Documento que mostra a censura de
Foto: Reprodução / Instagram
 

Há 55 anos, o então presidente do Brasil João Goulart foi vítima de um golpe de Estado. Os movimentos a favor da mudança desembocaram, entre 31 de Março e 1 de Abril de 1964, na instauração da ditadura militar brasileira.

O período durou mais de 20 anos e envolveu o mandato de 5 militares na presidência. O período mais tenebroso e, infelizmente, mais característico da ditadura, no entanto, se deu com a instauração do AI-5. Com os decretos desse ato, foi permitida a censura prévia de obras culturais como peças de teatro, filmes e, é claro, músicas.

Abaixo, separamos algumas canções que foram vetadas pelos órgãos do governo. Havia pessoas encarregadas de analisarem e aprovarem a reprodução de determinadas músicas, os chamados censores. As justificativas para os vetos incluíam desde argumentos como “ofensas” até “falta de gosto”.

Vale a pena para refletir sobre os tempos atuais, em que foram reabertas discussões sobre a liberdade de expressão.

 

“Cálice” (Chico Buarque e Gilberto Gil)

A liberdade para dizer o que se pensa é o pedido principal da letra de “Cálice“, canção composta por Chico Buarque e Gilberto Gil em 1973.

A canção integraria originalmente o repertório de um evento organizado pela gravadora Phonogram (atual Universal), em que Gil e Chico cantariam juntos. Ao começarem a tocar a canção, seus microfones foram repentinamente desligados. Isso foi feito pela própria gravadora, orientada pela censura a não reproduzir “Cálice”.

A liberação veio apenas cinco anos depois, e foi quando o mundo teve contato com a mensagem da música, cercada de referências religiosas e jogos de palavras. A primeira gravação oficial, na voz de Chico e Milton Nascimento, foi lançada naquele ano no álbum homônimo do compositor carioca.

Posteriormente, a faixa foi regravada por artistas como Maria Bethânia e, mais recentemente, por Pitty.

Chico, por sinal, foi um dos nomes que mais foram perseguidos pela censura. O carioca conseguiu driblar os censores com faixas como “Apesar de Você” (cuja repercussão fez com que a música fosse censurada posteriormente) e “Jorge Maravilha” (divulgada sob o pseudônimo Julinho da Adelaide).

 

“Tiro Ao Álvaro” (Adoniran Barbosa)

A censura não tinha limites. E ela pontuava não apenas o sentido das palavras, mas também a forma como eram pronunciadas.

Uma que foi pega de surpresa foi “Tiro Ao Álvaro“, do paulistano Adoniran Barbosa. Em 1973, o compositor teve cinco canções vetadas. Após o decreto do AI-5, Adoniran temeu lançar novas músicas justamente por conta da forte censura, e lançou um álbum com canções já gravadas anteriormente, algo como um compilado de sucessos.

Mas foi surpreendido, já que cinco das faixas do álbum foram censuradas. O documento oficial que veta “Tiro Ao Álvaro” (canção de 1960) dá a justificativa de “falta de gosto”. A letra brinca com a oralidade do povo de São Paulo ao contar com as palavras “tauba”, “automorve” e “revorve”. A resposta ao pedido de liberação veio com essas palavras circuladas.

Uma clara dedução é que o contexto sociocultural da letra foi completamente ignorado.

Censura de "Tiro Ao Álvaro" (Adoniran Barbosa)
Letra de “Tiro Ao Álvaro”

 

“Pra Não Dizer que Não Falei das Flores” (Geraldo Vandré)

Em 1968, antes ainda da inteligente sacada de “Cálice”, Geraldo Vandré ousou ao pegar seu violão para apresentar a todos, durante o III Festival da Canção da TV Globo, a canção “Pra Não Dizer que Não Falei das Flores“. Por orientação da censura, a emissora não pôde dar a primeira colocação para Vandré.

A incitação do povo à resistência, presente na letra, levou os militares a proibirem sua reprodução, alegando ser uma letra ofensiva.

Após anos censurada, a música teve sua primeira cover liberada apenas em 1979, na voz de Simone. Com sua atemporal letra, o sucesso de Vandré também foi gravado posteriormente por Emicida e Charlie Brown Jr..

 

“Eu Vou Tirar Você Desse Lugar” (Odair José)

O compositor goiano Odair José surgiu em 1970 com melodias simples e letras diretas. Um de seus maiores sucessos, “Eu Vou Tirar Você Desse Lugar“, foi o principal responsável por seu reconhecimento como músico. Estaria tudo nos conformes, se não fosse a ditadura que o país vivia na época.

Em 1972, José foi prejudicado profissionalmente com a censura. Mesmo sem claras posições políticas em suas obras, os censores argumentaram que suas músicas iam contra a moral e os bons costumes da época. Na canção citada acima, o protagonista canta amor a uma prostituta, e aparentemente isso era bem incômodo ao regime. Mesmo assim, até ser vetada, a música vendeu cerca de um milhão de cópias.

Já de olho nas obras de José, a censura vetou várias outras de suas canções no ano seguinte. “Uma Vida Só (Pare de Tomar a Pílula)” e “Deixe Essa Vergonha de Lado” foram outras músicas desaprovadas.

As músicas só foram ser liberadas em 1976, após o fim do governo do militar Emílio Garrastazu Médici. A canção da pílula, por ser contra a campanha do governo de controle de natalidade, demorou mais para voltar a ser reproduzida, sendo liberada após 1979.

 

“Hoje É Dia de El-Rey” (Milton Nascimento e Dorival Caymmi)

E aqui temos novamente o ano de 1973. Milton Nascimento foi um dos artistas que mais foram perseguidos pela censura, e o tratamento não foi diferente com a faixa “Hoje É Dia de El-Rey“.

Na época, Milton estava prestes a lançar seu primeiro álbum após o épico Clube da Esquina, intitulado Milagre dos Peixes. O resultado foi um álbum essencialmente instrumental, um dos trabalhos mais experimentais da carreira de Milton. O mineiro tinha planos de fazer 5 das 11 faixas canções instrumentais, mas a censura contribuiu para que o número aumentasse para 8.

“Hoje É Dia de El-Rey” foi composta por Márcio Borges, e originalmente seria gravada em parceria com Dorival Caymmi. Na justificativa da censura, foi argumentado que a música continha “conteúdo nitidamente político”, mas Milton e Borges acreditavam que a música passaria pela censura. A letra mostra o diálogo entre um pai (que seria Caymmi) e um filho (que seria Milton).

Confira a versão sem a letra original abaixo:

Letra censurada de "Hoje É Dia de El-Rey" (Milton Nascimento)
Trecho da letra original de “Hoje É Dia de El-Rey”. Foto: Reprodução / O Globo

 

“Cruel Cruel Esquizofrenético Blues” (Blitz)

A MPB desempenhou muito bem o papel de resistência cultural em relação às imposições da ditadura ao longo dos anos 70. Mas o cenário cresceria ainda mais com a popularização do rock na década seguinte.

Lançado em 1982, As Aventuras da Blitz contou com 13 faixas e fez com que a Blitz se tornasse rapidamente um grupo queridíssimo na cena nacional, especialmente por conta do irreverente hit “Você Não Soube Me Amar“. Mas calma, caro leitor. Essa foi liberada pela censura.

O que não engoliram muito bem foi a última faixa do disco, “Cruel Cruel Esquizofrenético Blues“. O incômodo foi gerado por conta da utilização ambígua da palavra “peru”, além do uso de um palavrão. Também foi vetada a penúltima canção, “Ela Quer Morar Comigo na Lua“. O motivo? O uso da palavra “bundando”.

Mas não havia como diminuir o sucesso da Blitz, já que o disco era um sucesso absoluto. O que a gravadora fez para não acarretar problemas foi riscar à mão as duas últimas dos discos de vinil. A versão em CD, que passou a ser comercializada depois, já contava normalmente com ambas as faixas.

Podemos concluir que a força da arte é maior que a repressão.

 

“Meu Novo Sapato” (Paulinho da Viola)

Os censores implicavam com tudo. Vez ou outra deixavam passar algumas músicas que alfinetavam o regime, e muitas vezes proibiam músicas que não tomavam posicionamentos políticos.

Paulinho da Viola teve uma única canção censurada durante a ditadura, em 1971, intitulada “Meu Sapato“. A letra que incomodou os censores, na verdade, era sobre um par de sapatos. O estranhamento provavelmente foi ocasionado por conta da descrição dada aos calçados pela música, que pode ter sido confundida com uma alusão aos militares.

Paulinho teve que alterar alguns versos para lançar a música, que veio ao mundo apenas em 1976 como “Meu Novo Sapato“, integrando o álbum Memórias Cantando.

Documento que mostra a censura de "Meu Sapato", de Paulinho da Viola

Vale lembrar que essas são apenas algumas das músicas que sofreram nas mãos dos censores da época. Lembra de mais alguma outra? Deixe suas sugestões nos comentários!