acidental
Foto: Chuim Trindade
 

A banda Acidental, idealizada pelo catarinense Alexandre Machado, lançou o EP digital Pronto/Partido. Com duas faixas, “Pronto, Nada Aconteceu” e “Partido Em Partes”, esse é o quinto EP da banda, que promete uma nova fase, com composições mais “abrasileiradas”.

“Consegui juntar minhas influências de bandas gringas como The Flaming Lips, Depeche Mode e The Cure, com bandas brasileiras como Clube da Esquina, 14 Bis, Guilherme Arantes e Expresso Rural. A ideia é realmente tentar soar o mais brasileiro possível e acho que agora conseguimos atingir isso,” revela Alexandre. Confira:

ISSO

ISSO
Foto: divulgação

A banda ISSO divulgou o EP Atalaia, composto por seis faixas. O trabalho tem gravação e produção de Afonso Silva (Afonso Records), em parceria com Carlos Ziviani (Estúdio Monkey), e tem elementos de grunge, punk e sludge.

Sendo uma palavra de origem árabe que significa “ponto de observação geograficamente privilegiado”, Atalaia trata da necessidade do inconsciente individual de se perceber e se conectar com o outro, além da responsabilidade coletiva que a humanidade tem para com o planeta. Ouça:

Morenas Azuis

Morenas Azuis
Foto: divulgação

O power trio Morenas Azuis, de Brusque (SC), divulgou o EP Bronze, seu terceiro trabalho de estúdio. Composto por duas faixas, “Respirar” e “Conseguir”, o EP foi gravado no Hill Valley Studio, em Porto Alegre (RS), sob o comando de Davi Pacote, que assina a produção junto com os integrantes da banda.

A capa do EP ficou a cargo do artista e músico Paulo Rocker (ex-Gramofocas, e agora Paulo Rocker e os Rockaways). “Crescemos ouvindo Gramofocas, e tantas outras bandas, as quais o Paulo veio a produzir capas de discos, DVDs, Coletâneas. Poder lançar um trabalho com a assinatura dele, é, além de tudo, a realização de um sonho”, explica a banda. Ouça:

The Woods

Foto: divulgação

Alexitimia é o mais novo disco da banda gaúcha The Woods, composto por oito faixas e com influências do rock alternativo, blues, samba e ritmos latino-americanos. O nome do álbum é um termo que diz respeito à dificuldade em descrever emoções, sentimentos e sensações corporais: alexitimia provém do latim, onde “A” indica ausência, “léxis” significa palavra e “thymós” a emoção, o que vem da alma. “É uma espécie de ironia para o primeiro disco autoral da banda, onde a intenção é exclusivamente comunicar”, explicam.

Financiado pela Lei de Incentivo à Cultura (Procultura – Pelotas), produzido e mixado por Júnior Vieira, masterizado por Marcos Abreu (Renato Borghetti, Charles Master, Dingo Bells), o álbum foi gravado no estúdio A Vapor, em Pelotas. Confira: