Foto: Jow Head
Foto: Jow Head
 

É sabido que vivemos tempos difíceis no cenário político e social brasileiro. Que o diga o vocalista do quarteto paulistano de hardcore Escombro, Jota.

No dia 8 de Junho, a banda se apresentava dentro da programação do União Underground Fest, em Brasília, quando o cantor foi arbitrariamente detido e conduzido até uma delegacia da polícia militar na cidade. O grupo executava a música “S.O.P. (Sistema Operacional Padrão)” e de repente dois policiais apareceram para levar Jota.

Tudo aconteceu depois que o vocalista bradou contra a instituição policial, que, claramente, parece não lidar muito bem com críticas. A faixa está presente no álbum de estreia Maldita Herança, de 2017, com a participação do chef e músico Henrique Fogaça.

“Ficou mais pesado pela raiva que passamos ali no ocorrido A letra não é direcionada à PM, é também para outros agentes da sociedade. Alguns se sentem agora mais protegidos e respaldados por políticos no poder com discurso de ódio, e estão saindo do armário. A música é uma crítica a todas estas pessoas racistas, preconceituosas, que querem a volta da censura e da opressão a artistas, negros, pobres”, desabafa Jota.

Episódio gerou força criativa

Como uma resposta, a Escombro acaba de lançar um novo single chamado “O Peso de Sobreviver”. A faixa foi disponibilizada nas principais plataformas de streaming e deixa claro que a banda não vai se calar diante de qualquer repressão.

Não vamos nos acovardar. Episódios como esse só fomentam nosso inconformismo, alimentam a revolta, nossa e de muita gente, seja no hardcore ou em outros movimentos. Vamos sempre questionar e bater de frente.

 

       
 
Compartilhar