Hamilton de Holanda
Foto: Dani Gurgel
 

Um dos artistas mais prolíficos da música brasileira recente, Hamilton de Holanda é um curioso. Muito mais que um estudioso do seu bandolim, ele mergulha fundo em obras de artistas e shows em formato baile, trio ou quinteto. Atração do Rio Montreux Jazz Festival, ele dividirá palco com o lendário Paulinho da Costa.

Antecipando a apresentação, trocamos uma ideia por telefone com o simpático artista. Confira abaixo, logo após o último lançamento do artista.

TMDQA!: Aqui do site a gente falou com você na época do Bossa Negra e no comecinho do ano passado, antes da série do Jacob. E Deus do Céu, quanta coisa você tem feito! O que te motiva a te manter nesse nível de produção?

Hamilton de Holanda: Cara, a motivação da vida é sempre produzir algo legal. É poder compor, homenagear os músicos que me influenciaram e inspiram, buscar novas parcerias e composições. Eu sinto que todo dia é um recomeço, assim como todo dia o Sol nasce e se põe, comigo é assim também, todo dia pensando em algo novo.

TMDQA!: Muitas vezes eu sinto na sua obra um clima meio nerd, de estudo, sabe? Parece que quando você vai trabalhar na obra de um artista, você mergulha fundo. O quanto o estudo faz parte do seu processo criativo?

Hamilton de Holanda: Faz muito parte desde que eu comecei a tocar. A minha jornada na música começou em casa, com meu pai e meu irmão. Quando meu pai viu o nosso interesse, nos colocou na escola de música. E sempre foi assim desde novo. Eu ia nos fins de semana às rodas de choro, mas estudava diariamente violino, violão outros instrumentos. Sempre tive esses dois lados e acho que a função da música é agregar os dois.

TMDQA!: Como você mantém essa rotina de estudos com shows e gravações?

Hamilton de Holanda: Tocar já é um estudo por si só, sabe? Tudo para mim é uma descoberta. Aprender algo novo todo dia, compor algo novo todo dia virou algo natural, sabe? Consigo encaixar meus estudos entre cuidar dos meus filhos e da minha casa, por exemplo. Estou sempre com o bandolim na mão, inclusive nos momentos de descanso, em hotéis durante as viagens.

TMDQA!: Falando sobre shows, você vai se apresentar no Rio Montreux. Você se apresentou lá na Suíça, certo?

Hamilton de Holanda: Sim, toquei!

TMDQA!: Você acha que esse tipo de evento pode abrir novas portas aqui no Rio?

Hamilton de Holanda: Acho que esse evento tem tudo a ver com o Rio, que é uma cidade acolhedora, capital do mundo. É um evento que tanto premia a cidade quanto a cidade abraça e premia o evento. O Rio tem essa relação forte com a natureza, como Montreux, e é aberta a todos os gêneros e misturas. É um guarda-chuva enorme de possibilidades.

TMDQA!: E você vai se apresentar ao lado do Paulinho da Costa, que é uma verdadeira lenda. O que podemos esperar desse show?

Hamilton de Holanda: Ele é uma lenda mesmo! Teremos surpresas, emoção e uma noite inesquecível. Ele está super empolgado e me ligou uns dias atrás para debatermos o repertório. Vamos fazer algumas do meu novo disco e materiais da discografia dele.

Rio Montreux

Você pode encontrar mais informações sobre a primeira edição do festival Rio Montreux por aqui.