Leela
Foto: Sillas H
 
Como retrato da união entre dois mundos que a banda Leela tão bem conhece, no caso as relações humana e midiática, foi lançado o clipe para a canção “Cada Vez Mais”. A música é o quarto single que faz parte do novo disco da banda, ainda sem nome e previsão de lançamento.
O título da canção “Cada Vez Mais” se refere às camadas de interação social das pessoas que fazem funcionar o mundo interior de cada um. Com a ideia de que, quem se conecta com esse mundo, sente cada vez mais, e quem não se conecta, sente cada vez menos, até restar um vazio.
A canção também conta com a participação da cantora Bárbara Eugênia e teve início com argumento em letra da vocalista Bianca Jhordão, sobre as mudanças que a maternidade e a chegada dos 40 anos lhe trouxeram. Ela e o produtor e compositor Rodrigo O’Reilly Brandão se encontraram com o xamã norueguês Kjell Sandvik de onde saíram as ideias melódicas. Rodrigo criou a base dançante com sintetizadores e o ritmo, com programações. Fausto Fawcett substituiu a letra original em inglês por uma versão em português.
Já o clipe, dirigido por Tata Pierry e Will Aleixo, foi filmado em duas locações: no ateliê de tecnologia Lilo Zone e pelas ruas do bairro japonês da Liberdade, em São Paulo, durante a madrugada. Assista:

Marsara

Marsara
Foto: Divulgação

Banda carioca de rock alternativo com influência do shoegaze, a Marsara é um power trio que se prepara para lançar o álbum de estreia, intitulado Silêncio/Ruído. Trilhando a linha entre letargia e intensidade, o grupo traz ao mundo o single “Minuano e a Frente Fria Depois do Calor” como amostra do primeiro disco.

O registro traz um olhar aberto sobre as dualidades da vida e as variações de humor enfrentadas por quem sofre de depressão. A sonoridade é um caldeirão de influências que passa por The Cure, Jesus and Mary Chain, Cocteau Twins, My Bloody Valentine, Slowdive, Ringo Deathstarr e RIDE.

De algo pessoal e íntimo, a canção se tornou uma construção coletiva que aborda uma vivência tão particular quanto universal, e resultou em um som incrível. Ouça:

Reforme

Reforme
Foto: Reprodução/Facebook

Marcando uma nova fase para os rapazes da Reforme, o clipe para “Espinhos” já está entre nós. A canção é um retrato da constante transformação da banda, de acordo com as experiências vividas musicalmente por cada integrante. Ao trazer em sua letra uma carga intensa de reflexões e conselhos, a sua sonoridade acompanha com peso e arranjos mais concisos.

Assista o clipe, que conta com direção de Amaral Alves Filmes:

Ricardo Mabilia

Ricardo Mabilia
Foto: Reprodução/Facebook

Com a premissa de entender a insignificância do mundo quando a vida se vai, o multi-instrumentista Ricardo Mabilia presenteia a cena com o EP Universo Vil.

As seis faixas que compõem o trabalho do artista trazem uma sonoridade minimalista e trazem espaço para climas taciturnos, que se misturam com elementos modernos da música popular brasileira. As letras trazem reflexões envolventes, e abordam “a nostalgia de quem viveu bons momentos e almeja voltar a viver tudo novamente”, como o próprio artista afirma.

Toda a produção, gravação e mixagem foram realizadas dentro de seu quarto, e é basicamente onde toda a asserção de Universo Vil é delimitada: ao que é íntimo. Ouça:

O Amor Existe

O Amor Existe
Foto: Divulgação

O projeto romântico e solo de Leandro Neko (Topáz) volta a firmar raízes depois do disco Onipresente (2018), e lança o clipe da canção “De Mim Pra Mim”.

Gravada no interior gaúcho, o single teve produção de Thiago Heinrich e do próprio Neko. A sua decisão em gravar a canção, fora da vida corrida de São Paulo, é decorrente da necessidade em um local que remetesse a ideia de “voltar para casa”.

Já o vídeo retrata em um dia que Leandro Neko saiu para o que podia ser apenas mais um encontro romântico, mas não foi. Virou namoro, que virou noivado, mas também virou música, que por sua vez, ganhou um bem humorado clipe.

Enquanto assume o papel do jornalista e também do repórter, Neko interpreta a canção, e o clipe termina em grande estilo, com um número musical. Quem idealizou o roteiro foi o cantor, que também dividiu a direção do clipe com Allan Tolentino. Assista o ótimo resultado:

Manger Cadavre?

Manger Cadavre
Foto: Divulgação

Em uma grande imersão sobre transtornos psicológicos, a banda do interior de São Paulo, Manger Cadavre?, disponibiliza o disco AntiAutoAjuda, cuja essência é focada no hardcore crust.

Gravado no estúdio Family Mob, o disco conta com mixagem feita por Hugo Silva, master por David Menezes, e ilustração da capa realizada pelo guitarrista da banda, Marcelo Dod, que se inspirou nas letras. AntiAutoAjuda traz a temática que gira em torno do o adoecimento psicológico do trabalhador frente a super exploração de sua força produtiva e a sociedade do consumo.

As letras, escritas pela vocalista Nata Nachthexen, trazem referências teóricas de obras como O mal estar na civilização, de Freud, O Tempo e o Cão, de Maria Rita Kehl, e Infoproletários, de Ricardo Antunes. Todo o trabalho recebeu orientação e revisão pelos psicólogos Elis Cornejo e Thiago Bloss, e compila depoimentos de pessoas que estão em grupos de apoio psicológico dentro de movimentos sociais, e que expressaram a sua melhora fazendo parte desses coletivos em luta.

Ouça: