Klaus Flouride, baixista do Dead Kennedys
Foto: Facebook do Dead Kennedys
 

O Dead Kennedys pode ter cancelado os seus shows no Brasil, mas isso não significa que eles abandonaram a turnê pela América do Sul.

Nos últimos dias os caras começaram sua viagem pelo continente com um show em Assunção, no Paraguai, e por lá o baixista Klaus Flouride deu uma entrevista para Roque Martínez, do jornal La Nación, que fez perguntas sobre política e abordou questões sociais.

Ao falar sobre como o mundo todo se encontra lidando com problemas, culpou os “maus líderes” e não mediu palavras para falar de Donald Trump:

Donald Trump é um clássico nazista que só se interessa por atenção para o que ele está fazendo. Qualquer que seja o líder, em qualquer época, eles sempre se certificaram de que a diferença entre os muitos ricos e a massa de gente pobre seja maior.

Dead Kennedys no Brasil

Klaus também foi questionado a respeito da polêmica envolvendo o cartaz da turnê no Brasil, e disse:

Creio que houve má informação colocando diante de um possível perigo o público, nossa equipe e as pessoas que trabalhariam conosco no Brasil. O pôster estava bom e divertido, mas queríamos saber e investigar mais. Nos Anos 80 passamos pelo mesmo e ainda não havia a Internet.

Klaus ainda comentou a resposta de Jello Biafra, ex-vocalista da banda que detonou o grupo, dizendo que “ele fez o que tinha que fazer”.

Além disso, ainda afirmou que a banda entrou em acordo com a produtora para devolver o dinheiro que já havia recebido e fazer com que ele voltasse a quem havia comprado ingressos (o que foi confirmado pela EV7 Live, inclusive).

Por fim, lamentou que os “haters” tenham atuado como atuaram após o cartaz que criticava Jair Bolsonaro e falou sobre as preocupações da banda:

Estaríamos em perigo. Nos contaram que recebemos ameaças de morte. Então nos preocupamos e teríamos que ter cuidado. Tudo passou muito rápido.

O Dead Kennedys ainda tocou em Montevidéu, no Uruguai, e hoje se apresenta no Chile.

Polêmica do Pôster contra Jair Bolsonaro

Para recapitular, um pôster com a “família tradicional brasileira” em armas usando máscaras do palhaço Bozo foi lançado para divulgar a turnê do Dead Kennedys no Brasil.

Pouco tempo depois, após reação negativa dos seguidores do atual presidente do Brasil, a banda disse que a arte não havia sido aprovada, apesar do seu designer garantir que sim. A banda punk cancelou os shows sem avisar a produtora brasileira, que mostrou-se surpresa e pouco depois jogou toda a merda no ventilador.

Ao final, porém, os dois lados entraram em um acordo para que o dinheiro fosse devolvido. No meio tempo, Jello Biafra escreveu palavras nada amistosas para seus ex-colegas de banda e falou sobre o fascismo.

LEIA TAMBÉM: João Gordo defende Dead Kennedys em polêmica sobre pôster no Brasil

     
 
Compartilhar