Cao Laru - Teu Dólar Não Vale Mais
 

A trupe Cao Laru (pronuncia-se Tchau Larru) é formada por músicos brasileiros e franceses que viajam de kombi pelo Brasil e pela América Latina e de motor home quando os shows são na Europa.

Há alguns dias nós publicamos por aqui um especial com eles sobre como organizar turnês tendo orçamento baixo e muita vontade de fazer música por aí e hoje temos outra novidade da banda.

Trata-se do clipe oficial para “Teu Dólar Não Vale Mais”, música que mostra todo jeitão alegre e ainda político da Cao Laru e conta com a participação mais que especial de Juliana Strassacapa, da banda Francisco, el Hombre, que sabe muito bem do que fala quando o assunto é o dólar.

Em 2019 o grupo irá lançar o seu segundo disco de estúdio, Fronteiras, e já foi anunciado como uma das atrações do tradicionalíssimo festival Psicodália.

Nós conversamos rapidamente com Noubar Sarkissian, vocalista do grupo, a respeito da canção e do clipe que tem sua estreia exclusiva hoje aqui no TMDQA!

Veja logo abaixo:

 

– Como surgiu a ideia da letra e da canção “Teu Dólar Não Vale Mais”?

Noubar: A letra da canção surgiu durante nossa turnê no México em 2017, quando nos deparamos com os quilômetros de praias privatizadas em Cancún e com o turismo de massa que coloca frente à frente milionários norte-americanos se esbaldando nas águas azul-turquesa enquanto crianças nativas trabalham vendendo balas e flores nas ruas, nas porta dos grandes resorts. Esse fenômeno se repete em muitos lugares do mundo, inclusive no Brasil, e a canção o denuncia, pois quer um mundo onde aquele que planta nossa comida seja mais valorizado do que aquele que vende dinheiro. Quer que as crianças também possam se esbaldar nas praias onde nasceram, e que sonhem, viajem, colham amor por aí.

 

– Como se deu a gravação do clipe?

Noubar: A gravação do clipe foi um processo criativo intenso entre a banda e as manas da Moviola-Mídia Livre, a quem demos total liberdade pra criar uma obra que dialogasse com a canção, mas que tivesse vida própria, e que trouxesse novas ideias e interpretações. Ele foi filmado em um estúdio em Uberlândia (MG), com uma equipe maravilhosa que fez tudo com pouco orçamento e muito talento. Gostamos muito do caminho e do resultado e estamos ansiosos pra ver como nosso público vai recebê-lo.

 

– Em 2019 tem disco novo vindo e vocês voltam a excursionar no Brasil… o que a banda planeja e espera para o ano que vem?

Noubar: Sim, em janeiro de 2019 lançaremos o Fronteiras, nosso segundo disco, que é fruto de várias inquietações que vivemos nesses dois anos e meio de música itinerante (foram cerca de 300 shows em mais de 20 países), e que coloca em xeque as fronteiras não só geopolíticas pelas quais temos que passar, mas também várias fronteiras do nosso dia a dia: de classe, de gênero, etc. É um trabalho que já está mudando a história da banda, e que esperamos que toque muita gente. Vamos excursionar com nossa kombi por todo o Brasil entre fevereiro e julho e já temos mais de 40 shows confirmados, entre grandes e pequenas cidades. Esperamos continuar levando nossa música onde tiver alguém querendo escutá-la, alimentando a cena independente e aprendendo com cada lugar, cada pessoa que encontramos na estrada. Estamos com muitas saudades do público brasileiro, e temos a sensação de que esse reencontro vai ser lindo.