Panda Bear
 

Um dos artistas mais prolíficos da atualidade, Noah Lennox é um cara tranquilo. Atendendo o telefone de Lisboa, onde mora, ele calmamente expõe suas ideias de um modo que pouco parece a colisão de sensações e sentimentos do seu projeto Panda Bear ou do Animal Collective.

Atualmente divulgando seu novo trabalho Buoys, Lennox deu uma entrevista exclusiva ao TMDQA! e nos contou um pouco mais do seu processo criativo.

TMDQA!: Eu li em um artigo que você se descreve como um “cara meio devagar”…

Panda Bear: Verdade!

 

TMDQA!: Mas você mantém uma produtividade impressionante com o Animal Collective e na carreira solo. Como você mantém esse ritmo?

Panda Bear: É o processo de criar que me move e me acalma, acho que mais do que qualquer coisa nesse processo de música. É legal tocar ao vivo, falar com pessoas do mundo todo como você. Mas sabe, o que mais gosto é da sensação de criar algo novo. Acho que é isso que me move, manter um processo criativo contínuo, sem parar.

 

TMDQA!: O novo álbum é coproduzido pelo Rusty Santos, que também trabalhou com você no Sung Tongs e Person Pitch. O que tê-lo de volta trouxe pro som do novo disco?

Panda Bear: Ele é um grande amigo e entende bem os experimentos que tento. Gosto de trabalhar com ele pois traz uma sensação de tranquilidade, de conforto, sabe?

 

TMDQA!: O primeiro single do álbum, “Dolphin”, tinha uma melodia me pareceu muito familiar, me lembrou algumas coisas de música brasileira…

Panda Bear: Nossa, isso é algo novo. Que sensacional! Ninguém tinha me falado. Você diz do violão?

TMDQA!: Isso!

Panda Bear: Olha, não foi proposital mas vou até ouvir algumas coisas para ver se foi algo inconsciente.

TMDQA!: Você mora em Lisboa há mais de uma década. A música portuguesa te influenciou de algum modo?

Panda Bear: Eu não diria que a música portuguesa, mas Portugal em si. Muito do que crio é refletindo o ambiente, absorvendo o ambiente, mais o clima do que necessariamente um ritmo ou melodia. E sou realmente apaixonado por aqui, um tanto dessa paixão deve refletir no som.

 

TMDQA!: Nesse ano o disco Merriweather Post Pavilion completa 10 anos. Vocês planejam algo especial, como foi feito com o Sung Tongs?

Panda Bear: A gente planeja algo especial, mas não sei se vai rolar show. O Sung Tungs era um formato bem reduzido, então era tranquilo. O Merriweather Post Pavilion move uma galera (risos). A gente tem alguns materiais de b-sides e takes não aproveitados para serem explorados e vamos comemorar de algum modo. Isso eu posso garantir.

TMDQA!: O nome do nosso site é Tenho Mais Discos que Amigos (em inglês). E temos muitos discos que fazem parte da nossa história. Tem algum de música brasileira que sempre está na sua playlist?

Panda Bear: Sim! “Tenho Mais Discos Que Amigos”? (Em um forte sotaque de Portugal)

TMDQA: Isso! A gente deveria ter feito essa conversa em português!

Panda Bear: Verdade! (Risos) Bem, de música brasileira… Alguns clássicos da Bossa Nova… O Getz-Gilberto conta como brasileiro?

TMDQA!: Conta!

Panda Bear: Tem o Clube da Esquina e aquele álbum com o Tênis na capa. Muito bons!

   
 
Compartilhar