Foto: Davide Bori

Dieguito Reis tem provado ser um artista versátil.

Além de baterista do quarteto baiano Vivendo do Ócio, o músico de Salvador (BA) divide sua existência entre as tarefas de produtor, DJ, instrumentista e compositor. Engana-se quem acha que o músico tem raízes fixas na banda que o revelou, pois Dieguito ainda toca em diversos projetos, como o Trummer SSA, a banda Lau e Eu e agora começa a se aventurar em suas produções como artista solo.

Talvez “solo” não seja bem a palavra para descrever a sua nova empreitada, pois o baterista reuniu uma verdadeira rede de amigos colaboradores para concretizar esse sonho. Essa colaboração envolveu a gravação em três estúdios diferentes (HitMaker, Ko lab e Concha, onde gravou com Thiago Guerra da Fresno), fotos, design de capa, clipe, releases e todo o tipo de material necessário para fazer o álbum, intitulado como Patcharas.

Patcharas possuirá somente 7 faixas que serão lançadas individualmente, uma a uma, até o final desse ano. O primeiro single, “Favela Sincera”, acaba de ser disponibilizado e surpreende pela quebra com a sonoridade mais voltada ao rock que era a faceta tradicional do músico. Dieguito encarna a figura do rapper baiano ao relatar as realidades da periferia local e os desafios encontrados pela sua versão mais jovem ao largar a Bahia para tentar a vida na cidade de São Paulo, como imigrante nordestino – uma figura que apesar de ter conquistado espaço na capital paulistana como uma das maiores forças de trabalho da cidade, ainda encontra muita resistência e preconceito.

O espanto com o novo estilo escolhido pelo músico é de certa forma proposital e demonstra a intenção de Dieguito de incomodar mesmo, com a figura do “baterista que não é mc largando rima”. Segundo o mesmo, a ideia é de sair da zona de conforto e poder criar sem bloqueios. “Favela Sincera” ainda conta com a participação do vocalista do Vivendo do Ócio, Jajá Cardoso, que canta os refrões da faixa.

Confira o single abaixo:

Uma curiosidade interessante em relação ao nome do disco já foi revelada pelo baixista do Vivendo do Ócio, Davide Bori, que entregou que o significado de Patcharas (um termo já usado pela banda em diversas situações) é “o grande chefe da tribo, o cara que comanda, que manda, que dita as regras”. Um nome no mínimo pertinente pra definir os novos caminhos de Dieguito Reis.