As 10 melhores
 

Imagine a seguinte cena: você vai para um happy hour de seu trabalho, para um encontro com os amigos ou até mesmo para um date. Chegando no bar ou no restaurante onde o evento foi marcado, vocês descobrem que vai ter apresentação ao vivo. Maneiro, certo?

O músico, com sua apresentação no formato voz e violão, vai cantar vários sucessos para deixar uma trilha sonora agradável para o momento. Afinal de contas, um lugar silencioso pode ser até mesmo incômodo.

Conseguiu imaginar? Ok, então aposto que algumas músicas específicas dever ter batido na sua cabeça. Talvez uma MPB, um pop rock ou até mesmo algum rock clássico com uma melodia vocal inconfundível, certo? Isso porque elas vão ser certamente parte da setlist da noite.

A equipe do TMDQA! votou nas suas escolhas particulares de músicas que se encaixariam bem em uma setlist de voz e violão e logo abaixo você pode ver a nossa lista de melhores “músicas de barzinho”:

 

10 – “Primeiros Erros” (Kiko Zambianchi, Capital Inicial)

Gravada originalmente pelo compositor Kiko Zambianchi, “Primeiros Erros” se tornou posteriormente um dos maiores hits do Capital Inicial.

A versão da banda brasiliense foi gravada em seu Acústico MTV de 2000. O arranjo acústico, que pegou carona no sucesso que o programa fazia na época, deu espaço e visibilidade a uma letra delicada e bela.

Falando sobre arrependimento, a música usa “sol” e “chuva” como metáforas para acertos e erros. É simples, mas a cover foi um dos maiores acertos da banda liderada por Dinho Ouro Preto.

 

9 – “Hotel California” (Eagles)

Com direito a um dos solos de guitarra mais belos da história do rock, “Hotel California” é a canção de maior sucesso comercial da banda Eagles.

Lançada no final de 1976 como faixa-título do quinto álbum de estúdio do grupo, a música chegou ao topo da Billboard Hot 100 no ano seguinte, e ainda ganhou o Grammy de Melhor Gravação em 1978.

A letra da canção tornou o tal Hotel California uma das localidades fictícias mais celebradas na música mundial, tal como a “House Of The Rising Sun”. O baterista e vocalista Don Henley descreveu uma vez a música como “uma jornada da inocência para a experiência”.

Não apenas a letra contribuiu para o sucesso atemporal da música, mas também seu arranjo. Ao mesmo tempo relaxante e intrigante, a música acaba sendo pedida certa para ser tocada em bares e restaurantes.

 

8 – “Gostava Tanto De Você” (Tim Maia)

Ao longo dos anos 70, Tim Maia se tornou uma figura muito popular no mundo da MPB. A temática de seus maiores sucessos variava entre a leveza e animação de “Descobridor dos Sete Mares” e a melancolia e reflexão de “Me Dê Motivo“.

Entre esses extremos ficava a canção “Gostava Tanto de Você“, de 1973. Composta por Edson Trinidade, a canção foi lançada originalmente no quarto álbum de estúdio de Tim, e não tardou para virar um grande sucesso.

Ao mesmo tempo em que o eu-lírico da música lamenta uma grande perda, o arranjo instrumental é uma forma de celebrar um saudoso sentimento de amor. É daquelas músicas que você se coça para não cantar quando ouve tocando por aí.

 

7 – “Será” (Legião Urbana)

O rock brasileiro dos anos 80 rendeu bons frutos para serem cantados por aí. E o grupo Legião Urbana é um dos maiores motivos disso.

Em seu homônimo álbum de estreia de 1985, o grupo se apresentou ao Brasil com algumas letras icônicas, como as de “Geração Coca-Cola” e “Por Enquanto“. Mas a nossa escolha foi a faixa que abre o álbum, “Será“.

Com uma simples progressão de acordes e uma letra que versa sobre esperança, o Legião conseguiu a receita para um sucesso atemporal e palatável para qualquer pessoa.

Isso porque, na época, ainda não haviam sido lançados outros hits como “Tempo Perdido“, “Eduardo e Mônica” e “Faroeste Caboclo“…

 

6 – “Meu Erro” (Os Paralamas do Sucesso)

Estávamos falando do rock nacional dos anos 80, não é mesmo?

Na nossa setlist de barzinho, é tecnicamente obrigatório ter “Meu Erro“. Lançada em 1984 no álbum O Passo do Lui, a canção foi gravada na forma de um pop-rock romântico pelo grupo Os Paralamas do Sucesso. A música ganhou uma repercussão gigantesca que se repercute até hoje nos mais diversos lugares.

A música é até hoje um ponto alto nos shows da banda, mesmo estando no mesmo repertório que outros clássicos como “Óculos“, “Alagados” e “Selvagem“.

Você pode até achar que vai resistir à cantoria, mas quando chegar o refrão…

 

5 – “Knocking On Heaven’s Door” (Bob Dylan, Guns N’ Roses)

Na verdade, a composição original pertence ao mestre Bob Dylan. Mas, se estamos falando do arranjo inconfundível que muito adolescente por aí gosta de aprender no violão, estamos certamente nos referindo à versão do grupo Guns ‘N Roses.

A voz de Axl Rose se encaixou perfeitamente na proposta da música, enquanto Slash prioriza um solo mais lento e tocante ao invés da velocidade e a agressividade que caracteriza o solo de canções mais agitadas como “Welcome To The Jungle“. Por sinal, esse é um padrão seguido pelo grupo para canções mais leves como “Patience” e “Estranged“.

No mais, perceba que músicas com simples progressões de acordes são padrão para setlists de apresentações acústicas.

 

4 – “Have You Ever Seen The Rain” (Creedence Clearwater Revival)

A mais velha das canções desta lista foi lançada em 1970 pelo grupo Creedence Clearwater Revival. “Have You Ever Seen the Rain” é uma composição do vocalista John Fogerty para o álbum Pendulum.

Após excelentes colocações nas mais famosas paradas de sucesso mundo afora, a música se consagrou como o maior sucesso do grupo. Ela se mostra forte para a cultura norte-americana como um todo, uma vez que já foi tocada por grupos e artistas como Spin Doctors, R.E.M., Johnny Cash e Rod Stewart.

A letra conta, na forma de um relaxante country rock, sobre chuva em dias ensolarados, um evento comum em alguns estados norte-americanos. Por que é sempre tocada até hoje? É a velha história dos acordes simples em arranjos simples. Esses quase 50 anos do lançamento da música provam que é uma tática efetiva.

 

3 – “Malandragem” (Cássia Eller)

“Quem sabe eu ainda sou uma garotinha?”

Frejat e Cazuza compuseram “Malandragem“, originalmente, para a cantora Ângela Rô Rô, mas ela não havia gostado da letra. Ofereceram então para Cássia Eller, que adorou.

A versão que ficou mais famosa foi a de seu Acústico MTV, de 2001. Para esta ocasião, Cássia e sua banda fizeram uma versão que tirou a atmosfera sombria da gravação original.

É certamente uma boa pedida para ser cantada em conjunto, seja em um bar, em um restaurante ou em um karaokê. Todo mundo conhece e canta junto sem hesitar.

 

2 – “Whisky A Go-Go” (Roupa Nova)

Versos românticos, uma história interessante e expressões em inglês formam uma equação cujo resultado é bem positivo. Foi o caso de “Whisky a Go Go“, do grupo Roupa Nova.

Lançada em 1984, a letra da canção escrita pela dupla Sullivan e Massadas, ao mesmo tempo que fala sobre um romance hipotético, é homenagem ao cantor Johnny Rivers. O título da música é uma referência a uma casa de shows de mesmo nome, localizada na Sunset Strip, na Califórnia. Já a pergunta do refrão, “Do You Wanna Dance?“, é o título de uma canção de Rivers.

É claro que não foram as referências que tornaram a música tão icônica e famosa na cultura musical brasileira. Além da história da letra, isso se deve também ao arranjo da voz e dos instrumentos, que proporcionaram uma gravação dançante, divertida e contagiante que certamente ainda será cantada por muitas gerações.

 

1 – “Wish You Were Here” (Pink Floyd)

Depois dessa lista, podemos concluir alguns padrões sobre músicas que são comuns de serem tocadas em bares ou restaurantes. Uma delas é que elas são em sua maioria puxadas para um arranjo mais acústico, sem muita firula instrumental. Outra é que essas canções costumam ter temas românticos (entendendo o termo “romântico” pelo seu significado original de emoção, de subjetividade).

Para encerrar a lista, aqui está uma que une todas essa tribos com maestria: “Wish You Were Here“, da banda Pink Floyd. É a faixa-titulo do nono álbum do grupo, lançada em 1975.

Bem aberta a interpretações, a música fala sobre saudade, e muitos especulam que tal sentimento seja em relação ao ex-integrante do grupo, Syd Barrett.

Com um riff de violão marcante, serenidade na voz de David Gilmour e um refrão que pode ser memorizado com facilidade, “Wish You Were Here” é uma típica música para assistir ao vivo enquanto mantém o isqueiro (ou a lanterna do celular) aceso para o alto.

No bar, essa é para todo mundo se abraçar e aplaudir o músico com vontade depois!

 

E aí? Gostou da nossa setlist de apresentação de bar? Qual você acha que faltou? Deixe sua opinião nos comentários. Quem sabe, na próxima “apresentação”, a gente encaixa mais alguma…