Eu, A Véia e os Caras se inspira em filme cult no EP de estreia

A sonoridade do grupo flerta com as bandas de metal do começo dos anos 2000

Eu, A Véia e os Caras se inspira em filme cult em EP de estreia
Foto: Felipe Maia / Divulgação
 

Mais de 10 anos de carreira e muita experiência vivida. Essa é a receita por trás de Lacuna, EP de estreia da banda paulista Eu, A Véia e os Caras.

O registro, formado por três canções, tem inspirações distintas para cada música. A faixa-título é inspirada no já clássico filme cult Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças. Ela tem uma sonoridade pesada e densa e letra que, assim como o longa, aborda arrependimentos. 

A inspiração vai mais longe ainda na música “Alcance”. A faixa tem uma história forte envolvendo o guitarrista Véia, que fora da banda trabalha como estomatopatologista (área da odontologia responsável pelo diagnóstico e tratamento de lesões envolvendo a região de cabeça e pescoço, incluindo doenças ligadas ao câncer).

O grupo quis mostrar um lado diferente do habitual na canção. Dessa maneira, o foco é menos a doença em si, e sim as histórias de superação.

A sonoridade do grupo flerta com as bandas de metal do começo dos anos 2000 como Papa Roach, Limp Bizkit e P.O.D. No EP, tudo isso foi colocado em um contexto contemporâneo graças à produção de Hugo Silva

Comentários