New Order em Barcelona 2016 (foto via Shutterstock)
Foto via Shutterstock
 

Durante a divulgação de um novo documentário sobre o New Order, na última quinta-feira (20), o frontman Bernard Sumner falou abertamente à Sky News sobre como, quase 40 anos após a morte de Ian Curtis, vocalista do Joy Division, o cuidado com a saúde mental de jovens ainda é minimamente debatido.

“Não estou falando sobre epilepsia, mas problemas de saúde mental em pessoas jovens, especialmente estudantes, são criminalmente deixados sem recursos”, relata Sumner. Curtis sofreu com a epilepsia durante seus últimos anos de vida.

Quando o governo de coalisão se formou, depois da crise financeira de 2008, eles tiraram recursos do sistema nacional de saúde e deixaram o socorro a jovens com problemas mentais sem fundos. E ainda é dessa forma, e são as crianças nas escolas que realmente precisam de ajuda, e eles foram abandonados. Isso vai se tornar uma bomba-relógio para o governo e para o país — precisamos chamar atenção para isso. É nojento.

Relembrando Ian Curtis, Sumner, que era um dos membros originais do Joy Division, acredita que o falecido vocalista ainda teria lidado com os mesmos problemas, tão comuns hoje em dia.

“É óbvio que é triste demais o que aconteceu, e queríamos que Ian pudesse estar conosco pra aproveitar tudo isso. Mas sendo sincero, eu não acho que a saúde dele estava intacta o suficiente para ele aguentar o rigor das turnês.”

O baterista Stephen Morris celebra o que chama de “uma mudança positiva de atitude em relação a saúde mental”.

Ian teve epilepsia, é uma doença que as pessoas entendem melhor hoje. E é ótimo que estejamos conscientes de todos os tipos de doenças mentais, da depressão a esquizofrenia. É melhor entendido hoje do que nos anos 1970. E eu acho que esse tipo de atitude afetou Ian um pouco, porque ele tinha e sabia que aquela atitude existia na época, e graças a Deus nós mudamos um pouco.

O novo documentário sobre o New Order se chama Decades e irá ao ar no canal Sky Arts neste sábado (22).