Pretty Vicious
Foto: Divulgação
 

Por Ricardo Sturk e Roberta Lopes

Bandas de rock. Como elas surgem? Onde vivem? Nos resta só ficar órfãos das bandas clássicas?

Para responder essas e outras questões existenciais para amantes da música fomos até a Inglaterra descobrir se o rock ainda está vivo, principalmente longe dos holofotes dos famosos e da finada MTV.

A terra de Beatles, Rolling Stones e Led Zeppelin sempre foi referência para o rock’n roll. Como pode surgir tantas bandas boas em um mesmo país? Talvez seja o resultado de décadas de cultura musical somadas a um público sedento por bandas que não deixem a cena morrer e um toque de introspecção que paira no ar cinzento daquele país.

Nossas descobertas começaram no meio da anarquia da internet quando nos deparamos com um festival que parecia incrível demais para ser verdade: Camden Rocks Festival.

No bairro londrino que ficou conhecido por Amy Winehouse, 400 bandas tocariam em 20 palcos entre pubs e casas de show. Sem grandes estádios, sem transmissão pela TV e sem o glamour dos famosos. Apenas veríamos bandas de rock, na maioria independentes, na forma mais crua e sincera possível: nos pequenos palcos onde grandes nomes da música também começaram. Decidimos rápido, compramos os ingressos antes mesmo de comprar as passagens para Londres e, apesar da expectativa ser alta, quando chegamos lá ainda tivemos boas surpresas.

Em 2019 foi a sexta edição do evento, pela primeira vez com dois dias de shows. E, mesmo dobrando a quantidade de bandas, manteve o profissionalismo em alta.
Músicos pra lá de competentes, estrutura impecável, organização e uma vibe musical que nunca tínhamos visto.

As pessoas estavam lá pra realmente ver os shows, era difícil ver alguém conversando ou se preocupando mais em fazer fotos e vídeos. A entrega das bandas não nos dava outra escolha também, era uma onda musical envolvendo todos.

Uma das grandes vantagens para nós, roqueiros tupiniquins, foi a de ver em locais intimistas bandas que provavelmente só teríamos a chance de ver em grandes festivais aqui no Brasil.

Para não dizer que tudo é perfeito, tivemos uma grande dificuldade: escolher quais bandas ver entre tantas opções. Porém, mesmo quando escolhemos na sorte, descobrimos uma série de músicos que vão ficar um bom tempo em nossas playlists.

Você também quer descobrir estas bandas novas? Separamos algumas que mais curtimos ao descobrir a cena musical mais rock’n roll do planeta. Confira!

A nova geração

Os mais velhos sempre dizem “essa geração nova não está com nada”. E os novinhos retrucam com uma porrada no ouvido de todo mundo. Eles não estão para brincadeira!

Para quem curte: Artic Monkeys, Dirty Pretty Things e aquele rock britânico acelerado e cheio de energia.

Pretty Vicious

Pet Needs

 

Quando o folk encontra o punk

Aquela união que dá vontade de beber e dançar até cair, sem medo de ser feliz e sem se preocupar com o amanhã.

Para quem curte Flogging Molly, Dropkick Murphy’s e uma dose pornográfica de álcool.

Mick O’Toole

 

Man The Lifeboats

 

Skinny Lister

 

E os punks?

Eles continuam fazendo barulho, reunindo a galera de moicano e coturno e, claro, se divertindo muito!

Para quem curte Toy Dolls, The Adicts e muito bate cabeça.

Riskee and the Ridicule

Ska Pesado

É como se você fizesse uma aposta com aquele amigo headbanger dizendo que ele não conseguiria formar uma banda de ska. Aí você se depara com uma banda dessas!

Para quem curte Capdown, The Clash e bandas com naipe de metais.

Random Hand

Influência dos anos 80

Coloque sua introspecção para dançar da maneira mais esquisita possível, com músicas cheias de efeitos e batidas.

Para quem curte Echo & The Bunnymen, The Cure e aquelas saudosas baladas oitentistas.

Faers

 

Pop

Apesar de focarmos na cena de rock inglês, vale a pena mencionar que artistas de outros gêneros também se destacam em alguns palcos. Nesse caso, o talento dessa menina é de emocionar até os roqueiros mais durões, principalmente quando se entrega apenas a voz e violão.

Para quem curte KT Tunstall, Birdy e vozes suaves que te relaxam até nos dias mais turbulentos.

Lots Holloway

Rock like a girl

É fato: vimos muitas bandas com garotas. Elas tocam guitarra, baixo, bateria, cantam e estão arrebentando! Se estamos em uma época que tanto se fala do empoderamento feminino, o palco é o lugar perfeito para elas.

Para quem curte Blood Red Shoes, PJ Harvey e garotas com muita atitude.

Rews

 

The Pearl Harts

 

Adorados pelos londrinos

Toda cena possui suas lendas. São aqueles medalhões que fizeram história em algum momento e continuam atuantes fazendo shows locais. Conheça duas figuras amadas na cena musical de Londres.

Para quem curte The Libertines, Million Dead, ou simplesmente quer conhecer dois ícones do rock inglês.

Carl Barât

 

Frank Turner

Os estrangeiros

Apesar de poucos, o Camden Rocks também convida alguns músicos de outros países para participar da festa. Nesta edição tivemos uma banda que já é um pouco mais conhecida, mas que também entrou na dança e tocou em um palco pequeno de Londres.

Para quem quer descobrir alguma banda que não é britânica, mas que também vale a pena conhecer, com aquela dose de girl power da vocalista.

The Last Internationale

Os próximos famosos?

Algumas bandas deixam uma sensação de que serão grandes, muito grandes. Seja pelas músicas ousadas, pela presença de palco hipnotizante ou pela sintonia perfeita com o público. Podemos até estar errados, mas pela vibe que sentimos ao vivo, essas seriam as nossas apostas de quem serão os próximos grandes nomes do rock mundial.

A primeira banda é um Foo Fighters menos feliz e com toques de angústia nas letras e nos gritos, já a segunda é como se a Adele tivesse resolvido ser uma garota rebelde mas com a mesma potência na voz. Sem mais, apenas aperte o play. ;)

The Virginmarys

Bang Bang Romeo