Cage The Elephant
Foto: Divulgação
 

O Cage The Elephant não está muito afim de carregar a responsabilidade de manter o rock vivo.

Pelo menos é isso que demonstrou Matt Shultz, o frontman da banda, em uma entrevista recente com a Uproxx. O vocalista declarou não estar muito preocupado com essas definições dentro da música, e sim com o trabalho que vem fazendo nos estúdios.

Na conversa, a questão foi a seguinte: “Qualquer um que tenha escutado a sua música ou visto um show pode ver as raízes que vocês têm nessas tradições do rock clássico. Parece cada vez mais raro. Contemporâneos como o Arctic Monkeys se desviaram disso no último disco, ou o Greta Van Fleet tem sido constantemente atacado por suas influências no rock. Você sente que está em uma ilha enquanto banda neste ponto, mantendo o espírito vivo com poucos colegas?”

A isso, Matt respondeu:

Nós pensamos nas coisas muito mais baseadas em cada canção, e muito mais em um nível de caráter. Mas definitivamente, nós tentamos nos afastar de tudo que é baseado em personagens, e eu quero dizer com raízes no rock and roll ou hip-hop ou qualquer uma dessas palavras que você possa associar a um gênero. Estamos nos concentrando mais nas especificidades, como as propriedades de comunicação das composições. Então, nós realmente não pensamos dessa maneira. Nos dias de hoje, olhamos para isso como tocar no estúdio. É um meio extremamente diversificado. Estamos muito animados para ver como as coisas vão se desenrolar. É engraçado e meio triste realmente que as pessoas peguem um grupo musical e o definem com as palavras ‘rock and roll’, e esqueçam a versatilidade de vários instrumentistas compondo juntos. Você não precisa estar amarrado a esses limites. Estou muito animado com todo o novo software que está surgindo, todas as novas tecnologias e instrumentos e as ideias de abordagem. Estamos realmente muito animados sobre onde as coisas estão se movendo.

Justo, não?

O Cage The Elephant lançou na última sexta-feira (19) o disco Social Cues.

   
 
Compartilhar