Anthony Kiedis
Foto via Shutterstock
 

Nos últimos dias o Spotify anunciou que retiraria das suas playlists oficiais as músicas de artistas como R. Kelly e XXXTentación.

Isso aconteceu porque esses músicos têm seus nomes envolvidos em diversos escândalos ligados, principalmente, a casos de abuso sexual contra mulheres, e a plataforma optou por fazê-lo dessa forma para passar uma mensagem a respeito do seu posicionamento.

Após o anúncio de que esses músicos teriam suas canções retiradas das playlists, um grupo chamado UltraViolet, que luta pelos direitos das mulheres, também se posicionou e pediu para que a ação atinja outros nomes.

Em uma carta aberta, a diretora Shaunna Thomas citou os nomes de Chris Brown, Red Hot Chili Peppers, Nelly, Eminem, Don Henley (The Eagles) e Steven Tyler (Aerosmith), sem dar motivos específicos mas dizendo:

Toda vez que um indivíduo famoso continua a ser glorificado apesar das alegações de abuso, nós perpetuamos de maneira equivocada o silêncio mostrando às sobreviventes de abuso sexual e violência doméstica que não haverá consequências por esses abusos. Isso tem um efeito cultural que vai além de um artista específico.

Os casos envolvendo os nomes citados acima variam bastante, mas tanto Anthony Kiedis, do Red Hot Chili Peppers, quanto Steven Tyler, do Aerosmith, tiveram relações sexuais com garotas menores de idade e admitiram isso publicamente, sendo que o segundo chegou a obrigar uma menina de 16 anos com quem vinha se relacionando a abortar.

Anos depois ela contou que ficou traumatizada com tudo que aconteceu e passou a ter pesadelos recorrentes com o aborto.

Chris Brown

Vale lembrar que há poucos dias Chris Brown foi processado por uma mulher que acusa o músico de ter organizado e participado de uma festa onde ela foi estuprada várias vezes.