Não é segredo para ninguém que o Brasil está vivendo, já há algum tempo, uma fase interessante quando o assunto gira em torno de festivais de música pelo país.

De Norte a Sul nós temos a chance de ver muita música boa de perto reunida em um mesmo lugar, e um dos nomes mais fortes do Nordeste é o do Festival DoSol, que acontece em Natal, e em 2018 o TMDQA! esteve lá para ver tudo de perto a convite do evento.

 

Festival

Letrux no Festival DoSol 2018
Foto por Aline Krupkoski

2018 foi a segunda vez em que o DoSol deixou a área central de Natal para colocar o pé na praia, montando a sua estrutura no Beach Club, local que abriga diversos eventos durante o ano e é colado ao mar, proporcionando visuais de tirar o fôlego.

Em 2018 a organização optou por mostrar quatro palcos para shows, divididos em duas áreas: enquanto três deles tinham nomes dos patrocinadores, outro era menor, no chão, e foi batizado como DoSol Sessions, mostrando bandas em que o evento aposta para os anos futuros.

A disposição deu certo e era fácil se locomover entre os espaços, o que só foi prejudicado por extensas filas para os caixas e poucos banheiros, fatos que acabaram chateando parte do público que estava por ali.

 

Shows

Primeiro Dia

Joe Silhueta no Festival DoSol 2018
Foto por Aline Krupkoski

Quanto à escalação e aos shows, o DoSol 2018 mostrou que a ideia era diversificar, e nisso o festival acertou em cheio. No primeiro dia, mais homogêneo, tivemos desde o rap com a apresentação poderosa de Edgar até a música instrumental do E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante passando por um show furioso e arrebatador do Joe Silhueta, que nos levou direto aos anos 70 com seu Rock And Roll.

A música local do Rio Grande do Norte foi muitíssimo bem representada com nomes como Androide Sem Par, Potyguara Bardo e Luísa e os Alquimistas, que você deveria ouvir agora mesmo se já não o fez, e era difícil assistir a um show completo já que a todo momento, de meia em meia hora, você tinha uma nova apresentação de um nome interessante começando para ir assistir de perto.

Foi assim que percorremos as apresentações do divertidíssimo Trombone de Frutas, do incrível trabalho da banda carioca Baleia, dos gaúchos da Catavento e dos paulistas da Bratislava, que também se destacaram no evento com música alternativa em diversas frentes.

Trombone de Frutas no Festival DoSol 2018
Foto por Aline Krupkoski

O que a gente viu do começo ao fim e bem de perto foi a tomada do palco pelo Metá Metá, uma verdadeira força da natureza, e a Céu, que veio logo na sequência e encerrou a primeira noite com a classe que lhe é peculiar.

Com uma lua cheia que iluminava a “arena” do festival e o mar, a experiência de estar em um evento onde você pode passear de lá pra cá ouvindo e conhecendo música boa, é única no país todo. Tudo ainda é amplificado se você, como a gente, ficar no hotel parceiro do evento, literalmente colado no Beach Club, então se deslocar do conforto da sua habitação para os shows é, literalmente, questão de alguns poucos passos.

Segundo Dia

Pense no Festival DoSol 2018

No segundo dia a ousadia na escalação do line-up do festival DoSol ficou bem mais evidente e nós fomos perceber claramente como a curadoria do evento não tem medo de errar quando percebemos que estavam tocando em palcos distantes, ao mesmo tempo, os cearenses do Facada, com sua música extrema, pesada e cheia de guitarras e vocais berrados, e os locais do Plutão Já Foi Planeta, com suas belas canções voltadas ao pop rock, violões e uma performance cheia de amor que foi inclusive “invadida” por convidados especiais e uma bandeira com um arco-íris representando a comunidade LGBT.

No palco DoSol Sessions, a ideia era mostrar um clima intimista, com a banda tocando “no chão”, como uma espécie de garagem. Isso foi aproveitado por alguns grupos como o Lupa, de Brasília, que fez uma apresentação divertidíssima e cheia de amor pra dar, mas não tão bem entendida por outros, que pareciam tímidos ao ver que o público estava observando de longe e precisava ser chamado e contagiado para colar junto.

Já o palco Arena Oi foi tomado por bandas de punk, hardcore e metal e teve o Ator Morto, novo projeto de Capilé (Water Rats, Sugar Kane), que havia acabado de tocar com o Camarones Orquestra Guitarrístaica no palco do lado. Teve também o projeto Merdada, que reúne Merda e Facada, mas o ponto alto da noite rolou com os mineiros da Pense.

A banda tem sido uma das mais requisitadas pelo público do gênero no país e mostrou os motivos no festival DoSol. Definitivamente a Pense nos leva direto ao período mais importante do hardcore nacional onde as pessoas lotavam os shows e cantavam do começo ao fim todas as canções de bandas que variavam de nomes que vão de CPM 22 até Dead Fish.

Em uma espécie de ritual, todo mundo sai ali de alma lavada com as letras do grupo que lembram muito os textos de autoajuda, e não é exagero afirmar que o grupo que lançou um dos melhores discos nacionais de 2018 deve se tornar um dos mais importantes no país logo logo.

Pense no Festival DoSol 2018

Mais ao final da noite tivemos a intensidade do show do Molho Negro, banda paraense que dá significado real à expressão power trio e com suas canções ácidas e cheias de sarcasmo fazem rock and roll como poucos além de aliar isso tudo a um dos shows mais divertidos da atualidade. Não à toa serão atrações do Lollapalooza Brasil em 2019.

Por fim, depois do ótimo show do rapper Rashid, tivemos o encerramento com a Letrux e a tradicional surra que é sua apresentação, em vários sentidos.

Com uma troca intensa entre artista, músicos e plateia, o show baseado no disco Em Noite de Climão é celebrado, cantado, interpretado e agradecido por todos, que não param de cantar do início ao fim.

Letrux, que também toca no Lollapalooza em São Paulo, sabe muito bem como conduzir o palco e o faz com maestria, dando ao público o que ele quer e deixando um gostinho de quero mais para que a ansiedade pelo próximo show comece no segundo seguinte ao fim da apresentação.

É catarse, resistência, musicalidade, instrumentistas talentosíssimos e, acima de tudo, uma verdadeira conversa franca sobre os fatos da vida pelos quais todos passamos em forma de canção. Fechamento de ouro pra mais uma edição do festival que, definitivamente, deve ser parada obrigatória no mapa de quem gosta de explorar o nosso país através da música.

Festival Pôr do Som e DoSol

Por falar no próximo show de Letrux em Natal, ela é uma das atrações confirmadas no Festival Pôr do Som e DoSol, uma nova iniciativa da produtora responsável pelo festival que vai tomar conta do Verão da cidade.

Ouça o novo disco do The Who!