser um cantor-compositor, tipo James Taylor. Não estou pronto pra isso ainda, por mais que eu ame fazê-lo.’ Eu estava só, tipo, ‘Eu ainda quero fazer riffs e eu ainda quero fazer coisas pesadas, misturadas com as coisas mais calmas também, obviamente.'”

Como conheceu os caras do Guns N’ Roses?

“Eu já conhecia os caras, por alto, há anos quando eu vim pela primeira vez aqui [Califórnia] e comecei a tocar com o Chefe [Ozzy Osbourne]. Aí eu conheci o Slash e o Duff [McKagan] e ficamos amigos e tudo mais, e foi quando o Guns N’ Roses estava começando a despontar. Então eu conhecia os caras e, obviamente, quando eu encontrava com eles de vez em quando, quando estávamos todos bebendo, é sempre bom colocar o papo em dia e tudo mais. E eu conhecia o Steven [Adler]. Aí, depois disso, eu conheci o Matt [Sorum]; ele estava tocando com o The Cult. É um grupo pequeno de pessoas que você acaba encontrando direto e você só vira amigo e coisas do tipo.”

Zakk Wylde

Além de estar tocando novamente com a banda de Ozzy Osbourne, que remarcou seus shows desse ano para 2020 depois de um acidente feio ao tropeçar em um sapato, o guitarrista anunciou um projeto… diferente.

Zakk se reuniu com o baixista Blasko (Rob Zombie, Ozzy Osbourne) e o baterista Joey Castillo (Queens of the Stone Age) para formar o Zakk Sabbath; a ideia do trio é regravar o disco de estreia do Black Sabbath, e o lançamento já tem data marcada para 13 de Fevereiro de 2020.