Abril de 1989: há 30 anos, mais precisamente no dia 17 no Reino Unido e no dia 18 nos Estados Unidos, o Pixies lançava seu segundo disco de estúdio, Doolittle.

Não dá pra dizer que as expectativas não eram altas, já que a estreia no ano anterior com Surfer Rosa (produzido por Steve Albini) foi em grande estilo, mas definitivamente nem a banda nem o resto do globo estavam preparados para a influência que o disco teria em toda década seguinte para nomes dos mais diversos.

Foi com esse disco que a banda pavimentou seu caminho para o hall dos gigantes dos Anos 90 e, no processo, ajudou a moldar a sonoridade que caracterizou uma das décadas mais importantes para o Rock And Roll.

Início do Pixies

Pixies - Surfer Rosa

Em 1988 a banda lançou seu disco de estreia, e apesar de Surfer Rosa ter sido muito bem recebido pela crítica, não foi lá um grande sucesso de vendas, o que não espantou os executivos da gravadora 4AD, que ofereceram uma verba de 40 mil dólares para o seu sucessor.

Mesmo sendo uma quantia modesta para uma grande gravadora da época, esse valor era equivalente a mais ou menos quatro vezes o que foi gasto no primeiro álbum, e os Pixies souberam aproveitá-lo.

Antes de recrutar um novo produtor com Gil Norton, o grupo já começou a escrever canções durante a turnê que antecedeu as gravações, principalmente com Black Francis compondo diversas de suas faixas.

Seguindo a linha que já cultivava desde o início de carreira, ele não tinha pudor para escrever sobre assuntos dos mais diversos e bizarros, apresentando aqui canções que abordam questões filosóficas, bíblicas, mitológicas e que também trazem letras obscuras passíveis de diversas interpretações.

A ideia era justamente essa: não deixar nada óbvio demais ao mesmo tempo em que as canções se tornaram cantaroláveis mas era preciso de um bom tempo em cima de suas letras para (tentar) entendê-las.

Instrumental

Pixies

As canções, aliás, tinham todos os traços eternizados pelo Pixies e aqui mostraram armas que consagraram a carreira da banda.

Alternando momentos furiosos vindos do Punk Rock como na incrível abertura com “Debaser” e faixas como “Crackity Jones” com toda a glória do indie voltado ao pop com o mega hit “Here Comes Your Man”, a banda mostrava que fazia de tudo: falava de assuntos pesados com canções leves, não se prendia a uma sonoridade só e chegava até a misturar tudo em uma única faixa, apresentando melodias vocais, passagens quase faladas e grandes guitarras em sons como “Hey”.

Não apenas o Pixies foi capaz de definir toda uma sonoridade dos Anos 90 como fez aquilo que torna certos álbuns verdadeiras lições históricas: entoou grandes hits para as grandes massas e preencheu o resto do trabalho com experimentações que gostaria de fazer.

Influência

Kurt Cobain (Nirvana) e Kim Deal (Pixies)
Foto por Steve Gullick

Não é exagero dizer que Doolittle é um dos discos mais importantes da história.

Foi com ele que muita gente entrou em contato com o rock alternativo pela primeira vez e através de suas canções começou a se aprofundar em várias de suas vertentes, com gente indo para o Punk, outros tornando-se fãs de Indie e muitos colocando bandas do gênero nas principais paradas mundo afora.

Bandas cujo sucesso e influência também são inegáveis, como Blur, Weezer e Radiohead beberam nas fontes do Pixies e não podemos nos esquecer do Nirvana, já que Krist Novoselic e Kurt Cobain chegaram a falar sobre como “Smells Like Teen Spirit” carrega a dinâmica de peso/suavidade eternizada pelo grupo de Black Francis em suas canções. Kurt mesmo chegou a dizer que com “Smells” gostaria de fazer “a música pop definitiva. Eu estava basicamente tentando copiar o Pixies. Eu admito.”

Dinâmica essa, inclusive, que pôde ser sentida anos depois em movimentos como o emo e o post-hardcore do final dos Anos 90, onde belas melodias vocais e guitarras limpas eram misturadas com distorções e berros com bandas que, definitivamente, cresceram ouvindo Surfer Rosa e Doolittle.

O legado de Doolittle

Pixies - Doolittle

O segundo disco do Pixies marcou a carreira da banda, do rock alternativo e da música em geral.

Quando nos deparamos com os grandes nomes da história, é sempre interessante ir atrás de saber quem os influenciou, e tendo o Pixies na lista de tanta gente grande como é o caso nos faz perceber que se não fosse por Doolittle talvez não tivéssemos sons como “Say It Ain’t So”, do Weezer, “Creep” do Radiohead ou “Song 2”, do Blur, todas lançadas bons anos depois com dinâmicas que lembram as melhores fases de Francis e companhia.

Thom Yorke, por exemplo, disse que a banda “mudou sua vida”, Bono (U2) chamou o grupo de um dos maiores da história dos EUA e até David Bowie, inspiração para os caras, disse que o Pixies fez algumas das músicas mais convincentes de todos os Anos 80.

Apesar de estar longe de ter o mesmo reconhecimento comercial e do público em geral em relação a nomes como os citados aqui, os músicos que gravaram o disco que hoje completa três décadas de lançamento fizeram as bases para alguns dos movimentos mais interessantes que, até hoje, são vistos como alguns dos últimos suspiros do rock feito com criatividade.

Doolittle, gravado por Black Francis (vocal, guitarra, violão), Kim Deal (baixo, vocais, violão), Joey Santiago (guitarra, backing vocals) e David Lovering (bateria, vocais, baixo) é um símbolo dos Anos 90 e um dos maiores álbuns da história. Tá bom ou quer mais?

Playlist

Aproveite para ouvir a mini-invasão com músicas de Doolittle na playlist oficial do TMDQA! logo abaixo.

     
 
Compartilhar