Pôster Dead Kennedys Ratos de Porão (João Gordo)
Foto: Reprodução/Instagram
 

João Gordo se posicionou a favor do Dead Kennedys acerca da polêmica com a banda no Brasil.

Como te contamos por aqui, o grupo punk cancelou todos os seus shows no país após ser atacado por conta de um pôster que aborda a situação política por aqui. A história teve várias reviravoltas, e a última delas é um comunicado da produtora sugerindo até que o DK tenha “passado a perna” neles.

Agora, Gordo, vocalista do Ratos de Porão, defendeu os caras em entrevista ao site Sul 21. O frontman foi um dos músicos a adotar o pôster rejeitado pela banda, e costuma se posicionar contra o presidente Jair Bolsonaro com frequência.

Leia sua fala:

Eu vejo o seguinte: se eu fosse tocar em Bangladesh e o produtor de Bangladesh fizesse um pôster anti muçulmano. Eu não conheço as tretas do país, eu não conheço o que se passa lá, eu tenho 60 anos de idade, eu sou tiozinho, eu não sou punk de 25 anos, anarquista. É o caso dos caras do Dead Kennedys, eles querem vir, tocar o som deles e ir embora. Eu achei certo eles falarem ‘não, eu não autorizei, eu não quero isso’, porque eles viram que virou uma coisa gigantesca. Eu reivindicando a parada pro Ratos foi mais questão de zuera, eu respeito os caras do Dead Kennedys pra caralho, acho uma baita banda. Eu acho que os fãs do Dead Kennedys foram tão fascistas quanto os bolsominions, em xingar os caras, destratar a banda. Os membros da banda têm mais de 60 anos, são gringos, vão vir aqui no Brasil pra tomar catarrada de moleque? Era isso que ia acontecer. Eu vejo todo esse lado, porque eu estou aqui dentro, eu sou músico, eu sei qual é que é, enfrento isso a vida inteira.

LEIA TAMBÉM: “Sem ideia” – João Gordo fala sobre metaleiros fascistas em entrevista