RAW
Foto: Divulgação
 

A banda mineira RAW divulgou há pouco mais de um mês o clipe de “No Time”. A canção faz parte do EP Don’t Matter Anymore, lançado em Julho desse ano, e traz um som marcante que permeia entre o grunge e o stoner.

Com direção assinada por Daniel Couto, o clipe traz um clima contido em uma sequência de cenas do cotidiano, conceito que é propriamente dito na canção.

Assista:

Komunga

Komunga
Foto: Divulgação

O duo paulista Komunga presenteia a cena com a canção “Vem pra Saravá”.

União entre os músicos Julio Rhazec e Lucas Baumgratz, o duo traz um som que mistura música eletrônica e matrizes africanas e indígenas com samples orgânicos, em proposta performática e teatral que enraíza nas referências do viés afrofuturista para imaginar um espaço de sintonia entre os seres.

Com direção de Jean Furquim, o clipe mostra uma estética provocativa que mistura o rústico e o futurista. A base de música eletrônica, com samples de música orgânica, que chega repleta de reflexão sobre a linguagem e sobre o que querem sugerir.

Assista:

Templates

Templates
Foto: Divulgação

Com apenas um ano de vida, a banda goiana Templates mostra sua intensidade criativa e sonora em Não Desligue o Rádio. O disco de estreia, que conta com oito músicas, sintetizam as referências familiares do garage rock ao indie, com doses do stoner característico da capital do Cerrado.

O som da Templates tem batidas dançantes, guitarras fortes e sonoridade simples, sem perder a criatividade e com rítmica marcada. Ouça na íntegra:

Cores de Aidê

Cores de Aidê
Foto: Divulgação

O grupo catarinense Cores de Aidê traz ao mundo o disco “Quem é essa Mulher?”. Em uma múltipla singularidade de mulheres, o grupo traz uma identidade afirmativa de ancestralidade do feminino que mistura com referências afro-brasileiras.

A liberdade plena, diversa e plural conversa com o enfrentamento das desigualdades sociais e trazem letras simbólicas, uma transgressão musical voltada ao samba-reggae e uma reflexão assídua sobre o feminismo.

O coletivo traz em suas dez faixas um convite um convite à subversão do status quo, considerar as diversas matizes das vozes que reverberam a percussão, e concretizar a ideia de liberdade onde ninguém fica de fora. Ouça:

Mastodontes

Mastodontes
Foto: Divulgação

Mais uma vez a ancestralidade e coletividade convergem na cena musical e em um esquema diferente. O bando Mastodontes trazem toda a energia contagiante de performances teatrais no EP visual Aperte o Play. O material audiovisual traz recortes de apresentações ao vivo que acumulam fãs e seduzem até quem não conhece o grupo, formado por 11 músicos que juntam requintes teatrais a uma rica mistura de sons e influências sonoras.

Com metade dos integrantes tendo passagens pelo teatro, o Mastodontes carrega consigo a missão de fazer uma performance espetaculosa ao pé da letra em cada oportunidade. Com quatro vídeos com performances ao vivo filmadas em um show do grupo paraense na Kasa Koentro, em Belém (PA), o bando demonstra que não há obstáculos que o afeto não possa dobrar. Quando o assunto é batuque, eles não medem esforços, injetando muito material humano e figurinos diferenciados, e exploram os mais diversos temas com pitadas de picardia e uma fina ironia empregada em sua proposta visual.

Com três anos em atividade, o sentimento de trabalho coletivo se faz presente também na maneira que os integrantes convivem entre si, e deixam o Samba dançar com o Rock, o Carimbó brincar com o Maracatu, o Baião flertar com o Ijexá. Cada canção do seu repertório traz uma provocação diferente como fruto de experiências diversas.

Assista: