Banda independente
(foto: Matheus Ferrero em Unsplash.com)
 
Ouça o novo single da Majur!

Viver de música sempre será o sonho de milhares de jovens mundo afora. E, num momento em que o rock nacional está cada vez mais forte, há diversas bandas novas surgindo pelos cinco estados do Brasil.

Mas no século XXI, formar uma banda é como começar um negócio. Os integrantes precisam estar atentos a táticas online e offline para se auto promoverem, além de questões do dia-a-dia para manter uma programação rentável e interessante de lançamentos, divulgações e apresentações. Afinal, não existem mais “olheiros” e produtores que vão magicamente levar o seu grupo para o mainstream.

A boa notícia é que o músico independente não precisa fazer tudo isso sozinho! No mercado da música há um profissional para necessidade, e basta organizar o orçamento para atacar em todas as frentes.

Esse foi o tema de um episódio do podcast Tenho Mais Discos Que Amigos, que convocou especialistas em todas essas áreas para reunir dicas para você, artista independente. Ouça o programa no final deste texto, ou siga-nos em plataformas como Spotify, Deezer, Instagram ou Facebook. Abaixo, reunimos os 14 principais toques dados no programa!

1. Identifique seus pontos fortes…

O produto que você oferece deve determinar a sua estratégia de produção. Se a sua banda investe em um som experimental e rico em instrumentos, por exemplo, vale a pena ir atrás de uma masterização perfeita, em estúdio de qualidade. Agora, se o visual e a estética do grupo chamam mais a atenção, talvez vocês devam investir em um videoclipe marcante ou figurino para os shows. É mais fácil que as pessoas se interessem por um fato marcante, e depois de virarem fãs, procurem conhecer o “universo” da banda mais a fundo.

2. …Mas não esqueça do resto

Reunir uma grana para botar o seu material no ar não é nada fácil, por isso pense bem antes de gastar o orçamento e faça as divisões corretas. De que adianta gravar um disco impecável se não vai sobrar dinheiro para investir na divulgação? Ou prensar milhares de CDs e não ter condições de sair em turnê para apresentá-lo? Comprar espaços publicitários em veículos que têm bom alcance ou impulsionar seus posts em redes sociais também são boas estratégias.

3. Entenda seu momento e suas ambições

Bandas em momentos diferentes têm necessidades diferentes. Antes de “largar tudo” pra viver de música, meça suas ambições e seu nível de comprometimento. Se o grupo é recém-formado, deve investir primeiro em conquistar uma base de fãs dentro de sua própria comunidade. Se já tem um tempo de carreira, pode pensar em entrevistas na mídia ou ações em parceria com marcas. Reúna-se com o grupo e levante questões como: quantas horas por semana vocês podem dedicar à promoção da banda, além dos ensaios? O quanto vocês estão apostando nesse disco para o futuro das suas carreiras?

4. Aposte no “midstream”

Ok, o sonho da maioria das bandas é aparecer na televisão, tocar nas rádios e ter destaque no Spotify. Mas e se a gente te disser que o “midstream” brasileiro está mais forte do que nunca? O que não faltam por aí são circuitos e festivais de bandas independentes, que atraem muito público e se mostram um negócio rentável. Invista em nichos e ações voltadas para determinadas faixas etárias. Faça parcerias com artistas do mesmo patamar, principalmente se for de outro estilo musical. É possível viver fazendo o que gosta, mesmo que não envolva o glamour das bandas de outrora.

5. Capriche na identidade visual

No episódio #30 do podcast TMDQA, recebemos como convidado André Felipe de Medeiros, diretor do Música Pavê, portal voltado à parte visual e estética da música, que analisa videoclipes, cenários e ações artísticas criadas pelas bandas. Além de veículos como esse, o músico precisa se preocupar com os fotógrafos que atuam nos shows. Pense bem na disposição de palco, saiba se posicionar e se comunicar visualmente durante sua apresentação. Lembre-se que a imagem captada por esse profissional pode causar uma série de emoções e reações do público.

6. Analise seu público online…

Ter presença na internet, hoje em dia, é apenas uma obrigação. A competição no mundo online se tornou gigante, por isso, use seu site e redes sociais de forma inteligente: crie campanhas, hashtags, responda a mensagens de fãs, publique vídeos de bastidores e, principalmente, analise o público-alvo. Todas essas plataformas oferecem dados e estatísticas que podem ajudar a moldar futuras ações, como perfil social dos seguidores, posts que geram maior engajamento e melhores horários de publicação.

7. …Mas aposte no offline

O caso recente da “banda-fake-news” Threatin nos mostrou que um grande número de seguidores não significa realmente uma grande base de fãs. Antes de investir no online, busque criar laços e parcerias com a sua comunidade, sua cidade ou sua cena musical. Tente criar ações e experiências diferentes para os fãs, devolvendo algum benefício pra ele. Faça shows marcantes em espaços públicos. Frequente feiras e conferências musicais, faça o famoso “networking” e ouça palestras de especialistas na área, que podem acabar solucionando as dúvidas que sua banda tem.

8. Conheça os veículos da área

Cada jornal, revista, emissora ou portal tem a sua linha editorial, ou seja, a forma como os temas de interesse daquele veículo serão abordados pelos jornalistas. O Música Pavê, citado no item 5, é um exemplo. Nós, do Tenho Mais Discos Que Amigos, com 10 anos no ar, falamos sobre música e cinema de forma geral, mas com destaque especial para bandas e lançamentos nacionais. Antes de indicar a sua música a um editor, pesquise se o gênero que você toca é comumente divulgado naquele jornal. Procure sites e fóruns que sejam especializados no seu “nicho” musical, assim você irá atingir o público certo.

9. Envie um material completo

Algumas informações são básicas para que o repórter possa conhecer, avaliar e escrever sobre sua banda – um release (texto jornalístico que resuma a trajetória da banda, ideia por trás daquele lançamento e dados sobre o material e os integrantes), fotos em alta resolução e links para ouvir seu trabalho. E o mais importante: tenha certeza das informações contidas no material. Pega mal ficar pedindo correções em textos ou fichas técnicas depois que a reportagem já foi publicada. Além disso, tente não anexar grandes arquivos no e-mail: prefira hospedá-los em algum serviço e mandar os links para o alvo, assim não irá pesar a caixa de entrada de ninguém.

10. Seja direto

Envie de uma vez todo o material citado no item 9. Não há necessidade de fazer um contato prévio, pedindo autorização para mandar. Busque os contatos oficiais indicados pelo veículo, normalmente um e-mail ou formulário online, e jamais envie por redes sociais ou números pessoais. Lembre-se que o jornalista não é inacessível e não precisa “manter distância” dos artistas. Se nos encontrar nos eventos por aí, pode (deve) vir bater um papo!

11. Cuidado ao personalizar e-mails

Mesmo que você envie seu material para vários veículos ao mesmo tempo, em um “pacotão”, é importante ter o mínimo de pessoalidade em cada e-mail. Cuidado para que os cabeçalhos personalizados contenham corretamente o nome do jornalista e do portal. Não minta sobre entrevistas exclusivas. Se quiser oferecer um porta-voz, das duas uma: ou dê a possibilidade a todos os veículos igualmente, ou a apenas um deles, que seu grupo acredita que dará o maior retorno.

12. Pense bem no “timing”

Uma das maiores chances da sua banda ser divulgada é em listas e rankings, como “melhores do ano” ou “artistas revelação”. No entanto, esses especiais geralmente começam a ser produzidos em outubro ou novembro. Portanto, lançar um disco em dezembro não costuma ser uma boa ideia. Da mesma forma, se sua banda divulgar material em janeiro, há uma boa chance de o trabalho perca relevância até o fim do ano.

13. Busque ajuda profissional

Apesar de todas essas dicas, a banda não precisa fazer tudo sozinha. No mercado da música, há um profissional para cada necessidade. No episódio #30 do podcast TMDQA, nossos amigos Daniel e Nathália Pandeló falaram sobre seu trabalho na agência de comunicação Build Up Media. Segundo eles, a credibilidade de uma assessoria de imprensa chama a atenção dos jornalistas, e faz com que o material chegue aos lugares certos, na hora certa. No mesmo programa, nosso editor Tony Aiex também indicou os livros “Band Smart” e “Tour Smart”, em que o renomado baterista Martin Atkins encurta os caminhos pra quem está iniciando na música.

14. Tente estar em playlists

Nos dias de hoje, as playlists de serviços de streaming como o Spotify funcionam como uma estação de rádio: os editores dos veículos fazem uma seleção do que há de mais interessante, atualizam com frequência e indicam para seus leitores. As playlists costumam ter milhares de seguidores fixos, por isso, sua música pode acabar atingindo alguém que não procuraria sua banda por conta própria. Para ter a chance de entrar nessa seleção, preste atenção aos itens 1 e 9 dessa lista. Ou seja, envie o seu material dando destaque ao single mais impactante do disco.