Marilyn Manson em 2015 no Rock on the Range
Foto de Marilyn Manson via Shutterstock
 

As acusações de abuso sexual feitas contra Marilyn Manson foram oficialmente retiradas.

Em Maio deste ano, uma pessoa anônima denunciou uma série de crimes sexuais não especificados que o cantor teria cometido no ano de 2011.

Em comunicado, o advogado de Manson, Howard E. King, declarou:

Sob a política atual, o Procurador do Condado de Los Angeles deve investigar qualquer alegação de abuso sexual, não importa o quão incomum ela seja. Não é de surpreender que o Procurador Distrital, após investigação, tenha rejeitado sumariamente as alegações feitas em um relatório policial apresentado por um ex-conhecido contra Brian Warner (conhecido como Marilyn Manson).

As alegações feitas à polícia foram e são categoricamente negadas pelo Sr. Warner e são completamente delirantes ou parte de uma tentativa calculada de gerar publicidade para os negócios do acusador de vender objetos do Manson. O relatório policial que estimulou a investigação foi acompanhado pelo comunicado de imprensa da mulher e outras tentativas de gerar publicidade que fraudulentamente alegou que ela foi mantida em cativeiro pelo Sr. Warner por 48 horas em 2011. Qualquer alegação de impropriedade sexual ou prisão, em qualquer outro momento, é falsa.

Outros casos também retirados foram contra o rapper A$AP Bari e Murray Miller, roteirista da série Girls. Enquanto isso, outras centenas de casos que ganharam força após o movimento #MeToo estão em revisão.

Marilyn Manson

Em Outubro de 2017, Manson demitiu o baixista Twiggy Ramirez de sua banda, após o músico ser denunciado por estupro.

     
 
FonteNME
Compartilhar