Slash do Guns N Roses
Foto via Shutterstock

Mesmo fazendo parte de uma das maiores bandas do mundo, Slash não tinha muitas expectativas para o grande retorno do Guns N’ Roses em 2016.

Em recente entrevista onde também falou sobre seu atual projeto ao lado do Myles Kennedy and the Conspirators, o guitarrista disse que estava mais preocupado com a convivência da banda — principalmente seu relacionamento conturbado com Axl Rose.

Ele disse:

Na verdade, eu não tinha expectativas. Minha maior preocupação era com a banda mesmo. Obviamente, fazer as pazes com Axl foi algo muito grande. Quero dizer, aquilo era uma prioridade maior do que o quão bem sucedida seria a turnê. E então nós pensamos inicialmente em quatro ou cinco shows, e ver se poderíamos sobreviver a isso. Então começou a bola de neve — ninguém sabia qual seria o nível de antecipação dos primeiros cinco shows até que os fizéssemos. E aconteceu a partir daí.

Então, eu não tinha muitas ideias grandiosas sobre o quão bem sucedido isso seria, e realmente não importava. Realmente, quando aconteceu, foi mais divertido apenas estar com os caras e tocar, e os fãs foram sensacionais. Isso foi realmente tudo para mim. Agora, neste momento, olhando para trás, dizer que foi uma das turnês de maior sucesso [de todos os tempos] — isso é obviamente muito incrível, e você se sente muito grato por ter sido apreciado até esse ponto.

Como Slash citou, a turnê de retorno do Guns N’ Roses é a segunda mais rentável da história, com um lucro de mais de 2 bilhões de reais.

Slash ft. Myles Kennedy and the Conspirators

O guitarrista falou também sobre a volta de seu projeto paralelo com Myles Kennedy.

Eu nunca planejei acabar com o Conspirators, mesmo quando a coisa o Guns apareceu. E isso é porque eu tenho tocado com [o Conspirators] por quase 10 anos e nós começamos a trabalhar em vários materiais, e é muito divertido e muito legal, e também está muito abaixo do radar. É como se o Guns N ‘Roses fosse um grupo de alto perfil e tudo isso, e o Conspirators é bem pequeno, pé no chão e despojado. Eu acho que gosto desse lado das coisas. Então, mesmo com o Guns, onde eu faço turnês épicas e enormes, eu ainda amo fazer esse tipo de coisa menor e é muito simples. Então, é um ótimo veículo para isso.

Vale lembrar que os caras vêm ao Brasil entre Maio e Junho deste ano — saiba mais clicando aqui.