Lançamentos nacionais: Ankou, Ricardo Bacelar, Crônicas Partidas
Foto: Cassiano Vidal / Divulgação
 

Composições dançantes e experimentais são destaque em Toro, terceiro álbum de Ankou. O projeto é desenvolvido pelo músico e produtor curitibano Leonardo Gumiero.

Samples étnicos, beats programados e instrumentos tocados pelo compositor dão ao disco uma natureza ancestral e futurista. De forma desprentensiosa, Ankou combina gêneros da música eletrônica e instrumental e estruturas musicais inesperadas.

Somado aos samples, que vão de Björk e Schubert até cerimônias tradicionais em Gana, Leonardo também tocou e gravou todos os instrumentos presentes no registro.

Ricardo Bacelar

Lançamentos nacionais: Ankou, Ricardo Bacelar, Crônicas Partidas
Foto: Fernando Travessoni / Divulgação

22 anos atrás, o pianista, compositor e arranjador Ricardo Bacelar e Belchior se juntaram em estúdio em Fortaleza e compuseram “Vício Elegante”, que seria a última letra inédita gravada pelo ídolo da MPB. Hoje, um ano e meio após a morte do parceiro de composição, Ricardo o homenageia regravando a música.

Para efetuar o registro, o músico convidou Delia Fischer para escrever o arranjo de cordas e produzir a gravação. Realizada no estúdio da Biscoito Fino, Delia reuniu uma orquestra com oito violinos, duas violas, dois violoncelos, um contrabaixo, juntamente com o piano e voz de Ricardo. O vídeo conta com direção de Nando Chagas.

Crônicas Partidas

Lançamentos nacionais: Ankou, Ricardo Bacelar, Crônicas Partidas
Foto: Divulgação

As Crônicas Partidas são um projeto criado por André Passos no início de 2019. O objetivo aqui é contar pequenas histórias em álbuns curtos.

Cada registro conta com três musicas lançadas com a periodicidade de três meses. Elas são acompanhadas de um caderno com ilustrações que ajudam a contar ou que questionam cada história. A primeira tríade, intitulade de Conta-Gotas, já foi liberada.

O artista explica que o nome dado a esse trabalho carrega uma ambiguidade. “’crônica’ pode ser entendida como história fragmentada, breve comentário sobre o cotidiano ou reflexão sobre a experiência no mundo sob jugo do tempo. ‘Partida’ também é interpretada como algo que se parte e quebra ou como algo que parte e vai embora”, completa.

O caderno com ilustrações e outras informações do projeto podem ser acessadas aqui.

 
 
Compartilhar