Crazy Rich Asians
Foto: Divulgação/Warner Bros. Pictures
 

O diretor Jon M. Chu emocionou a internet na última semana ao revelar a carta que fez para os membros do Coldplay pedindo que a banda cedesse o hit “Yellow” para a trilha sonora de seu novo filme, Crazy Rich Asians.

Citando sua história pessoal enquanto cidadão asiático-americano e como a canção o ajudou a se entender em termos de identidade e empoderamento, o cineasta explica na carta como “Yellow” se encaixa na trama da comédia romântica.

Pela primeira vez na minha vida, ela [a música] descreveu a cor [amarela] da maneira mais bonita e mágica que eu já havia ouvido: a cor das estrelas, da pele dela, o amor. Foi uma imagem incrível que me fez repensar minha própria imagem.

O termo “amarelo” é visto como ofensivo e degradante contra asiáticos, por isso a importância do hit de 2000 do Coldplay na construção da identidade asiática. Fez sentido para o diretor incluir a canção do disco Parachutes, primeiro da banda britânica, no fim da história.

Seria uma honra usar sua canção que me deu tanta força ao longo dos anos, para sublinhar a parte final do nosso filme. E para mim, pessoalmente, seria completar uma jornada que eu tenho feito, lutando para sobreviver na indústria do cinema.

Originalmente, a banda recusou a oferta. No Quartzy, o jornalista Jeff Yang argumenta que o Coldplay não aceitou de primeira por já ter enfrentado acusações de apropriação cultural com “Princess of China” (2012), colaboração com Rihanna, e “Hymn For The Weekend”, cantada com Beyoncé e lançada em 2016, com um videoclipe exuberante gravado na Índia.

Ainda bem que, após a carta do cineasta, o Coldplay prontamente respondeu o e-mail de Chu cedendo a canção, e “Yellow” ganhou uma belíssima versão no filme cantada em mandarim na voz de Katherine Ho.

Crazy Rich Asians

Crazy Rich Asians é o primeiro longa-metragem lançado por Hollywood com um elenco inteiramente asiático em 25 anos. O filme é baseado no best seller de nome homônimo, do escritor Kevin Kwan, e tem sido elogiado desde sua estreia e uma sequência já está em negociação. Sua estreia no Brasil está marcada para 1º de Novembro.

Leia a tradução da carta na íntegra e confira a versão em mandarim de “Yellow”:

8 de Dezembro, 2017

Caros Chris, Guy, Jonny e Will,

Eu sei que é um pouco estranho, mas a minha vida inteira eu tive uma relação complicada com a cor amarela. De ser chamado pela palavra de maneira depreciativa ao longo do ensino fundamental, a assistir filmes onde chamavam as pessoas covardemente de amarelas, sempre teve uma conotação negativa na minha vida. Era assim, até eu ouvir a sua música. Pela primeira vez na minha vida, ela descreveu a cor da maneira mais bonita e mágica que eu já havia ouvido: a cor das estrelas, da pele dela, o amor. Foi uma imagem incrível de atração e inspiração que me fez repensar minha própria imagem. Me lembro de assistir o videoclipe na faculdade pela primeira vez no TRL [da MTV]. Aquela cena com o sol nascendo foi de tirar o fôlego tanto pro meu lado cineasta, quanto pro meu lado apaixonado por música. Imediatamente se tornou um hino para meus amigos e eu, e nos deu uma nova noção de orgulho que nunca havíamos sentido antes… (mesmo que não tenha sido sua intenção). Podíamos reivindicar a cor por nós mesmos e aquilo ficou comigo pela maior parte da minha vida.

Então, a razão pela qual estou escrevendo isso agora é porque estou dirigindo um filme para a Warner Bros. chamado CRAZY RICH ASIANS (baseado no best seller), e é o primeiro elenco INTEIRAMENTE ASIÁTICO de um filme de Hollywood em 25 anos. Louco. Recentemente estivemos na capa da Entertainment Weekly para celebrar o fato. A história é uma comédia romântica sobre uma jovem asiático-americana (interpretada por Constance Wu) de Nova York se entendendo com sua identidade cultural enquanto visita a mãe de seu namorado (interpretada por Michelle Yeoh) em Singapura. É uma brincadeira exuberante, divertida e romântica, mas no fundo tem a história de uma garota se tornando uma mulher. Descobrindo que ela é boa suficiente e merece o mundo, não importa o que lhe foi ensinado ou como foi tratada, e que ela pode ter orgulho de quem é e de sua herança mista. A última cena do filme mostra essa percepção quando ela vai para o aeroporto para voltar pra casa como uma mulher diferente. É uma marcha poderosa e empoderadora, e precisa de uma trilha que seja boa e vá além de seu triunfo interior, que é onde “Yellow” entra. Seria uma honra usar sua canção que me deu tanta força ao longo dos anos, para sublinhar a parte final do nosso filme. E para mim, pessoalmente, seria completar uma jornada que eu tenho feito, lutando para sobreviver na indústria do cinema.

Eu sei como artista é sempre difícil decidir quando é certo unir sua arte com a de outra pessoa – e eu tenho certeza de que, na maioria das vezes, você está inclinado a dizer não. Entretanto, eu acredito neste projeto em especial. Eu acredito que esta é uma situação única em que um filme de Hollywood, com um elenco inteiramente asiático que não interpreta esteriótipos ou secundários, mas protagonistas românticos e cômicos. Isso dará a toda uma geração de asiático-americanos, e outros, a mesma noção de orgulho que eu tive quando ouvi sua música. Eu sei que está recontextualizado, mas eu acho que é isso que a faz tão poderosa. Eu quero que todos tenham uma música que os faça sentirem-se bonitos como as suas palavras e melodia fizeram eu me sentir quando mais precisei.

Sua consideração significaria muito para mim e nosso projeto.

Posso mostrá-los o filme, se vocês quiserem saber o contexto, ou conversar com vocês se tiverem perguntas. Obrigado por tomarem seu tempo para ouvir.

Com carinho,

Jon M. Chu
Diretor de Crazy Rich Asians, Um Truque De Mestre 2, G.I. Joe: Retaliação

 
 
Compartilhar